Amapanime K.O. Revolution: vem ganhando destaque a cada dia

Resenha - Amapanime K.O. Revolution (Yázigi Internexus, Macapá, 16/12/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Bruno Blackened Monteiro
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Dezembro chegou, e com ele não somente o Natal e o Ano Novo, mas também o Amapanime K.O. Revolution 2012. Realizado todos os anos no Yázigi Internexus, o evento contou com os típicos stands de mangás/animes, jogos, exibição de OVAs, Yaoi, danças, RPG, concurso de desenho, de cosplays e vem ganhando destaque na cena ao levar cosplayers para disputas nacionais.

5000 acessosSeparados no nascimento: James Hetfield e o Leão Valente5000 acessosAs regras do Viking Metal

O Heavy Metal também teve seu espaço no Amapanime. E muito bem representado pelas bandas METAL ALLIANCE e KEONA SPIRIT. A primeira (formada pro Josimar [vocal], Luiz Fernando e Vandir Neto [guitarras], Renan [bateria] e Kaled [baixo]) executou um set de covers Heavy/Thrash Metal composto por Creeping Death (METALLICA), For Whom the Bell Tolls (METALLICA), Wrathchild (IRON MAIDEN), Running Free (IRON MAIDEN), Electric Eye (JUDAS PRIEST), Refuse/Resist (SEPULTURA) e Iron Maiden (IRON MAIDEN). Apesar da pouca performance dos músicos e do público tímido (que só começou a agitar lá pelas últimas músicas), confirmou ter sido um dos melhores shows do Amapanime, pois compensou com um set list de clássicos do Metal e saiu sob aplausos e gritos dos presentes.

Depois do desfile e do concurso de cosplays, era hora da KEONA SPIRIT subir ao palco e encerrar o evento. Após aquecer a platéia com Angels Cry (ANGRA), um cover inédito: Living for the Night (VIPER), um hino do Metal nacional. Shadow Lord, música da banda, foi a próxima. Ela contém todos os elementos de uma tradicional música de Power/Melodic Metal: teclados bem arranjados, riffs pesados e marcantes, bateria rápida (completada com o baixo de Gabriel Wetch) e os vocais agudos, alternando com algo lírico lá pelo meio da música. Resumindo: uma ótima composição.

Completaram o set Wasted Years (IRON MAIDEN), I Want Out (HELLOWEEN) (dedicada aos cosplayers), The Number of the Beast (IRON MAIDEN), Time (ANGRA) (outro cover inédito) e Pegasus Fantasy (Cavaleiros do Zodíaco). Como sempre, show da KEONA SPIRIT é sinônimo de empolgação, completada pela interação bem vinda dos bangers que festejaram do início ao fim.

Parabéns à equipe organizadora do Amapanime e às bandas METAL ALLIANCE e KEONA SPIRIT. Todos cumpriram com louvor seu papel em realizar esse evento dedicado à cultura dos quadrinhos e animações japonesas. Que venha o Amapanime 2013!

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Metal Alliance"0 acessosTodas as matérias sobre "Keona Spirit"

Separados no nascimentoSeparados no nascimento
James Hetfield e o Leão Valente

Viking MetalViking Metal
Com um machado na mão, o que você quiser, você pode!

RhythmRhythm
Os bateristas mais influentes de todos os tempos

5000 acessosBruce Dickinson: sua coleção de clássicos do Metallica5000 acessosPink Floyd: o maior concerto de rock já produzido5000 acessosOs fãs mais chatos do mundo da música5000 acessosMetal Hammer: dez capas que provocam ânsia de vômito5000 acessosHomenagens: Canções inspiradas em músicos falecidos5000 acessosJudas Priest: Os 10 discos que mudaram a vida de Rob Halford

Sobre Bruno Blackened Monteiro

Metalhead, Gamer, Otaku e Jornalista. Essas são as palavras que me descrevem melhor. Um jovem que faz de tudo para apoiar o Heavy Metal, seja através de resenhas, artigos, fotos, reportagens, entrevistas ou mesmo estando assiduamente nos shows apoiando e bangueando ao som das bandas. Amo o Metal desde os 16 anos e minhas vertentes favoritas são Thrash, Death e Power Metal. Também gosto de Gothic, Doom e Black Metal, mas o Thrash é o que me move! THRASH!

Mais matérias de Bruno Blackened Monteiro no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online