All You Need is Love: Um show inesquecível de 3 horas

Resenha - All You Need is Love (Teatro Bradesco, São Paulo, 12/06/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Roberta Forster
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O show desta terça-feira (12/06) foi um espetáculo para beatlemaníaco nenhum botar defeito. Os brasileiros da banda All You Need is Love - Sandro Peretto (John Lennon), César Kiles (Paul McCartney), Thomas Arques (George Harrison), Renato Almeida (Ringo Starr), juntamente com Anselmo Ubiratan (produtor/maestro) e orquestra - fizeram as vezes dos garotos de Liverpool com maestria; tanto na caracterização quanto na performance musical, atuaram de forma impecável.

Meteoro: A Conspiração Beatles divulgada por Olavo de CarvalhoRunaways: Jackie Fox conta como foi estuprada por Kim Fowley

Já passava das 21h00 quando o grupo subiu ao palco, lançando mão de I Want to Hold Your Hand logo após a primeira apresentação da orquestra, embalando o dia dos namorados e arrancando suspiros de casais apaixonados e gritos da plateia que lotava o Teatro Bradesco. Com todo gracejo, a banda conversava com o público em inglês durante quase todo o espetáculo, reproduzindo a performance carismática do grupo original.

Na primeira hora de show, Thomas anuncia o convidado da noite, Rico, que chegou com o maravilhoso instrumento indiano, a sitar, emocionando a todos ao começar com ela a tocar Norwegian Wood. O show seguiu com toda a animação quando, em Can't buy me Love, a banda pede para que o público bata palmas para acompanhar a música. Foi em Yesterday que César Kiles ganhou destaque, tendo como base para a canção apenas a sua voz, seu violão e o apoio da orquestra. E a animação continua com I saw her standing there, quando a banda pede para que a plateia se levante, fazendo a galera delirar (alguns pareciam até acreditar que o verdadeiro quarteto inglês estava ali na sua frente).

O extenso concerto continuou até que, após Twist and Shout, a banda se retira, dando lugar a uma apresentação da orquestra regida por Anselmo Ubiratan. Logo em seguida, o maestro pega o seu violão e faz sua primeira apresentação solo da noite, cantando Here, There and Everywhere. Tudo isso deu tempo o suficiente para a banda voltar ao palco com um novo figurino a la The Magical Mystery tour, para então puxar a primeira música após o retorno triunfal e orquestrado: Sgt. Pepper's. O show prossegue e, após A day in the life, alguém grita lá de trás pedindo uma música especifica, e, fazendo graça, César Kiles responde "No, no! Thank you!" provocando risos na plateia.

A essa altura do espetáculo, a timidez do público já havia desaparecido, bastava começar uma música mais animada que logo já começavam a se levantar, a dançar e agitar as mãos, empolgando ainda mais os músicos que respondiam interagindo com a galera. Após Yellow Submarine, a banda faz outra retirada estratégica e a orquestra assume as rédeas mais uma vez, seguida de outra apresentação do maestro com seu violão, desta vez cantando And I Love her.

O grupo retorna ao palco com novo figurino, usando perucas e adornos compondo um visual totalmente Abbey Road, apresentando a canção You never give me your Money. Após mais algumas músicas, é a vez de Let it Be, que foi cantada unanimemente por todos os presentes. Logo após, a banda faz a apresentação de todos os integrantes da banda, bem como do maestro e sua orquestra, pela primeira vez na noite falando em português, e avisando ao público que o show estava chegando ao fim porque o teatro tinha que fechar - já havia passado quase três horas de show - assim a clássica Hey Jude começa, gerando um forte e intenso coro quando entoam o famoso "na na na na na naaaaa, hey Jude!"

É chegada a hora da última música e, fazendo graça, Sandro chama pelo convidado Rico, e descobre que ele não está mais lá. "É, nós não temos um convidado. Ele foi embora, acho que tem namorada!" E logo depois pergunta ao público se, em homenagem ao dia dos namorados, queriam uma música mais romântica ou bem rock'n'roll, e gritos surgiram aclamando por Helter Skelter, que fecha o show com chave de ouro incrustada com diamantes. Os músicos se despedem, deixam o palco e as pessoas deixam a casa, com a lembrança de um show absolutamente inesquecível.

Setlist:
1. I want to hold your hand
2. She loves you
3. All my loving
4. All I've got to do
5. In my life
6. I need you
7. Till there was you
8. You've got to hide your Love away
9. We can work
10. Act naturaly
11. Help
12. Norwegian Wood (this bird has flown)
13. Can't buy me Love
14. A hard day's night
15. I should have known better
16. Yesterday
17. I saw her standing there
18. Roll over
19. Twist and shout
20. Here, there and everywhere (Anselmo Ubiratan solo)
21. Sgt. Pepper's
22. With a little help from my friends
23. Got to get you
24. A Day in the life
25. Hello goodbye
26. Walrus
27. Penny Lane
28. All you need is Love
29. Yellow submarine
30. And I Love her (Anselmo Ubiratan solo)
31. You never give me your Money
32. Come together
33. Back in the USSR
34. I've got a feeling
35. Something
36. Don't let me down
37. Get back
38. Let it be
39. Hey Jude
40. Helter Skelter




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Beatles"


Meteoro: A Conspiração Beatles divulgada por Olavo de CarvalhoCanal NB: Olavo de Carvalho e o satanismo dos BeatlesBeatles: Maurício Ricardo comenta a estranha teoria de Olavo de CarvalhoBeatles: ouça versão remixada de "Oh! Darling" do relançamento de Abbey RoadBeatles: Olavo de Carvalho diz que eles eram satanistas e semi-analfabetos em músicaPaul McCartney: 1959 a 2019, a trajetória do lendário músico em animaçãoClassic Rock: Os 50 anos de Abbey Road na capa da revistaBeatles: Crítica de "Yesterday", filme inspirado na banda (vídeo)Beatles: Abbey Road, uma Rua para o UniversoJulie Dexter: Sem Medo de Modificar Beatles, Marvin Gaye e ArethaBruno Rocker: 11 grandes solos de guitarra dos Beatles

Drake: após bater recorde, rapper faz tatuagem zoando os BeatlesDrake
Após bater recorde, rapper faz tatuagem zoando os Beatles

John Lennon: como foi o último dia do ex-Beatle (vídeo)Beatles: Ouça uma das faixas inéditas da reedição de Abbey RoadAbbey Road: Por que os Beatles atravessaram a rua?

Em 09/11/1966: Dia do fictício acidente fatal de Paul McCartneyEm 09/11/1966
Dia do fictício acidente fatal de Paul McCartney

Capas de álbuns: agora com gatos em discos clássicosCapas de álbuns
Agora com gatos em discos clássicos

Capas clássicas: os locais onde foram feitas nos dias de hojeCapas clássicas
Os locais onde foram feitas nos dias de hoje


Runaways: Jackie Fox conta como foi estuprada por Kim FowleyRunaways
Jackie Fox conta como foi estuprada por Kim Fowley

Mulheres no Rock: resistência em um meio machistaMulheres no Rock
Resistência em um meio machista

Fotos de Infância: Skid RowFotos de Infância
Skid Row

Esquisitices: algumas exigências bizarras para showsIron Maiden: os álbuns da banda, do pior para o melhorMarty Friedman: "Sim, você pode dizer que sou um hipócrita."Guns N' Roses: por que Axl não mudou nome após Slash e Duff saírem

Sobre Roberta Forster

Sou paulista, apaixonada por rock'n'roll, fotografia e literatura, nascida nos maravilhosos anos 80, funcionária pública, graduada em Artes Visuais pela Universidade Belas Artes de São Paulo. Especializei-me em fotografia pela Escola Focus em 2008 e, atualmente, estudo Letras na Universidade de São Paulo - USP e atuo como fotógrafa de Rock e Heavy Metal para o Whiplash! quando Chronos permite. Prazer!

Mais matérias de Roberta Forster no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336