Black Dahlia Murder: Resenha do show no Rio de Janeiro

Resenha - Black Dahlia Murder (Teatro Odisséia, Rio de Janeiro, 23/10/2016)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Guilherme Guerra
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Pleno domingo (23/10) no Rio de Janeiro e todas as atenções de headbangers da cidade eram voltadas para o Teatro Odisséia.

Os Headbangers não praticantesTarja: agredida sexualmente por fã durante show no México em 2000

THE BLACK DAHLIA MURDER retornava ao Brasil para apresentações em São Paulo, Curitiba e RJ.

A banda está inserida no sub-gênero de Melodic Death Metal e conta com o vocalista Trevor Strnad, Brian Eschbach e Brandon Ellis nas guitarras, além do baterista Alan Cassidy e do baixista Max Lavelle.

Para a abertura foram selecionadas duas bandas brasileiras: RECKONING HOUR e SIRIUN, que após um pequeno atraso na abertura da casa, inundaram a Lapa com metal nacional.

Com a SIRIUN, vimos um Thrash, puxando para o death metal, de muita qualidade. Foram poucas músicas, mas bem intensas e que deram as boas vidas ao público. Até cover do DECAPITED teve, surpreendendo bastante. Já RECKONING HOUR, apresentou um estilo mais melódico, alternando momentos de pancadaria. A banda é razoável, mas pareceu não empolgar tanto um Teatro Odisséia que aguardava a agressividade do TBDM.

A banda americana entrou e colocou o Odisséia abaixo com "What a Horrible Night to Have a Curse" seguida de "Statutory Ape". O som perfeito e o carisma da banda iam conquistando todos os que estavam ali. Trevor conversava com o público a todo momento e sempre pedia a participação puxando moshpits e com seu tradicional "muscle time" flexionava os braços arrancando até risadas.

Seguiram com "Abysmal" faixa mais melódica do novo trabalho da banda que leva o mesmo nome.

Passaram por "Nocturnal" e "Malenchantments of the Necrosphere" até voltarem para o recente trabalho com "Vlad, Son of the Dragon" e "Receipt". Nessas duas faixas ficou evidente o belo trabalho de bumbo duplo de Alan e a técnica de Brandon nos solos.

E por lá se foi a uma hora de setlist, com direito incluive a "Miasma", grande música do segundo disco da banda. Encerraram o show com a já tradicional "I Will Return".

Ao final de um show incrível, THE BLACK DAHLIA MURDER agradou todos os presentes no Teatro Odisséia com seu carisma e deixou um certo gostinho de quero mais nos cariocas.

Setlist:
What a Horrible Night to Have a Curse
Statutory Ape
Abysmal
Nocturnal
Malenchantments of the Necrosphere
Vlad, Son of the Dragon
Receipt
Warborn
Threat Level No. 3
Contagion
Unhallowed / Funeral Thirst
Miasma
On Stirring Seas of Salted Blood
Everything Went Black
Deathmask Divine
I Will Return




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Black Dahlia Murder"


Death MetalDeath Metal
Cinco bateristas do gênero que são insanos

Heavy MetalHeavy Metal
10 bandas com formações tumultuadas


OpiniãoOpinião
Headbangers não praticantes: radicalismo no Metal

Tarja TurunenTarja Turunen
A agressão de um fã durante show no México em 2000

Musical BoxMusical Box
Os vinte discos seminais do Hard Rock

Avenged Sevenfold: The Rev dizia que não passaria dos 30Antes da fama: Atores que apareceram em clipes do Korn, Offspring, Aerosmith e outrosKiss: banda toca clássico do Led Zeppelin em versão acústicaNirvana: Dave responde o que fez Kurt sofrer

Sobre Guilherme Guerra

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGooILQ