Blaze Bayley: tocando as músicas de sua vida em São Paulo

Resenha - Blaze Bayley (Manifesto Bar, São Paulo, 25/01/2014)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Diego Camara
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.



















Durante o mês inteiro – um mês de poucos shows, realmente de folga para o público do metal – o vocalista Blaze Bayley passeou pelo Brasil levando sua turnê “Soundtracks of My Life” por todo o Brasil, fazendo o ex-IRON MAIDEN lotar shows em regiões onde shows internacionais de heavy metal não são muito além de um sonho. O mês ainda não terminou, mas foi a vez da capital paulista ver a apresentação. O local escolhido foi o Manifesto Bar, para um público razoável, mas bastante fervoroso. Confira abaixo os principais detalhes do espetáculo.

Fotos: Kennedy Silva

No fim da tarde, em um calor insuportável e um tempo abafado, o público aguardava do lado de fora do Manifesto. A casa abriu na hora combinada, o que facilitou a entrada dos fãs na casa de shows, os aliviando do calor com o bom e velho ar condicionado do local. No total, a casa parecia meio lotada – não estava vazia, mas também não estava lotada de não possibilitar que as pessoas caminhassem pelo local.

O show começou mesmo lá pelas 19h30, quando o guitarrista Thomas Zwijsen subiu no palco para apresentar seu projeto: apenas com um violão em sua mão. Tocando grandes sucessos acústicos do Iron Maiden, que contou com a plateia em seu apoio vocal, Thomas fez uma boa abertura para o show e ajudou a esquentar os fãs que aguardavam o show de Blaze. Abrindo com “Aces High” e tocando “Fear of the Dark”, “Run to the Hills” e “Blood Brothers”, ele mostrou grande habilidade no violão. O público, por outro lado, mostrou grande vontade para cantar os refrãos das músicas, porém não mostrava o mesmo ânimo no resto da letra.

Depois da apresentação acústica, o palco foi mudado em poucos minutos e a banda já entrou para a apresentação de Blaze. “Lord of the Flies”, que andou abrindo todas as apresentações elétricas de Blaze, foi a escolhida para levantar o público. Muito bem executada, o som no Manifesto estava bom – apesar de um pouco estourado – e o público acompanhou com vontade o single do difamado “The X-Factor”.

Mas foi com “Futureal”, do “Virtual XI”, que Blaze realmente ganhou o público. Ainda cantando em ótimo nível, como nos tempos da gravação desta música, o público não se intimidou e bateu cabeça e cantou junto com o vocalista. Destaque para o ótimo solo dos guitarristas, em uma música que realmente pode ilustrar o quanto Blaze foi injustiçado pela sua passagem no Iron Maiden.

Blaze realmente parecia bastante animado depois de quase dois meses em terras brasileiras. Incansável, ele levantava o público com poses e sempre com um sorriso no rosto. Com “The Brave”, música da banda solo do vocalista, os fãs não se controlaram a gritaram em uníssono seu nome. O vocalista, com punho ao alto, demonstrou que estava junto com os fãs, em uma sintonia que é difícil de ver atualmente.

E o público parecia se animar até mais com as músicas do Blaze do que com as de sua fase no Iron. Em “Stare at the Sun” isso pareceu ainda mais claro. O ritmo cadenciado da abertura da música fez o público ficar em silêncio, só curtindo a passagem melódica, e a passagem rápida, muito forte na bateria, fez o público pular e bater cabeça. Uma das melhores da noite, recebeu aplausos inflamados dos fãs.

“Obrigado a todos por terem vindo ao show!”, agradeceu um Blaze bastante contente. Ainda rasgou longos elogios ao público brasileiro, o melhor de todos e que o acompanhou aí por mais de dois meses por todo o país. Os elogios trouxeram aquele ânimo ao público, que estourou com o single “Virus” e com a mística “Sign of the Cross”.

Se o show estava bom até agora, as grandes surpresas guardadas para o final o tornariam ainda melhor. Começou com a excelente “The Clansman”, que eu considero a música chave da era Blaze no Iron Maiden. Aparentemente, boa parte do público concordou, já que foi uma das músicas que teve a participação mais inflamada dos fãs. Realmente “Freedom!” tornou-se quase um lema para o show, e foi impressionante ver esta música ser cantada pelo seu vocalista original.

Quem ainda tinha fôlego ainda pode cantar “Man on the Edge”, onde Blaze mais uma vez filmou com seu iPad a plateia do Manifesto. Ainda se divertiu com a plateia, brincando ao melhor estilo Bruce Dickinson ao levantar o público – só faltou dividir a plateia em duas partes, coisa que no Manifesto seria bem difícil.

Antes de tocar a saideira, disse que iria atender todo o público depois do espetáculo. Sem nenhum custo, o vocalista apenas pediu que todos que gostaram de sua apresentação que tragam mais gente e espalhem a palavra. Também deixou claro seu intento de retornar ao Brasil no próximo mês de janeiro, em 2015. Isto foi uma ótima atitude de Blaze para todos os fãs, apesar de que os que compraram um ingresso para um “meet and greet” no dia anterior podem não ter ficado muito contentes.

O show então terminaria com a apresentação de “The Angel and the Gambler”, dentre as mais esperadas da noite. Mas o louco público teve o prazer de gritar por mais uma, o que parece que tocou fundo no coração daquele grande vocalista. Blaze, aparentemente bastante emocionado, virou-se para sua banda e trocou duas palavras com sua equipe. Voltou-se ao público, e bastante contente disse que “em nenhum show desta turnê o público tinha pedido mais uma”. Sorte do público de São Paulo, que ganhou o improviso de uma música “de outra banda que ele não tem costume de tocar”.

Eu esperava qualquer outra coisa – afinal era uma música de “outra banda” –, mas Blaze resolveu tocar “Hallowed be thy Name”, um dos clássicos da era-Bruce do Iron Maiden. Um cover, mas um ótimo cover para uma música feita totalmente de improviso. Um mimo para o público que mostrou grande amor e respeito por um dos caras mais sensacionais e boa praça do metal.

Para finalizar, gostaria de ressaltar que o show esteve ótimo também pelo excelente trabalho da galera do Manifesto e da Open the Road. Fizeram um super trabalho, o show não sofreu atrasos e foi extremamente bem organizado. Para quem não viu, não sobrou muitas oportunidades, mas ainda dá pra correr em algum show neste final de turnê.

Blaze Bayley é:
Blaze Bayley – Vocal
Thomas Zwijsen – Guitarra
Lely Biscasse - Guitarra
Lennon Biscasse - Baixo
Gustavo Franceschet - Bateria

Setlist:

Set Acústico de Thomas Zwijsen:
1. Aces High (música do Iron Maiden)
2. Fear of the Dark (música do Iron Maiden)
3. Run to the Hills (música do Iron Maiden)
4. Blood Brothers (música do Iron Maiden)

Set Blaze Bayley:
5. Lord of the Flies (música do Iron Maiden)
6. The Launch (música do Blaze)
7. Futureal (música do Iron Maiden)
8. Judgement of Heaven (música do Iron Maiden)
9. The Brave (música do Blaze)
10. Como Estais Amigos (música do Iron Maiden)
11. Stare at the Sun (música do Blaze)
12. Lightning Strikes Twice (música do Iron Maiden)
13. Robot
14. Virus (música do Iron Maiden)
15. Sign of the Cross (música do Iron Maiden)
16. Soundtrack of My Life (música do Blaze)
17. The King of Metal
18. Ghost in the Machine (música do Blaze)
19. The Clansman (música do Iron Maiden)
20. Man on the Edge (música do Iron Maiden)
21. The Angel and the Gambler (música do Iron Maiden)
22. Hallowed Be Thy Name (música do Iron Maiden)

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Iron MaidenIron Maiden
Segunda parte da tour começou com mudanças no set

93 acessosBlend Guitar: em vídeo, Top 10 Heavy Metal Bands840 acessosTales Of The Iron Maiden: "From Here To Eternity" em novo vídeo2513 acessosIron Maiden: 37 anos atrás, o primeiro álbum era lançado0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Iron Maiden"

Bruce DickinsonBruce Dickinson
Ouça dueto com Montserrat Caballe

Iron MaidenIron Maiden
Janick Gers não acha que a banda seja de Heavy Metal

MetallicaMetallica
Lars concorda quando Bruce diz que Maiden é melhor

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Blaze Bayley"0 acessosTodas as matérias sobre "Iron Maiden"

MTV UnpluggedMTV Unplugged
As 25 melhores apresentações da história

Lady GagaLady Gaga
Tão empolgada que até pagou peitinho em show de Rock

MetallicaMetallica
"Membros são mensageiros de Deus", diz pastor

5000 acessosFabio Lione: conheça a namorada e a filhinha do vocalista5000 acessosOzzy Osbourne: filho mais velho do vocalista está falido5000 acessosMomentos bizarros: histórias de Ozzy, Stones, Who e outros5000 acessosSlayer: filha de Tom Araya defende o pai da acusação de homofobia5000 acessosGuns N' Roses: Melissa Reese comenta relação com os músicos4128 acessosPower Ballads: as 10 maiores de todos os tempos

Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online