Dream Theater: Resenha da apresentação no Vivo Rio

Resenha - Dream Theater (Vivo Rio, Rio de Janeiro, 23/06/2016)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos André Farias
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Ainda estou digerindo o show, mas não poderia demorar mais para publicar meu registro, ainda que breve, escrito.

11 de Setembro: as tristes coincidências envolvendo Slayer e Dream TheaterLed Zeppelin: a inspiração por trás de "Kashmir"

Em primeiro lugar, é bom destacar que este fora meu primeiro show da banda, portanto, usarei como parâmetros outros registros ao vivo que vi; sejam oficiais, bootlegs ou até mesmo relatos de quem já esteve em um show da banda.

Em uma casa que estava longe de estar lotada, mas com certeza não estava de modo algum vazia, o atraso de aproximadamente 40 minutos (somados o tempo de espera para liberação para o acesso ao local do espetáculo e o atraso da banda para subir no palco), deixava o público apreensivo quanto a repetição dos ocorridos em Belo Horizonte alguns dias antes. Ou até mesmo, quanto ao quão tarde todos sairiam do local, já que estamos falando de Dream Theater e o Centro do Rio não é um exemplo de segurança se quer de dia, quem dirá de madrugada.

No entanto, não foi isso que ocorreu, se referindo a repetições mineiras. O público pode entrar e vimos todo o palco já montado e os testes com o vídeo logo começaram, espantando qualquer "fantasma mineiro", rs. As cadeiras que estavam no local, e não estavam totalmente preenchidas (destaque para a área dita premium), foram ocupadas logo, restando poucos espectadores que se recusaram a sentar e ficavam em pé nos corredores para não atrapalhar a visão de nenhum dos sentados.

Então começou. Com "Discent Of The Nomacs" seguida sem rodeios de "Dystopian Overture" e "The Gift Of Music", momento em que James Labrie se mostrou ao público carioca pela primeira vez no Vivo Rio. Sem muito tempo para improvisações, o objetivo do grupo era tocar o álbum na íntegra; não só toca-lo como interpreta-lo, já que este era o objetivo da banda desde o processo de gravação do álbum "The Astonishing" que, em minha opinião, foi uma boa tentativa de destrinchar a música 2112 do Rush e coloca-la em uma temática meio Star Wars, tendo em vista a aparente combinação na produção da história de uma sociedade aparentemente futuristas, mas cheios de adereços e visuais semi-medievais. Bom trabalho.

A ideia de fazer uma espécie de Ópera Metal onde se conta a história de uma sociedade sub-jugada à um império que proíbe, ou evita qualquer tipo de acesso à musicalidade, que vê em Gabriel (personagem principal) uma espécie de messias com seu instrumento (aparentemente um violão) e canto encantadores, pareceu ter sido concluída com sucesso na opinião do tímido público carioca que não viu muita interação de James com o público. Qualquer um que não tenha ouvido o álbum, pelo menos conseguiu entender a coluna vertebral da trama, muito graças ao suporte visual e diálogos breves representados por estes. E se havia alguma dúvida do que realmente ocorrera em cada parte da história ouvida, com a parte visual não restou qualquer dúvida quanto ao roteiro.

O público assistiu boa parte do espetáculo sentado, o que não tinha muito sentido fazê-lo em pé. Um álbum que não é demasiado pesado mas sim demasiado longo, apesar de isso parecer necessário (um amigo me perguntou que dia que eu voltaria do show, rs.).Rodas e moshs não são atos comuns em shows da banda, então ninguém aparentou estar decepcionado ou surpreso com isso, muito pelo contrário, os que permaneciam sentados pareciam tão empolgados quanto os de pé nos corredores do Vivo Rio. O público só se levantou em três momentos; no solo espetacular de Jhon Petrucci em "A New Beginning", no intervalo entre os atos de aproximadamente 20 minutos (como novato nos shows da banda, não sei se esse tempo é normal, mas foi o suficiente para que todos se recuperassem de tamanha caraga complexa de musicalidade) e na parte final do show que se encontrava de "Our New World" em diante quando Labrie pediu para o público se levantar. Momento de maior nostalgia para os que estavam nas primeiras fileiras (e para quem tentava a todo custo driblar os lanterninhas para tirar uma foto), já que grudaram no palco. Fui um desses. Confesso, não resisti, e nem percebi, a falta de fiscalização da casa e saí do meu distante setor 3 para o Premium que não tinha qualquer distinção clara entre as partes; aparentemente muita preocupação com registros de fãs e pouco do trânsito de pessoas entre setores, contribuíram para tal fato. Depois do show fiquei sabendo que não fui o único que percebeu isso, e em algumas horas fiquei sabendo que essa pouca distinção entre os setores fora uma decisão tomadas por outras casas de shows aqui no Brasil por questões meramente estéticas.

No fim, vimos a banda completa, que é o Dream Theater, se despedir enquanto os presentes berravam elogios inaudíveis aos protagonistas que se retiravam aos poucos. De pontos baixos além dos poucos já citados, ficam só com o som do Vivo Rio que não deixavam claros a voz de um esforçado James Labrie (as vezes me sinto uma das dez únicas pessoas no mundo que gostam do cara) nos tons mais baixos de suas necessárias interpretações para a trama, e o bumbo de Mike Mangini, não tão alto segundo as opiniões que captei de mais de 10 pessoas após o fim do show. Eu e mais um grupo de 10 pessoas tentaram a sorte no Backstage mas só quem nos deu atenção foi Petrucci com um breve acenamento enquanto falava no telefone e entrava na van.
Uma pena, mas valeu a mesma "fucking" pena por cada minuto do show.

Setlist: 2h e 40min

Act 1

01 - Descent of the NOMACS
02 - Dystopian Overture
03 - The Gift of Music
04 - The Answer
05 - A Better Life
06 - Lord Nafaryus
07 - A Savior in the Square
08 - When Your Time Has Come
09 - Act of Faythe
10 - Three Days
11 - The Hovering Sojourn
12 - Brother, Can You Hear Me?
13 - A Life Left Behind
14 - Ravenskill
15 - Chosen
16 - A Tempting Offer
17 - Digital Discord
18 - The X Aspect
19 - A New Beginning
20 - The Road to Revolution

Act 2

21 - 2285 Entr'acte
22 - Moment of Betrayal
23 - Heaven's Cove
24 - Begin Again
25 - The Path That Divides
26 - Machine Chatter
27 - The Walking Shadow
28 - My Last Farewell
29 - Losing Faythe
30 - Whispers on the Wind
31 - Hymn of a Thousand Voices
32 - Our New World

Encore:

33 - Power Down
34 - Astonishing
35 - Outro


Outras resenhas de Dream Theater (Vivo Rio, Rio de Janeiro, 23/06/2016)

Dream Theater: A junção de um show visual, auditivo e conceitualDream Theater
A junção de um show visual, auditivo e conceitual




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Dream Theater"


11 de Setembro: as tristes coincidências envolvendo Slayer e Dream Theater11 de Setembro
As tristes coincidências envolvendo Slayer e Dream Theater

Em 11/09/2001: Dream Theater lançava Live Scenes From New YorkLars Ulrich: e se ele tocasse em uma banda country?Dream Theater: em 1994, o Dream Theater cravava seu nome na cena

Solos de guitarra estendidos: os melhores feitos em shows ao vivoSolos de guitarra estendidos
Os melhores feitos em shows ao vivo

Dream Theater: banda lança vídeo animado de Barstool Warrior; assistaDream Theater
Banda lança vídeo animado de "Barstool Warrior"; assista

Dream Theater: banda confirma turnê no Brasil

Dream Theater: datas da turnê brasileira e início das vendasDream Theater
Datas da turnê brasileira e início das vendas

Dream Theater: banda vai executar Scenes From a Memory na íntegraDream Theater
Banda vai executar Scenes From a Memory na íntegra

Dream Theather: a parafernália de Petrucci e MyungDream Theather
A parafernália de Petrucci e Myung

Dream Theater: Jordan Rudess quase tocou no The Wall, do Pink FloydDream Theater
Jordan Rudess quase tocou no The Wall, do Pink Floyd

Tom Grosset: O mais rápido baterista do mundo segundo o GuinnessTom Grosset
O mais rápido baterista do mundo segundo o Guinness


Led Zeppelin: a inspiração por trás de KashmirLed Zeppelin
A inspiração por trás de "Kashmir"

Rock Cristão: as principais bandas nacionaisRock Cristão
As principais bandas nacionais

Guns N' Roses: a famosa trilogia de clipes do grupoGuns N' Roses
A famosa trilogia de clipes do grupo

Rock e Metal: todo artista tem uma fase vergonhosaRock e Metal
Todo artista tem uma fase vergonhosa

Hit Parader: Os maiores vocais do Heavy Metal segundo a revistaHit Parader
Os maiores vocais do Heavy Metal segundo a revista

Nirvana: Entrevista rara da MTV com a mãe de Kurt CobainNirvana
Entrevista rara da MTV com a mãe de Kurt Cobain

Pink Floyd: Rolling Stone elege as 10 melhores músicasPink Floyd
Rolling Stone elege as 10 melhores músicas


Sobre Marcos André Farias

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336|adClio336