Kiss: lembranças da apresentação no Rio de Janeiro em 1983

Resenha - Kiss (Estádio do Maracanã, Rio de Janeiro, 18/06/1983)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Gustavo T.
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


A grande jornada.
691 acessosEm 25/07/1980: Eric Carr subia ao palco pela primeira vez com o Kiss5000 acessosAve, Satan!: As dez melhores músicas sobre o Inferno

O ano era 1983 e pouco se ouvia falar de rock no Brasil. De repente um boato em uma revista: Kiss pode vir ao país. Até aí nada de novo. Esses boatos eram normais já que na época tínhamos poucas informações sobre qualquer coisa. Depois outra revista e até que o jornal Estado de São Paulo publicou: “confirmado Kiss no Brasil”.

Aí que começa nossa história. O 1º show seria em São Paulo. Liguei para meu amigo Nunes que morava em SP para que assim que estivessem a vendas os ingressos, que ele comprasse os nossos. Ingressos comprados. Alguns dias antes, não me lembro quantos, lá vou eu para Sampa.

Beleza, tudo preparado, desço no terminal do Tietê e, como era de se esperar, lá estava o Nunes me esperando na rodoviária. Mal cheguei, e a bomba: o show do Kiss havia sido adiado por causa das chuvas. Depois de recuperado de tal notícia, o que eu podia fazer? Chegamos na casa dele, então fazemos o quê? Naquela época não era fácil encontrar vinis de uma banda de rock, no Brasil, então, fomos comprar discos do Kiss, aproveitando que quando vinha uma banda pra cá as lojas colocavam mais títulos a venda. Foi o que fizemos. Gastei meu dinheiro em discos do Kiss.

Ha ha ha… resumindo, fiquei duro, depois voltei pra casa, e pensei “pôxa, isso não vai ficar assim”. Sabia que havia uma excursão para o show do Kiss numa cidade vizinha a minha, então usei as palavras mágicas: “mãe me arruma um dinheiro pra ir no show do Kiss no Rio de Janeiro”, minha mãe muito p* da vida falou, “eu não já te dei o dinheiro pra ir nesse show?”, eu disse “mãe, paguei o ingresso mas o show foi adiado. O Nunes vai vender o ingresso e me mandar o dinheiro”. Tudo papo furado pois ainda tinha planos de ir no Kiss em São Paulo também, rsrsrsrs. Depois de muito choro e fazer aquela cara de cachorro em frente de uma máquina de frango assado, consegui a grana.

Chamei uns amigos que estavam a fim de ir e os convenci a irem comigo no show. Dentro do ônibus, maior zorra, festa pra todo lado. O ônibus foi parando de cidade em cidade, a turma só se abastecendo e eu duro mas estava lá. Chegamos ao Maracanã umas oito horas da noite, uma multidão aglomerada na frente do estádio já lotado. Descemos do ônibus e lá estavam os fanáticos religiosos distribuindo seus panfletos. Passamos longe deles.

Aí que me dei conta! No meio daquela multidão, olhei para o estádio e falei “pôxa meu sonho estava sendo realizado”. Lágrimas desciam dos meus olhos, uma emoção que eu não conseguia descrever, só pensava “cara, você vai ver o Kiss!”. Algo quase impossível para época.

Ingresso na mão, nos dirigimos para o portão dezesseis. Esse era local que iríamos entrar. Para nossa surpresa, o portão estava arrebentado. Entramos sem entregar os ingressos! Detalhe: estávamos de arquibancada. Subimos a rampa de acesso, achamos um lugar maneiro de frente ao palco e alí ficamos.

Vocês não podem imaginar a emoção que senti ao ver o estádio repleto! Muita gente, tanto no campo com nas arquibancadas. Novamente lágrimas no rosto, parei, respirei fundo e pensei “Gustavo, você vai ver o Kiss”.

A banda de abertura foi o Erva Doce. Acho que foi até legal. Também, meu amigo, se colocassem o Bozo pra abrir o show eu ia achar ótimo. Estava em êxtase! Mas as duas que mais empolgaram a galera foram Erva Venenosa e uma que eu não sei o nome mas que a galera cantou um refrão que eu não posso aqui citar.

Enfim, chegou a hora do Kiss se apresentar e entra o Castrinho (ele mesmo) para apresentar o Kiss. Luzes apagadas, aquele show tradicional dos isqueiros (naquela época era isqueiro mesmo, nada de celular).

O Kiss entra no palco, meu sonho realizado ao som de Creatures Of The Night, meu coração a mil. Claro que som não estava assim tão legal mas era a minha banda do coração que estava alí na minha frente, a multidão enlouquecida! Divino! Quase me acabo na primeira música. Logo em seguida, Detroit Rock City, se não me falha a memória. Meu Deus, nunca tinha visto tanta gente assim num show de rock! Música após música, cada vez mais eu estava entregue à banda. Cara, aquela bateria era coisa de louco até hoje nunca vi nada igual, ainda mais com Eric Carr tocando.

No seu solo, a bateria ia girando e disparando contra as caixas de som (falsas) no alto do palco. Imaginem isso no início da década de oitenta, ainda mais aqui, onde não tínhamos tantos shows de rock nesse nível.

Outro ponto que marcou aquele show: galera, não me levem a mal, mas quando Gene gritou “Mengo”, o Maracanã veio abaixo, rsrsrsrs. Música após música cada vez mais eu me emocionava. Na quarta ou quinta eu já não tinha mais voz!. Quando Kiss tocou I Love It Loud, aí sim o Maracanã explodiu o maior coro que eu jamais vi. Parecia um exército de loucos cantando (música que aliás foi repetida).

Não só os fãs estavam emocionados mas dava pra notar que a banda toda estava, pois aquela apresentação era também um desafio para o Kiss: nunca tinham tocado para tantas pessoas num só evento.

Pela longa data não me lembro de muitos detalhes mas tinha uma área que estava reservada para os fogos atrás do palco. Tinha tanta gente, até mesmo naquela área. Não é preciso nem dizer que na hora dos fogos aquela cascata assustou a todos.

Música após música, o Kiss ia conquistando o Maracanã. Quando a banda tocou sua ultima música não sabíamos se íamos embora ou se ficávamos ali paralisados. Enfim, sonho realizado, voz destruída, começamos a descer a rampa do estádio, com toda a galera cantando junto I Love It Loud. Show do Kiss lá dentro, e show dos fãs fora . Algo indescritível.

Nossas vidas são marcadas por diversos acontecimentos ao longo dela. Este talvez tenha sido um dos mais marcante e emocionantes da minha. Tudo contribuiu para isso. A época, as dificuldades para ser fã naquele tempo… tudo era mais difícil! Talvez por isso tenha sido tão especial.

Ah, eu fui no show em São Paulo também, rsrsrsrs.

No seu solo, a bateria ia girando e disparando contra as caixas de som (falsas) no alto do palco. Imaginem isso no início da década de oitenta, ainda mais aqui, onde não tínhamos tantos shows de rock nesse nível.

Outro ponto que marcou aquele show: galera, não me levem a mal, mas quando Gene gritou “Mengo”, o Maracanã veio abaixo, rsrsrsrs. Música após música cada vez mais eu me emocionava. Na quarta ou quinta eu já não tinha mais voz!. Quando Kiss tocou I Love It Loud, aí sim o Maracanã explodiu o maior coro que eu jamais vi. Parecia um exército de loucos cantando (música que aliás foi repetida).

Não só os fãs estavam emocionados mas dava pra notar que a banda toda estava, pois aquela apresentação era também um desafio para o Kiss: nunca tinham tocado para tantas pessoas num só evento.

Pela longa data não me lembro de muitos detalhes mas tinha uma área que estava reservada para os fogos atrás do palco. Tinha tanta gente, até mesmo naquela área. Não é preciso nem dizer que na hora dos fogos aquela cascata assustou a todos.

Música após música, o Kiss ia conquistando o Maracanã. Quando a banda tocou sua ultima música não sabíamos se íamos embora ou se ficávamos ali paralisados. Enfim, sonho realizado, voz destruída, começamos a descer a rampa do estádio, com toda a galera cantando junto I Love It Loud. Show do Kiss lá dentro, e show dos fãs fora . Algo indescritível.

Nossas vidas são marcadas por diversos acontecimentos ao longo dela. Este talvez tenha sido um dos mais marcante e emocionantes da minha. Tudo contribuiu para isso. A época, as dificuldades para ser fã naquele tempo… tudo era mais difícil! Talvez por isso tenha sido tão especial.

Ah, eu fui no show em São Paulo também, rsrsrsrs.

Gustavo.

Para ver a matéria completa, acesse o link original no Minuto HM, com fotos dos ingressos dos shows no Rio e em São Paulo, além de outras, bem como os setlists de ambos shows e, nos comentários, há também um vídeo do show de SP na íntegra!

http://minutohm.com/2009/12/22/review-do-show-do-kiss-no-mar...

Comente: Você foi ao show histórico? Ou quis ir?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 02 de dezembro de 2012

Paul StanleyPaul Stanley
"Guitarristas não aprendem a fazer base"

691 acessosEm 25/07/1980: Eric Carr subia ao palco pela primeira vez com o Kiss417 acessosGene Simmons: Na capa da revista britânica Heavy Music Artwork563 acessosMarcos de Ros: Gene Simmons, o Capitalista Malvadão509 acessosAce Frehley: "Anomaly" ganha versão deluxe; ouça música inédita0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Kiss"

Na cadeiaNa cadeia
Astros do rock que foram enjaulados

KissKiss
Slash, do GN'R, tentou entrar na banda em 1982, diz Paul

ManowarManowar
"Nunca fui fã e não gosto do Kiss" - diz Eric Adams

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Kiss"

Ave, Satan!Ave, Satan!
As dez melhores músicas sobre o Inferno

Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1992

Heavy MetalHeavy Metal
Os 11 melhores álbuns dos anos 2000 segundo o Loudwire

5000 acessosGlen Benton e Euronymous: a verdade sobre o encontro5000 acessosPink Floyd: tudo sobre "Another Brick in the Wall"5000 acessosOs roqueiros mais chatos das redes sociais5000 acessosMetallica: como soaria "Hardwired" se tivesse sido gravada nos 80's?5000 acessosDire Straits: a história por trás da música "Money For Nothing"2998 acessosSteve Vai: a curiosa conexão com o hard rock fora da carreira solo

Sobre Gustavo T.

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online