Slipknot: O maior show do Rock in Rio 2015

Resenha - Slipknot (Rock in Rio, 25/09/2015)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Testa
Enviar correções  |  Ver Acessos

O Slipknot foi headliner do dia 25 de setembro da edição deste ano do Rock in Rio. Os americanos vieram cheios de novidades: novos membros, novo visual, novo palco, novo álbum, mas a mesma energia de sempre.

O Surto: "Fora Queen, só nós fizemos 250 mil cantarem no Rock in Rio"Classic Rock: as 10 melhores baladas dos anos 80

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O show começou com XIX. O clima perfeito foi criado sobre os quase 90 mil fãs presentes. O público reagiu imediatamente com palmas e acompanhando os vocais de Corey. Neste clima épico, se acendeu uma grande chama no lindo palco do Slipknot. Logo apareceu Jay na bateria e foram entrando cada um dos integrantes da banda que faria o show mais incrível do festival.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Com a plateia já enlouquecida e a todo vapor, a banda emendou Sarcastrophe, uma das faixas do novo álbum ".5: The Gray Chapter". Foi o momento em que mais vi rodinhas em todo o festival. Eram incontáveis! A empolgação tomou conta do público. Milhares de fãs cairam no mosh. Foi um caos!

Logo em seguida vieram as clássicas The Heretic Anthem e Psychosocial. É impressionante a atuação no palco de Corey Taylor! Sou suspeito para falar, mas é difícil tirar o posto do vocalista de maior frontman da atualidade. Muita interação com o público, presença de palco e com a voz melhor do que nunca. Sid e Clown tiveram seus momentos de curtição dançando na passarela a frente do palco.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Vocês não tem ideia o quanto significa para nós estar aqui esta noite com cada um de vocês amigos, família", disse o apaixonado Corey, seguindo da confirmação da aprovação do público do novo álbum da banda. The Devil in I e AOV foram insanas! Mais moshs. Muito mosh!

Em seguida, Vermilion, uma das mais pedidas pelo público nas redes sociais , Wait and Bleed, cantada a plenos pulmões pela galera e Killpop, garantindo algum descanso à plateia com seu refrão melódico.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Uma das coisas que eu mais gosto no seu país é a paixão que vocês têm pela música. A paixão! Enquanto tivermos paixão, nossa música nunca morrerá. Muito obrigado", disse Corey.

Before I Forget foi mais uma explosão no público. "Essa é dedicada aos fãs do heavy metal. Sempre tentam derrubar nossa música, mas nós lutamos por ela, vivemos por ela, nós sangramos por ela, morremos por ela." Mais uma vez o público ficou ensandecido, pulando e cantando cada verso da música.

Sulfur foi uma surpresa para o público, que correspondeu.

Clown havia completado 46 anos de idade um dia antes do show. Corey pediu à galera para que cantasse Happy Birthday para o percussionista. E foi feito. Seguinte veio Duality, puxada por um coro de 85 mil pessoas e uma chuva de papel picado. De arrepiar! Um espetáculo!

"Mi familia! Gostaria que fizessem barulho para cada banda que esteve no Rock in Rio hoje conosco. Façam barulho para o Mastodon! Sem essa banda, não faria o que eu faço. Façam barulho para o Faith no More!", dizia Corey antes de Disasterpiece.

Veio então o ápice do show e de todo o festival: Spit it Out. Um dos maiores "jumpthefuckup" que eu já vi. Corey pediu ao público que se abaixasse e a grande maioria obedeceu. Milhares e mais milhares de fãs absolutamente insanos pulando ao mesmo tempo causaram um terremoto na cidade do Rock. Sem dúvidas o momento mais incrível do festival.

Custer fechou a primeira parte do show com mais pancadaria já debaixo de chuva. Depois de um tempo fora para descansar e de muitos gritos pela banda, o Slipknot voltou com 742617000027, garantindo mais uma vez o clima de apreensão e (sic) enlouquecendo mais uma vez a plateia.

O Slipknot tem um show tão físico, tão insano, que acabou com as energias dos fãs. Quem estava lá percebeu isso claramente. People = Shit e Surfacing, apesar de clássicas, tiveram menos moshs, mas a galera acompanhou cada verso das respectivas músicas.

As maiores expectativas estavam sobre as performances de Jay Weinberg e Alessandro Venturella. O baixista parecia mais tímido, mas o baterista simplesmente arregaçou! Substitui muito bem Joey Jordison. Curiosamente, o baterista ganhou uma nova máscara. Será que isso significa que ganhou seu posto de baterista fixo da banda definitivamente?

O palco estava grandioso, bem maior que das turnês anteriores, melhorando ainda mais o lado performático da banda.

É difícil hoje em dia encontrar uma banda que tenha mais paixão em cima do palco. Gostar da música dos caras é questão de opinião, mas é indiscutível uma das melhores bandas ao vivo da atualidade (isso se não for a melhor). Depois de conquistar os fãs do Motorhead e Metallica em 2011, o Slipknot se consagra, já como uma das maiores bandas do mundo, no palco do Rock in Rio.

Confira o show na íntegra no vídeo abaixo.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Rock In Rio"Todas as matérias sobre "Slipknot"


Metallica: guitarrista do Slipknot se sentiu insultado quando lançaram o Black AlbumMetallica
Guitarrista do Slipknot se sentiu insultado quando lançaram o Black Album

Slipknot: viúva de Paul Gray agradece apoio dos fãsSlipknot
Viúva de Paul Gray agradece apoio dos fãs


O Surto: Fora Queen, só nós fizemos 250 mil cantarem no Rock in RioO Surto
"Fora Queen, só nós fizemos 250 mil cantarem no Rock in Rio"

Classic Rock: as 10 melhores baladas dos anos 80Classic Rock
As 10 melhores baladas dos anos 80


Sobre Rafael Testa

Nascido em Juiz de Fora, Minas Gerais, tem 23 anos, é estudante de sistemas de informação e torcedor fanático do Vasco da Gama e do Tupi Football Club. Se interessou por rock/metal depois do grande tio Roney mostrar-lhe o Iron Maiden. Tem o gosto musical muito variado, curte do thrash metal do Slayer ao metalcore do All That Remains. Acredita que existem bandas boas atualmente e faz questão de apresentá-las.

Mais matérias de Rafael Testa no Whiplash.Net.

adGoo336