Black Sabbath: a frase "Os bons morrem jovens" tem suas exceções

Resenha - Black Sabbath, Megadeth (Campo de Marte, São Paulo, 11/10/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Kalil Restivo
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Meses de espera para um dos maiores shows que já ocorreram em território paulistano. Conforme o tempo ia passando, maior a expectativa. Após a abertura dos portões, um fato que parecia praticamente impossível aconteceu: após as mesmas músicas do AC/DC tocarem insistentemente no sistema de som do Campo de Marte, certa parte do público passou a criticar a banda devido à exaustiva repetição, mas em compensação, quanso as luzes se apagaram para a exibição dos vídeos de segurança, o público entoou a plenos pulmões o riff de Iron Man, sendo que tal animação passou quando a propaganda de uma operadora de TV por assinatura que contava com artistas como Cláudia Leitte e Jota Quest foi vaiada pelo público presente.

Megadeth: David Ellefson sobe ao palco com Chris Poland e John Bush; vejaSimone Simons: a nudez na capa de Divine Conspiracy

MEGADETH

Enfim, após tanta espera, às 19h35, as luzes se apagaram e as imagens projetadas nos telões laterais montados no palco mostravam que o Megadeth já estava por vir, e a espera, agora curta, acabou quando a banda entrou tocando "Hangar 18", do álbum "Rust in Peace". "Wake Up Dead" e "In my Darkest Hour" deram continuidade ao show, mas foi durante "She Wolf" que o público paulistano mostrou sua força e animação. Do álbum "Countdown To Extinction" veio a quinta música: "Sweating Bullets", que foi sucedida pela única música de "Super Collider presente no setlist: "Kingmaker". Dali para frente foram tocados apenas clássicos como "Tornado of Souls" e "Symphony of Destruction", que foi inteiramente acompanhada pelos presentes desde o seu riff inicial. A última música a ser tocada antes do bis foi "Peace Sells", durante cuja introdução, David Ellefson cumprimentou o público presente com um sonoro: " E aí São Paulo?". Após essa música a banda se retirou do palco e o telão de fundo mostrava o logo da banda em letra vermelhas, mostrando que o show ainda não havia acabado - Holy Wars fechou o curto porém extremamente competente show do grupo liderado por Mustaine.

BLACK SABBATH

As 21h05, sem aviso nenhum um "ô -ô -ô -ô- ô" foi ouvido e repetido pela multidão presente no Campo de Marte. Era o início da realização de um sonho de muitas pessoas. "As sirenes de "War Pigs" levaram o público à loucura, que aumentou ainda mais coma entrada de Tony, Geezer e Ozzy, que agradeceu e cumprimentou a plateia, emendando "Into The Void" e "Under The Sun". Após esses três clássicos, a banda executou "Snowblind" e anunciou a primeira música do novo disco, "13" a ser tocada: "Age of Reason", que apesar de muito boa, deixou o público mais calmo, calma esta que passou quando os primeiros acordes de "Black Sabbath" foram tocados.

Na sequência foram mescladas músicas novas e clássicos, como "Behind the Wall of Sleeep", "NIB", precedida por um curto solo de baixo de Geezer, que com certeza mostrou que a idade parece não pesar para os pais do heavy metal, "End of the Beginning" e "Fairies Wear Boots". Ozzy conversou um pouco com os paulistanos, dizendo entre outra frases, "God bless you all", anunciando que faria uma pausa, enquanto Tony, Geezer e Tommy Clufetos passaram a executar perfeitamente "Rat Salad", depois da qual o baterista fez um solo que divididiu opiniões.

Uma pequena pausa no solo mostrou a deixa para que se iniciasse "Iron Man", que fez com quem estivesse no banheiro ou no bar se animasse com um dos grandes clássicos da banda, enquanto que "God is Dead", sem dúvida uma das mais conhecidas canções do novo álbum da banda deu continuidade ao show. Ozzy passou a conversar de novo com o público, querendo fazer um trato com a plateia - segundo ele, a banda tocaria mais uma ou duas músicas se os presentes ficassem "extra fucking crazy loucos", porém o vocalista introduziu a música seguinte com a frase: "I love dirty women", mostrando que o setlist seria o mesmo apresentado em Porto Alegre. A última música tocada antes de a banda se retirar do palco, "Children of The Grave", também levou o público ao êxtase.

A banda se retirou, porém Ozzy puxou o coro "One more song, onemore song", seguido por mais de 70 mil pessoas, fato que não impediu Osbourne de gritar "Louder, louder" ou "I can't fucking hear you!", e ao final de tais frases, a introdução de "Sabbath Bloody Sabbath" levou todos à loucura, maior ainda quando "Paranoid" fechou o show com chave de ouro. Essa apresentação perfeita em terras paulistanas com certeza deixou a vontade de outro show dos pais do heavy metal em terras brasileiras, mostrando que a frase "Os bons morrem jovens" tem suas exceções.


Outras resenhas de Black Sabbath, Megadeth (Campo de Marte, São Paulo, 11/10/2013)

nullnullnullnullnull




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Black Sabbath"Todas as matérias sobre "Megadeth"


Megadeth: David Ellefson sobe ao palco com Chris Poland e John Bush; vejaMegadeth: "Dave Mustaine é valente", diz Kiko Loureiro sobre diagnóstico de câncerKiko em Kaza: Gastão Moreira bate um longo papo com Kiko Loureiro

Megadeth: David Ellefson revela como consegue seguir na banda até hojeMegadeth
David Ellefson revela como consegue seguir na banda até hoje

Megadeth: Sei onde é o meu lugar, diz David EllefsonMegadeth
"Sei onde é o meu lugar", diz David Ellefson

Em 31/08/1999: Megadeth lançava o polêmico Risk

Resenha - Memórias do Heavy Metal - Dave MustaineResenha - Memórias do Heavy Metal - Dave Mustaine
Resenha - Memórias do Heavy Metal - Dave Mustaine

Resenha - Rude Awakening - MegadethMegadeth
Um disco ao vivo de verdade, sem remendos

Ídolos imortais: Nick Menza, técnico e carismáticoÍdolos imortais
Nick Menza, técnico e carismático

Megadeth: banda volta aos palcos em 2020 com o Five Finger Death Punch - abrindo?Megadeth
Banda volta aos palcos em 2020 com o Five Finger Death Punch - abrindo?

Megadeth: mais uma cerveja com a marca da banda é lançada; Saison 13Megadeth: David Ellefson e Chuck Behler tocam juntos após 30 anos

Kiko Loureiro: trabalhando em novo disco soloKiko Loureiro
Trabalhando em novo disco solo

Drowned: versão de "Tornado of Souls", do MegadethMegadeth: Ellefson conta como a intro de "Peace Sells" foi escrita

Motley Crue: David Ellefson esteve presente em overdose de Nikki SixxMotley Crue
David Ellefson esteve presente em overdose de Nikki Sixx

Megadeth: Qual riff Dave Mustaine gostaria de ter escrito?Megadeth
Qual riff Dave Mustaine gostaria de ter escrito?

Dave Mustaine: Magia Negra, Obama e MetallicaDave Mustaine
Magia Negra, Obama e Metallica


Simone Simons: a nudez na capa de Divine ConspiracySimone Simons
A nudez na capa de Divine Conspiracy

Ultraje a Rigor: Roger diz que foi tratado como lixo pela equipe dos StonesUltraje a Rigor
Roger diz que foi tratado como lixo pela equipe dos Stones

Lars Ulrich: As mulheres da vida do bateristaLars Ulrich
As mulheres da vida do baterista

Iron Maiden: a reação de Bruce Dickinson ao ver músicas da era Blaze no setIron Maiden: como soa a voz de Bruce Dickinson isolada?Max: "Antes morto no palco que velho numa cadeira de rodas"Kerry King: Metallica é como um navio afundado

Sobre Kalil Restivo

Kalil F. Restivo Simão é um paulistano de 16 anos que cursa o Ensino Médio. Começou a ouvir rock por influência do pai, e através dele se tornou fãnático por Scorpions, Ozzy, Megadeth e AC/DC. Também acompanha o trabalho de grupos como Salário Mínimo, Kiss, Guns n' Roses, Iron Maiden, Judas Priest e Motörhead. Tem como ídolos James Kottak, Zakk Wylde e Ozzy Osbourne. O autor pode ser seguido no twitter: @kalilrestivo.

Mais matérias de Kalil Restivo no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336