Blind Guardian: The Bard's Night em São Paulo

Resenha - Blind Guardian: The Bard's Night (Credicard Hall, São Paulo, 23/04/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Vinícius Carneiro da Silveira
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Como podemos descrever um espetáculo que por sorte dos fãs brasileiros, teve a a oportunidade de presenciar a performance dos bardos alemães duas vezes em cerca de seis meses? Pois sim caros leitores, emocionante e preciso.

3932 acessos2000 a 2002: 10 shows/turnês pouco comentados5000 acessosMotorhead: Lemmy responde perguntas dos fãs

A noite começou cedo no Credicard Hall, mal os portões foram abertos curiosamente antes do horário esperado (por volta das 19:15, sendo que no ingresso dizia 1:30 antes do show, ou seja, 19:30) e em menos de meia-hora, já se viam preparativos para a entrada da primeira banda da noite, o SHAMAN. O quinteto brasileiro mostrou-se muito competente e preciso, mas tocou para uma casa que não estava em nem um terço de sua capacidade. O show durou cerca de 45 minutos.

Logo em seguida, próximo às 20:30 da noite (e para desespero total dos fãs que esperavam o início das atrações às 21h conforme descrito nos ingressos), veio o GRAVE DIGGER, os músicos apesar da idade aparente estão em plena forma e fizeram um ótimo set com 1 hora de duração e com grande interação com os fãs na platéia que já completavam cerca de metade do espaço do Credicard Hall.

Então, a atração mais esperada por grande parte do público entra no palco às 22 horas. Logo que a introdução orquestral iniciou acusando a primeira música, Sacred Worlds, a euforia tomou conta dos fãs que já aguardavam ansiosos o subir das cortinas. Um BLIND GUARDIAN extremamente animado entra em palco para a alegria de todos. Passada a performance impecável da primeira de muitas da noite, o público gritava em plenos pulmões: "Guardian, Guardian" que rendeu cumprimentos dos membros da banda aos fãs e a breve conversa de Hansi sobre estar no Brasil mais uma vez em 6 meses. Born In A Mourning Hall foi a próxima música, tocada com maestria e entusiasmo.

Em seguida, a platéia novamente entoa seu grito de guerra para os bardos que impressionam-se pela energia que o público irradiava, visto que a casa não estava cheia, mas transbordava a emoção de fãs realmente apaixonados pela banda. Nightfall veio após breve e cotidiana descrição de Hansi a respeito do tema de cada música. O entusiasmo do público era tão grande que diversas vezes em quase todas as músicas, Hansi apontava seu microfone para nós e acenava positivamente impressionado.

Turn the Page veio para dar um ar épico a noite, seguida da veloz e precisa Tanelorn (Into the Void) que apesar de ser de um álbum recente, é muito bem recebida pelos fãs. Assim que finalizada, um grupo de fãs grita em coro pedindo por Majesty, mas Hansi tenta ser durão dizendo que mais clássicos virão. Realmente vieram. Lost in the Twilight Hall trouxe ânimo aos fãs mais antigos e aos novos também, com seu peso e velocidade do início da carreira dos bardos. Time Stands Still (at the Iron Hill) vem na sequência arrancando todos do chão em outra performance clássica e inesquecível.

Mais uma vez, no entre músicas, o mesmo grupo de fãs grita por Majesty, e Hansi, bem humorado, aconselha os demais a ignorá-los e que a próxima música era um clássico homenageando os deuses escandinavos. A essa altura Valhalla incendiava o Credicard Hall com um coro uníssono do público que durou minutos depois da música encerrar seu tempo normal.

Novamente, Majesty foi aclamada pelo público, só dessa vez, por quase toda a casa. O que fez todos os membros da banda entreolharem-se e aceitarem que Majesty fazia parte daquela festa. A multidão foi a loucura do início ao fim da rápida e emocionante melodia.

Após Majesty, os bardos precisavam de algo mais tranquilo para equilibrar o set e a lenda do Rei Arthur deu vida à bela A Past and Future Secret, novamente cantada em uníssono pelo público que praticamente fez todos os backing vocals da música de tão forte que era o coro. O retorno ao peso deu-se com A Voice in the Dark que também foi muito bem recebida pelos fãs. Ao fim desta, Hansi ensaiou uma despedida da noite que foi recebida, obviamente com contestação de todos os presentes. Mas aquilo era basicamente uma pausa para o que viria na sequência. The Piper's Calling iniciou após revelação de Hansi a respeito da próxima atração, Somewhere Far Beyond que sinceramente foi um ponto altíssimo na noite e totalmente inesperada.

Outra pausa foi feita. Mas o público não parava, ansiava por mais, gritava por mais.

Foi então que no escuro, ouviu-se War of Wrath cujas palavras foram recitadas por todos para a entrada de Into the Storm. Mas a obra tolkieniana continuaria a noite com Lord of the Rings, também tendo seus backing vocals feitos pela platéia.

A épica e trabalhada Wheel of Time veio na sequência com sua harmonia com toques orientais que rendeu até uma dancinha egípcia de André que empolgou-se e arriscou alguns passos para diversão de todos presentes... Hansi, Marcus e Frederick deram uma risada e balançaram a cabeça divertindo-se com a performance improvisada do guitarrista.

Uma noite de clássicos não pode deixar de ter The Bard's Song - In the Forest que marca o que há de mais emocionante para todos os fãs de todas as idades. Como sempre, Hansi cantou pouco e preferiu acompanhar o coro emocionado do público. Por ser a The Bard's Night, os bardos incluíram também The Bard's Song - The Hobbit no set, o que foi mais uma surpresa para os fãs mais antigos.

Tanta energia e paixão rendeu aos fãs nada menos que Mirror Mirror para encerrar definitivamente essa noite tão especial de segunda-feira.

Que rendeu também ao fim do agradecimento da banda, a invasão de um fã que pulou a divisória entre o palco e a pista e subiu no palco. Coincidentemente, o tal encrenqueiro esteve próximo de mim mais da metade do show. Os seguranças agiram com rapidez e rigidez e colocaram o fã descontrolado para fora do palco.

Mas apesar do contratempo, a noite estava ganha. A semana será mais feliz após a imersão na imaginação e criatividade de todos esses bardos.

Por eu estar próximo à grade, e portanto a uns 3 metros do palco, percebemos a colocação do set list próximo ao equipamento do André, então pedi a um fã que possuía uma câmera semi-profssional que tentasse tirar uma foto do set list, que originalmente possuía And The Story Ends, que por fim foi ignorada devido ao tempo de show.

Set List

Sacred Worlds
Born in a Mourning Hall
Nightfall
Turn the Page
Tanelorn (Into the Void)
Lost in the Twilight Hall
Time Stands Still (at the Iron Hill)
Valhalla
Majesty
A Past and Future Secret
A Voice in the Dark
The Piper´s Calling
Somewhere Far Beyond

Encore:
War of Wrath
Into the Storm
Lord of the Rings
(And The Story Ends originalmente)
Wheel of Time
The Bard´s Song - In the Forest
The Bard´s Song - The Hobbit
Mirror Mirror

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

2000 a 20022000 a 2002
10 shows/turnês pouco comentados

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Blind Guardian"

Para entenderPara entender
O que é power metal?

Musos do Rock e Heavy MetalMusos do Rock e Heavy Metal
Agora é a vez das garotas!

Game of ThronesGame of Thrones
A inspiração do Blind Guardian e Hammerfall

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Blind Guardian"

MotorheadMotorhead
Lemmy Kilmister responde perguntas dos fãs

Avenged SevenfoldAvenged Sevenfold
Cheirando cocaína com The Rev após a rehab

PoeiraPoeira
A fúria de Ian Anderson pra cima do Led Zeppelin

5000 acessosSlash: o segredo do timbre do guitarrista5000 acessosMarcos De Ros: os álbuns que marcaram o guitarrista5000 acessosPaul McCartney: um baita susto pregado por George Harrison5000 acessosMusicRadar: os 40 shows mais disputados do mundo5000 acessosGastão Moreira: A coleção do VJ, apresentador e jornalista musical5000 acessosAnos 90: 10 shows pouco comentados

Sobre Vinícius Carneiro da Silveira

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online