Liberdade ao Rock: como foi a edição 2012 do evento

Resenha - Liberdade ao Rock (Praça da Bandeira, Macapá, Amapá, 07/07/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Bruno Blackened
Enviar Correções  

Mais um edição do Liberdade ao Rock aconteceu, como de costume, na Praça da Bandeira. Como sempre, publico garantido e em peso para as bandas de Rock e Metal. O único problema do Liberdade ao Rock é o atraso: o que estava previsto para começar as 20h começou duas horas depois. Isso desfalca bandas e fãs. As primeiras ficam com repertório reduzido e alguns fãs, por não possuírem transporte próprio, são obrigados a irem embora mais cedo por dependerem das linhas de ônibus. Problemas com o equipamento de som também atrapalharam os primeiros grupos a tocarem.

Hard Rock e Heavy Metal: Os 10 videos mais toscos "sem querer"

Varg Vikernes: ele diz odiar o Brasil e cita brasileiros como "inferiores"

Enquanto as bandas apresentavam-se, uma barraca de vendas de camisas foi aberta ao lado do palco, comercializando artigos do próprio evento. Com um nome desses, é claro que as bandas de Pop Rock, Alternativo e Hardcore tocam por mais tempo, mas o Metal também tem seu espaço. E ele começou com a banda THE HIDES, que fez covers de IRON MAIDEN (The Trooper e Fear of the Dark) e METALLICA (Enter Sandman), o que serviu para chamar a atenção dos banguers para as bandas que viriam a seguir.

A MYSTERIAL é a nova banda de Vanessa Rafelly (vocal, ex-SEED FALLS), que chama a atenção por onde passa por alternar vocais líricos e guturais. Completam a formação Wesley Prata (bateria), Iohanes Nascimento e Thiago Dantas (guitarras) e Jaasias Souza (baixo). A MYSTERIAL apresentou três músicas, sendo duas próprias e um cover (Rock the Earth, de ROB ROCK). Glory abriu o show de forma magistral, com Vanessa mostrando toda sua potência lírica logo no início. O destaque fica por conta de Days of Pain, nos quais destacam-se os riffs de guitarra: simplesmente matadores.

Sem deixar a peteca cair, a HELOIM veio logo em seguida, transformando o Liberdade ao Rock num verdadeiro culto ao todo-poderoso com seu empolgante Heavy/White Metal. Apenas um Caminho foi a primeira do set, seguida de Jerusalém. Nesta faixa, Jaasias convidou Michel Arruda (ex-PROFETIKA) para cantar. Há notícias de que o projeto dos antigos membros da PROFETIKA chama-se CARNIFECTOR. A proposta sonora ainda é o Thrash, mas as letras abordam outros temas. Voltando a HELOIM, esta encerrou sua apresentação com Luz do Mundo, mais um petardo White.

Outra banda que chamou a atenção foi a VSEIS!, da vizinha Guiana Francesa. Os caras mandam muito bem e sabem o que estão fazendo, pois o Thrash/Death Metal praticado pelo grupo lembra NERVOCHAOS nos tempos de Pay Back Time (1998). A VSEIS! iria tocar no dia seguinte, no Anime Conection, mas o evento extrapolou o horário cedido pela casa (o Colégio Graziela) e, por isso, não pôde tocar. Os headbanguers gritavam "VSEIS!, VSEIS!, VSEIS!", na esperança de que a banda tocasse pelo menos uma música, mas não rolou.

Parabéns a todas as bandas que tocaram no Liberdade ao Rock, mas em especial a THE HIDES, MYSTERIAL, HELOIM E VSEIS!, que botaram a praça abaixo com seu Metal energético, pesado, empolgante, cheio de riffs marcantes e cozinhas precisas.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Hard Rock e Heavy Metal: Os 10 videos mais toscos sem quererHard Rock e Heavy Metal
Os 10 videos mais toscos "sem querer"

Varg Vikernes: ele diz odiar o Brasil e cita brasileiros como inferioresVarg Vikernes
Ele diz odiar o Brasil e cita brasileiros como "inferiores"


Sobre Bruno Blackened

Metalhead desde os 16, jornalista desde os 23. Grande incentivador da cena Metal amapaense através de resenhas, reportagens, fotos, artigos, entrevistas e assiduidade nos shows. Minhas vertentes favoritas são o Thrash, Death e Power Metal. \m/

Mais matérias de Bruno Blackened no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin