Liberdade ao Rock: como foi a edição 2012 do evento

Resenha - Liberdade ao Rock (Praça da Bandeira, Macapá, Amapá, 07/07/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Bruno Blackened Monteiro
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Mais um edição do Liberdade ao Rock aconteceu, como de costume, na Praça da Bandeira. Como sempre, publico garantido e em peso para as bandas de Rock e Metal. O único problema do Liberdade ao Rock é o atraso: o que estava previsto para começar as 20h começou duas horas depois. Isso desfalca bandas e fãs. As primeiras ficam com repertório reduzido e alguns fãs, por não possuírem transporte próprio, são obrigados a irem embora mais cedo por dependerem das linhas de ônibus. Problemas com o equipamento de som também atrapalharam os primeiros grupos a tocarem.

5000 acessosDrogas e Álcool: protagonistas nos piores shows de grandes astros5000 acessosCovers: quando bandas de Heavy e Power Metal prestam tributo

Enquanto as bandas apresentavam-se, uma barraca de vendas de camisas foi aberta ao lado do palco, comercializando artigos do próprio evento. Com um nome desses, é claro que as bandas de Pop Rock, Alternativo e Hardcore tocam por mais tempo, mas o Metal também tem seu espaço. E ele começou com a banda THE HIDES, que fez covers de IRON MAIDEN (The Trooper e Fear of the Dark) e METALLICA (Enter Sandman), o que serviu para chamar a atenção dos banguers para as bandas que viriam a seguir.

A MYSTERIAL é a nova banda de Vanessa Rafelly (vocal, ex-SEED FALLS), que chama a atenção por onde passa por alternar vocais líricos e guturais. Completam a formação Wesley Prata (bateria), Iohanes Nascimento e Thiago Dantas (guitarras) e Jaasias Souza (baixo). A MYSTERIAL apresentou três músicas, sendo duas próprias e um cover (Rock the Earth, de ROB ROCK). Glory abriu o show de forma magistral, com Vanessa mostrando toda sua potência lírica logo no início. O destaque fica por conta de Days of Pain, nos quais destacam-se os riffs de guitarra: simplesmente matadores.

Sem deixar a peteca cair, a HELOIM veio logo em seguida, transformando o Liberdade ao Rock num verdadeiro culto ao todo-poderoso com seu empolgante Heavy/White Metal. Apenas um Caminho foi a primeira do set, seguida de Jerusalém. Nesta faixa, Jaasias convidou Michel Arruda (ex-PROFETIKA) para cantar. Há notícias de que o projeto dos antigos membros da PROFETIKA chama-se CARNIFECTOR. A proposta sonora ainda é o Thrash, mas as letras abordam outros temas. Voltando a HELOIM, esta encerrou sua apresentação com Luz do Mundo, mais um petardo White.

Outra banda que chamou a atenção foi a VSEIS!, da vizinha Guiana Francesa. Os caras mandam muito bem e sabem o que estão fazendo, pois o Thrash/Death Metal praticado pelo grupo lembra NERVOCHAOS nos tempos de Pay Back Time (1998). A VSEIS! iria tocar no dia seguinte, no Anime Conection, mas o evento extrapolou o horário cedido pela casa (o Colégio Graziela) e, por isso, não pôde tocar. Os headbanguers gritavam “VSEIS!, VSEIS!, VSEIS!”, na esperança de que a banda tocasse pelo menos uma música, mas não rolou.

Parabéns a todas as bandas que tocaram no Liberdade ao Rock, mas em especial a THE HIDES, MYSTERIAL, HELOIM E VSEIS!, que botaram a praça abaixo com seu Metal energético, pesado, empolgante, cheio de riffs marcantes e cozinhas precisas.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows

Drogas e ÁlcoolDrogas e Álcool
Protagonistas nos piores shows de grandes astros

CoversCovers
Quando bandas de Heavy e Power Metal prestam tributo

RammsteinRammstein
"Se alguém rir das gordinhas, eu quebro a cara dele!"

5000 acessosComo batizar a criança: os nomes de bandas mais estúpidos5000 acessosFotos de Infância: Pantera5000 acessosRoger Moreira: resposta bem humorada a "crítica" no Agora é Tarde5000 acessosNirvana: Polícia de Seattle libera novas fotos do corpo de Cobain3846 acessosMetaleiro: popularizado no 1º RIR, termo continua polêmico4566 acessosSteven Adler: é difícil para ele ver o Frank Ferrer tocar suas músicas

Sobre Bruno Blackened Monteiro

Metalhead, Gamer, Otaku e Jornalista. Essas são as palavras que me descrevem melhor. Um jovem que faz de tudo para apoiar o Heavy Metal, seja através de resenhas, artigos, fotos, reportagens, entrevistas ou mesmo estando assiduamente nos shows apoiando e bangueando ao som das bandas. Amo o Metal desde os 16 anos e minhas vertentes favoritas são Thrash, Death e Power Metal. Também gosto de Gothic, Doom e Black Metal, mas o Thrash é o que me move! THRASH!

Mais matérias de Bruno Blackened Monteiro no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online