A-Ha: muito, muito melhor ao vivo que nos CDs

Resenha - A-Ha (Aquaville Resort, Aquiraz, 10/10/2015)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Leonardo Daniel Tavares da Silva
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Fotos: Marcelo Sousa

Uma das melhores notícias do mundo da música em 2015 (incluindo o final de 2014) foi certamente o retorno do trio norueguês A-HA às atividades. O vocalista Morten Harket, o tecladista Magne Furuholmen e o guitarrista Pål Waaktaar-Savoy tinham decidido em 2010 dar um ponto final na banda que tornou-se um ícone do synthpop, vertente do rock que bebia da fonte do krautrock, da new wave e do pop mais comercial da década de 80. E parecia que a decisão era real. Não foi um alarme falso*. Fora uma apresentação com orquestra na cerimônia memorial às vítimas dos ataques terroristas de Utoya e Oslo, capital de seu país, a grande mídia ficou sem notícias do A-HA por alguns anos. Felizmente, o trio resolveu voltar aos palcos e escolheu a América Latina, onde sempre fizeram sucesso estrondoso, para este retorno, com apresentações na Argentina, no Rock In Rio e em mais sete cidades brasileiras (incluindo duas apresentações no Pará, que a princípio seriam shows privados para funcionários e convidados de uma empresa paraense, nas cidades de Paragominas e Barcarena). E ainda trouxeram na bagagem um disco novo, que (claro) embora ainda não tenha clássicos, já tem algumas canções que caíram no gosto dos fãs. Sem mais delongas, confira abaixo como foi uma das apresentações, a da cidade de Aquiraz, região metropolitana de Fortaleza.

5000 acessosHelter Skelter: a música que Charles Manson "roubou" dos Beatles5000 acessosMegadeth: O recadinho provocante da vocalista do Huntress

Quem chegava ao AQUAVILLE RESORT, um luxuoso complexo turístico nas proximidades do Beach Park (um dos maiores parques aquáticos do mundo e parada inevitável dos turistas que vem ao Ceará), era recebido pela aura dos anos 80, proporcionada por um DJ que acertou em cheio no repertório, com canções de contemporâneos do A-HA, como DEPECHE MODE. O público, era obviamente mais adulto, mas com pessoas de todas as idades ocupava cada espaço possível desde o final da tarde, afinal, não havia mais ingressos. O show estava praticamente sold-out, uma vez que, dias antes da apresentação, só restavam ingressos no setor de mesas. Felizmente, apesar da lotação, a brisa, a proximidade da praia, embora não pudesse ser vista da pista, proporcionava um clima agradável.

O trio subiu cedo ao palco, poucos minutos depois das dez da noite. Morten Harket, Magne Furuholmen e Pål Waaktaar-Savoy, acompanhados de um baixista, um baterista e um segundo tecladista iniciaram o show com "Cast In Steel", música que dá nome ao disco. A canção foi um tanto eclipsada pela correria do batalhão de celulares ávidos para registrar aquele início de movimentação no palco, algo bem comum hoje em dia. Pode-se até dizer que foi com o clássico "I´ve Been Losing You" que a festa realmente começou.

Magne, assim como em outros shows encarregou-se de fazer a ponte com o público do Aquaville Resort, falando em bom português (ou quase isso): "Boa noite, Fortaleza. Somos A-HA. Estamos muito felizes de estar aqui". Esgotado o vocabulário na língua de Camões, volta ao universal inglês para pedir para ver as mãos de todos: "Posso ver suas mãos"?

E o alarme falso do A-HA, "Cry Wolf" soa ainda melhor que nos discos arranhados dos anos 80 (mesmo enquanto as agulhas ainda passeavam alegremente por seus sulcos). Há partes instrumentais maiores. Pål usa muito experimentalismo, bases atmosféricas que se encontram e interagem com o enorme palco e as muitas dezenas de canhões multi-coloridos. Um espetáculo que vale a pena ser visto ao vivo. E Pål continua monstrando bom serviço com a guitarra funkeada em "Move To Memphis", enquanto o telão de fundo mostra imagens (provavelmente) da cidade, em visão bem menos romanceada do que normalmente vemos.

O público cantou junto no primeiro momento mais emocional, "Stay On These Roads" ("Cast In Steel" ainda não tinha valido como balada da noite por causa dos gritos, do frenesi de início de show, de toda a algazarra).

Magne agradece mais uma vez em "Scoundrel Days" a receptividade do público cearense. O disco homônimo, do hoje distante 1985, teria seis de suas faixas executadas naquela noite. É interessante notar o quanto ele e Morten comportam-se de forma diferente. Morten continua o europeu padrão, contido no comportamento, um galã gélido, compenetrado em fazer com que seus falsetes soem da forma mais perfeita possível, distancia-se do frontman comum, não "bota boneco". Esta função é reservada a Magne, que já está mais abrasileirado. A voz de Morten, no entanto, soa ainda melhor do que em 2010. O hiato lhe parece ter feito um bem enorme.

Nem todo mundo sabe que a bela "Crying in the Rain" é na verdade da americana CAROLE KING. Também pudera, uma vez que a versão dos noruegueses é de extremo bom gosto e, mais uma vez, proporcionou aos presentes um belo momento no show. A canção da cantora folk foi seguida de "We're Looking for the Whales" que, embora não esteja entre os maiores hits do A-HA, rendeu um belo espetáculo de cores no telão, garantindo a atenção para as invenções de Magne e Pål. É preciso ressaltar também que o som do baixo também estava ótimo, assim como de todos os outros instrumentos. Ponto para a produção e para a engenharia que cuidou do som do show. "Sycamore Leaves" , talvez a mais pesada da noite adiciona um pouco de peso (sem que Morten espante ninguém com um gutural, claro). A música é fenomenal. Quem só conhece o A-HA pelas baladinhas não sabe o que está perdendo.

O maior sucesso do A-HA veio na forma de uma longa canção, com introdução acústica. Falamos de "Hunting High and Low" que gerou lágrimas e sorrisos (ou ambos) nos rostos daquelas milhares de pessoas que acompanhavam a apresentação da mais conhecida banda da Noruega. "Por favor, todos acendam as luzes dos celulares", pede Magne e o público, Morten e Pål (no violão) dão um belo espetáculo (mostrado no telão) com os isqueiros do século XXI. Emoção absoluta.

O A-HA escolheu o Ceará como palco para a primeira apresentação ao vivo da bela "Mythomania" uma das melhores composições (e, cite-se, também com bela letra) de "Cast In Still". Ainda do disco mais novo, "Forest Fire" (antecedida por "The Swing of Things" e pela apresentação da banda de apoio) mostrou porque é, definitivamente, a melhor do álbum e também a que mais traz o espírito dos anos 80 "de volta para o futuro".

Mas, obviamente, eram os sucessos, os hits radiofônicos que mais interessavam a multidão. Em "You Are the One", nova sessão de gritos e Morten acabou dividindo seus falsetes com o público. "Foot of the Mountain", a próxima na lista, fez lembrar o show de 2010, com um Siará Hall tão lotado que muita gente preferiu assistir o show da parte externa da casa naquela época. O local do show, agora num luxuoso resort, com bastante espaço, mostrou ser uma escolha acertada para o fanatismo do cearense pelo trio da Noruega. No entanto, algumas canções daquele show fizeram falta em 2015, como a bela "The Bandstand" (do álbum que estava sendo divulgado na época, "Foot of The Mountain") e sucessos como "Early Morning" e "The Blood That Moves the Body" ou mesmo alguma do álbum "Minor Earth, Major Sky" (o álbum da retomada do A-HA às paradas de sucesso). De qualquer forma, a bela "Soft Rains of April", inédita em terras cearenses, minimizou um pouco as citadas ausências.

Uma pausa bem rápida para uma água e o sol volta a brilhar no palco do Aquaville. A canção "The Sun Always Shines on T.V." começa suave, depois explode nas velhas TVs, que exibiam imagens de paisagens cearenses conhecidas mundo afora como Morro Branco, Jericoacoara e da capital, Fortaleza, culminando numa declaração de amor à cidade, o que fez a alegria do público. Magne pergunta: "Tudo bem aí"? Precisava mesmo perguntar? No entanto, sabendo que o show já se encaminhava para seu final e talvez devido à distância até suas casas, parte do público já se preparava para ir embora, deixando de ver a bela "Under The Makeup", novamente em uma versão mais bela que no CD que a contém (creio que até posso dizer isso de todas as canções cantadas naquela noite), seguida de The Living Daylights", trilha sonora do filme "007 Marcado para a Morte". Pål pega novamente a guitarra (estava com um violão) para mais um pouco de peso, Magne Agita (como já estava fazendo), mas é Morten que surpreende, abandonando a postura que adotara por todo o show e tentando escalar a lateral do palco, apontando o microfone para o público.

Mais uma pausa e o baterista anima todos com as primeiras batidas de "Take on Me", enquanto o resto da banda reassume suas posições, Magne com camisa da seleção. É o fim de uma noite maravilhosa que acaba com balões verde-amarelos voando (a surpresa do público para a banda) e o antes gélido Morten finalmente agradecendo e visivelmente emocionado. Apesar de ter durado pouco menos de duas horas, foi o maior show da banda no Estado e, com certeza, o desejo daquelas milhares de pessoas (incluindo a banda) é que não tenha sido o último. Que o "Cast In Steel" e sua turnê tenham feito a banda repensar definitivamente o desejo de parar as atividades e que seja o primeiro de mais uma leva de bons discos (e shows melhores ainda).

Agradecimentos:

Arte Produções, especialmente Thamyres Heros e Jéssica Malheiros pela atenção e credenciamento.
Marcelo Sousa, pelas imagens que ilustram esta matéria.

* Alarme Falso: em inglês existe a expressão Cry Wolf para o termo alarme falso. A expressão vem da fábula de Esopo, em que um jovem pastor divertia-se gritando que um lobo estaria atacando suas ovelhas (quando não havia lobo nenhum). Até que um dia, um lobo de verdade apareceu, mas ninguém no vilarejo deu ouvidos aos alarmes do menino. "Cry Wolf" é também, sabidamente, o nome de um dos maiores sucessos do A-HA.

Setlist

1. Cast in Steel
2. I've Been Losing You
3. Cry Wolf
4. Move to Memphis
5. Stay on These Roads
6. Scoundrel Days
7. Crying in the Rain (Carole King cover)
8. We're Looking for the Whales
9. Sycamore Leaves
10. Hunting High and Low
11. Mythomania (Live Debut)
12. The Swing of Things
13. Forest Fire
14. You Are the One
15. Foot of the Mountain
16. Soft Rains of April

17. The Sun Always Shines on T.V.
18. Under the Makeup (Acoustic)
19. The Living Daylights

20. Take on Me

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 20 de outubro de 2015

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "A-Ha"

A-HaA-Ha
Meia dúzia de covers pesados

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "A-Ha"

Helter SkelterHelter Skelter
A música que Charles Manson "roubou" dos Beatles

MegadethMegadeth
Recadinho provocante da vocal do Huntress

Guns N RosesGuns N' Roses
De 1994 a 2008, a saga do álbum mais caro da história

5000 acessosDébil Metal: quando os fãs assustam os ídolos5000 acessosPra convencer: dez álbuns de metal para quem não gosta de metal5000 acessosMegadeth: O recadinho provocante da vocalista do Huntress5000 acessosVinnie Paul: "O Linkin Park é a única banda grande desse século"5000 acessosPhil Anselmo: Um ano miserável após deixar as drogas2894 acessosDiscos: coisas estranhas que se acha dentro deles

Sobre Leonardo Daniel Tavares da Silva

Daniel Tavares nasceu quando as melhores bandas estavam sobre a Terra (os anos 70), não sabe tocar nenhum instrumento (com exceção de batucar os dedos na mesa do computador ou os pés no chão) e nem sabe que a próxima nota depois do Dó é o Ré, mas é consumidor voraz de música desde quando o cão era menino. Quando adolescente, voltava a pé da escola, economizando o dinheiro para comprar fitas e gravar nelas os seus discos favoritos de metal. Aprendeu a falar inglês pra saber o que o Axl Rose dizia quando sua banda era boa. Gosta de falar dos discos que escuta e procura em seus textos apoiar a cena musical de Fortaleza, cidade onde mora. É apaixonado pela Sílvia Amora (com quem casou após levar fora dela por 13 anos) e pai do João Daniel, de 1 ano (que gosta de dormir ouvindo Iron Maiden).

Mais matérias de Leonardo Daniel Tavares da Silva no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online