Big Bat Blues Band: Pra quem gosta de blues, rock e soul

Resenha - Big Bat Blues Band & Itaal Shur (Teatro do Sesi, Vitória, 07/11/2014)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Léo Pinto
Enviar Correções  

Noite de gala na ilha de Vitória com o fino do blues sendo executado numa apresentação arrepiante da BIG BAT BLUES BAND, para lançar o seu terceiro álbum, intitulado simplesmente "#3". A banda capixaba, na ativa desde 1993, contou com a participação do compositor, músico e produtor norte-americano ITAAL SHUR nesse show especial no Teatro do Sesi no bairro Jardim da Penha. Além de tocar teclado no show, ITAAL também assume o teclado no álbum "#3".

Jethro Tull: a fúria de Ian Anderson pra cima do Led Zeppelin

Doors: Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A banda conta atualmente com Eugênio Goulart (vocal), Cláudio França (guitarra slide), Marcelo Maia (guitarra), Bruno Zanetti (bateria), Paulo Sodré (baixo), Larissa Pacheco (backing vocal) e Kessy Borges (backing vocal). A voz marcante de Eugênio, 56 anos de idade, dá a tônica da perfeita mistura entre o blues tradicional com uma generosa pitada do velho e bom rock'n'roll nas composições.

As três primeiras músicas do show estavam na mesma sequência do novo álbum "#3". "You Can't Cum Alone" abriu o espetáculo. Além do sutil trocadilho no título dessa música, pôde-se perceber a forte influência de ZZ TOP com a guitarra marcante, além das backing vocals que reforçaram lindamente o refrão. Em "My Mama's Buying (a Big House)" havia uma excelente pegada rock'n'roll que marca essa canção matadora. Pra mim, uma das melhores do álbum novo. Já "Amanda Blues" é um blues com levada romântica com um clima zen oitentista, mas com uma roupagem bem moderna e interessante. Sonzeira pra ninguém botar defeito, principalmente para quem gosta de um som mais refinado.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em seguida, as duas únicas canções do segundo álbum "Haze Hot Blues", de 2012. "Out", um country blues com destaque novamente para as backing vocals, e "Condition of Living", um blues das antigas, gostoso de se ouvir, onde o vocalista Eugênio homenageia sua mãe na letra.

A BIG BAT BLUES BAND abriu um espaço em seu show para ITAAL SHUR mostrar algumas de suas músicas ao público e um pouco do seu português, começando por "You Got Something More" que possui um ritmo dançante e um refrão marcante que a plateia cantava junto. Em "China Feet", o ritmo nos remeteu a um soul music, onde ITAAL rearranjou para caber perfeitamente o feeling do blues personalizado nas backing vocals do BIG BAT, resultando numa música que agitou bastante a galera.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Voltando ao "#3" da BIG BAT BLUES BAND, tivemos "Look at the Blues Sky", uma levada gostosa de se ouvir e que poderia fazer parte de qualquer álbum dos ROLLING STONES. Outra que lembrou muito o som do ZZ TOP e os filmes de gângsters americanos dos anos 20 e 30 e que caiu no gosto do público presente, mas com uma diferença em relação ao álbum, foi ".38". Aqui, a música foi cantada pela competente backing vocal Larissa Pacheco, que surpreendeu a todos pela nova roupagem que foi dada através de uma voz poderosíssima de arrepiar.

Ao final de sua apresentação, Larissa chamou ao palco a ex-backing vocal do BIG BAT, Sabrina Cordeiro, para uma interpretação arrebatadora de "I Never Loved a Man (The Way I Loved You)", da eterna diva ARETHA FRANKLIN.

A primeira música do primeiro álbum "Todo Dia é Dia de Blues" que tocaram foi "Expresso do Blues", que resgata um blues a la BLUES ETÍLICOS, mas sem deixar nada a desejar.

Seguindo o show, ITAAL SHUR voltou aos vocais em "Smooth", a música mais conhecida dele, por ter ficado famosa na voz de ROB THOMAS, vocalista do MATCHBOX 20, em parceria com o grande guitarrista mexicano CARLOS SANTANA. "Smooth" foi premiada com o Grammy de melhor canção do ano em 1999, vendendo mais de 25 milhões de cópias.

Outra que pra mim também está entre as melhores do "#3" foi "The Way That You Leave Me". Um blues de raíz autêntico, bem arrastado e viajante, do jeito que eu gosto. Possui um teclado marcante tocado magistralmente pelo ITAAL SHUR.

Em "Follow Me", a marcação rítmica e forte da bateria, anunciava uma canção diferente das demais com um clima bem viajante proporcionado pelo teclado com notas extensas durante toda a música.

Pra encerrar em grande estilo, "Destino América", do primeiro álbum, mostrou um blues avassalador, com destaque para o som da guitarra com slide e para o ritmo frenético dos pratos da bateria.

Foi um show impecável pra quem realmente gosta de blues, rock e soul.

Setlist:

01 – You Can't Cum Alone
02 – My Mama's Buying (a Big House)
03 – Amanda Blues
04 – Out
05 – Condition of Living
06 – You Got Something More
07 – China Feet
08 – Look at the Blues Sky
09 - .38
10 – I Never Loved a Man (The Way I Loved You)
11 – Expresso do Blues
12 – Smooth
13 – The Way That You Leave Me
14 – Follow Me
15 – Destino América




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Jethro Tull: a fúria de Ian Anderson pra cima do Led ZeppelinJethro Tull
A fúria de Ian Anderson pra cima do Led Zeppelin

Doors: Perguntas e respostas e curiosidades diversasDoors
Perguntas e respostas e curiosidades diversas


Sobre Léo Pinto

Capixaba de Vitória, historiador, guia de turismo, fanático por metal, hardcore, punk, rock e todas as suas vertentes, desde 1981 (sim, tenho cabelos e cavanhaque grisalhos, e daí? hehe). Sempre às ordens para resenhar sobre shows, acompanhar bandas em visita à minha cidade e prestar assessoria à imprensa.

Mais matérias de Léo Pinto no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280 GooInArt