Korn: Veteranos com muita energia fecham a tour brasileira em POA

Resenha - Korn (Pepsi On Stage, Porto Alegre, 23/04/2017)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Karen Waleria
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Ontem, o KORN encerrou a perna brasileira da sua tour sul-americana, na capital gaúcha, Porto Alegre, para um público estimado em torno de 3 mil pessoas pela produção do evento.

Caso de polícia: homem é preso por assédio sexual durante show do KornContra-baixo: as melhores introduções do Heavy Metal

A primeira atração da noite de domingo, dia 23 de abril, foi a banda brasileira EGO KILL TALENT que iniciou a sua performance às 18h40.

Durante 45 minutos a banda formada em 2014 que tem no seu line-up músicos com muitos anos de estrada, oriundos de bandas como SEPULTURA, REAÇAO EM CADEIA, DIESEL/UDORA, SAYOWA e DESALMADO, mostrou a que veio.

Assistindo o quinteto em ação deu para entender porquê a banda vem sendo apontada pela mídia especializada como uma das maiores revelações do rock brasileiro dos últimos tempos.

Foi o debut do supergrupo formado por Jean Dolabella (bateria e guitarra), Jonathan Correa (vocal), Raphael Miranda (bateria e baixo), Niper Boaventura (guitarra e baixo) e Theo Van Der Loo (guitarra e baixo) na capital gaúcha, depois de uma mini-tour no estado que passou por São Leopoldo, Caxias do Sul e Canela.

A banda que apresentou seu álbum homônimo, fez um rodízio de instrumentos em algumas músicas. Somente o vocal que não mudou. Essa movimentação dos integrantes, certamente deve ter chamado a atenção dos desavisados. Mas essa é uma característica da banda, a identidade coletiva; inclusive todas as músicas apresentadas foram compostas coletivamente.

Para quem ainda não conhece e gosta de um rock pesado,com influências variadas, de extrema qualidade, recomendo.

Setlist:

Just To Call You Mine
Last Ride
Still Here
Heroes, Kings and Gods
Sublimated
We All
Same Old Story
Old Love and Skulls
The Searcher
Try (There Will Be Blood)

As 20h15, quando "The Bitch" foi avistado pelo público, o Pepsi on Stage veio abaixo.

Finalmente, depois de tanto tempo de espera, havia chegado a vez dos gaúchos assistirem pela primeira vez uma das bandas pioneiras do nu metal, estilo que combina elementos do metal com outros ritmos como o hip-hop. Foi impossível manter-se parado ouvindo a banda em ação. Banda que tanto sucesso fez no início dos anos 90, época do boom do gênero, mas que se não tivesse qualidade, com certeza, não estaria na ativa até hoje.

Sem ser piegas, fazia muito tempo que não presenciava um público com tamanha empolgação durante o show inteiro, e não só em alguns momentos.

Jonathan Davis (vocal), James "Munky" Shaffer (guitarra), Brian "Head" Welch (guitarra), Ray Luzier (bateria) e Tye Trujillo (baixo), subiram ao palco e iniciaram a sua performance com "Right Now" do álbum "Take a Look in the Mirror" de 2003.

Durante 1h30 o grupo apresentou um setlist que agradou em cheio o público. Contou com vários clássicos da banda, alguns covers -"Word Up" (CAMEO), trechos de "We Will Rock You" (QUEEN) e "One" (METALLICA), abre aspas ver o baixista-mirim tocando a música da banda do pai foi muito legal, aliás ver o pai-coruja no backstage curtindo o filhote arrasando no palco também foi emocionante - e duas faixas do álbum mais recente, lançado no final do ano passado. "Rotting in Vain"e "Insane"- únicas faixas do "The Serenity of Suffering" apresentadas no set e ambas foram cantadas pelo público com a mesma empolgação que os hits da banda.

Obviamente que parte das atenções do público se voltaram ao menino-prodígio de 12 anos, filho de Robert Trujillo, do METALLICA que substituiu "Fieldy" na tour sul-americana da banda. O baixista original reassume seu posto em maio.

Tye, anteriormente arriscou-se nas baquetas, mas que pelo que se viu no palco, agora encontrou o seu instrumento. O adolescente, que toca na banda THE HELMETS, substituiu à altura o baixista original da banda. Mostrou muito feeling, habilidade e muita, mas muita segurança no palco.

A banda, que já contabiliza 24 anos de estrada, mostrou que continua em ótima forma. Munky, Head destruindo tudo com seus riffs, era muita energia. Se fosse definir o show de ontem com uma palavra seria "Energia". Todos se movimentando muito no palco, interagindo muito com o público. Jonathan com seu vocal ímpar, Ray Luzier destruindo tudo nas baquetas e o "Trujillinho" acompanhando os veteranos com uma segurança incrível.

Os gaúchos esperaram muito tempo para ver essa banda que tanto sucesso nos anos 90, época do boom do seu gênero; mas se a banda não tivesse a qualidade que possui, não estaria na ativa até hoje.

Quem foi ontem no Pepsi on Stage, com certeza, saiu satisfeito com o show que presenciou.

Parando para pensar nisso, o KORN mesmo com suas quase duas décadas e meia mantém quase que a formação original, um fato louvável hoje em dia, não é mesmo?

Negativo do show? Somente sua curta duração.

Setlist:

Right Now
Here to Stay
Rotting in Vain
Somebody Someone
Word Up!
Coming Undone/We Will Rock You
Insane
Y'all Want a Single
Make Me Bad
Shoots and Ladders/One
Drum Solo
Blind
Twist
Good God
Falling Away From Me
Freak on a Leash

Fotos: Sônia Butelli

Agradecimentos à Hits Entretenimento

Veja mais fotos no link a seguir.
https://www.flickr.com/photos/141777721@N07/albums/72157682895131266

Comente: Esteve em algum show? O que achou? Gostou do Tye?


Outras resenhas de Korn (Pepsi On Stage, Porto Alegre, 23/04/2017)

Korn: Como foi a primeira apresentação da banda na capital gaúcha




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Korn"Todas as matérias sobre "Ego Kill Talent"Todas as matérias sobre "Tye Trujillo"


Caso de polícia: homem é preso por assédio sexual durante show do KornCaso de polícia
Homem é preso por assédio sexual durante show do Korn

Korn: Jonathan Davis respeita crença de Brian Welch, mas ponderaKorn
Jonathan Davis respeita crença de Brian Welch, mas pondera

Nu-Metal: nove solos de guitarras matadores de bandas do estilo

Korn: Brian Head nega acusações feitas por ex-bateristaKorn
Brian Head nega acusações feitas por ex-baterista

Korn: banda divulga outra música inédita, intitulada Korn
Banda divulga outra música inédita, intitulada "Cold"; ouça

Korn: Banda lança vídeo para "You'll Never Find Me"

Korn: álbum de covers deve rolar e pode ter até versão de LedKorn
álbum de covers deve rolar e pode ter até versão de Led

KXM: supertrio confirma álbum com capa produzida por brasileiro

Korn: Jonathan Davis critica o nu metalKorn
Jonathan Davis critica o nu metal

Korn: vocalista explica título do novo álbumKorn
Vocalista explica título do novo álbum

Queen: e se Dio, Serj, Dickinson e outros cantassem Queen
E se Dio, Serj, Dickinson e outros cantassem "Bohemian Rhapsody"?

Korn: Korn
"Todos quebram em determinado momento", diz guitarrista

Korn: Jonathan Davis conta qual foi o maior erro da bandaKorn
Jonathan Davis conta qual foi o maior erro da banda


Contra-baixo: as melhores introduções do Heavy MetalContra-baixo
As melhores introduções do Heavy Metal

Hetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no MetallicaHetfield
Egos, Mustaine, Load e homossexualidade no Metallica

Metallica: Ulrich comenta sobre seu maior erroMetallica
Ulrich comenta sobre seu maior erro

Galeria - Mais que instrumentos, obras de arteSupernatural: ouça 10 músicas que marcaram a sérieOpeth: "Não queremos apenas ser diferentes!"Bill Ward: "O primeiro do Led Zeppelin me fez pirar!"

Sobre Karen Waleria

Blogueira gaúcha. Estudou letras. Ecleticidade musical é seu ponto forte; com uma tendência ao Rock e Metal. Já foi colaboradora em grandes sites de Rock e Heavy Metal, trabalha com divulgação de bandas e eventos. Responsável pelo blog www.karenwaleria.blogspot.com.br. Siga no Twitter @Rocksblog.

Mais informações sobre Karen Waleria

Mais matérias de Karen Waleria no Whiplash.Net.

adGooILQ