Dr. Sin: Uma verdadeira apresentação de rock n' roll

Resenha - Dr. Sin (Bar do Burburinho, Recife, 02/12/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago Pimentel, Fonte: Hangover Music
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Depois de quatro anos, o último show em terras pernambucanas havia sido realizado em 2007, eis que o Recife recebe o trio - hoje, com a inclusão de teclados, um quarteto, na verdade - de hard rock paulista "Dr. Sin". A banda divulga o seu último álbum, "Animal".

905 acessosToth e Busic: "Os Cavaleiros Do Zodíaco'' ganha versão metal5000 acessosMötley Crüe: a ousada tattoo de modelo paulista em tributo à banda

Publicado originalmente em Hangover Music.

Abro um pequeno 'parênteses' antes da resenha em si: Após ler o anúncio do local do evento perguntei-me: - será que o Burburinho comportará decentemente o público para este show? Explico as razões da minha indagação: devido ao fato (recente) do "Bomber Rock Bar" fechar as portas, houve uma migração, dos shows lá realizados, para o "Bar do Burburinho" - um bar mais tradicional cuja localização foi a mesma do finado Bomber: o bairro do Recife. A estrutura Bomber, apesar de também ser um local de espaço limitado, era superior ao primeiro andar do Burburinho e espero, sinceramente, que o uso desse bar, como opção para shows do estilo, seja um paliativo ou que, ao menos, os eventos de porte médio, como este, ocorram no "Clube Português" ou no "Clube Internacional". Um fator a ser levado em consideração foi o preço do evento, afinal 30 reais foi um valor acima do esperado para o local em si.

Após os shows de abertura (leia mais informações no fim), finalmente Andria Busic (vocal/baixo), Ivan Busic (bateria/vocal), Edu Ardanuy (guitarra) e, agregado ao grupo, Rodrigo Simão (teclado) iniciavam a apresentação, que foi realizada com o hard rock a lá "Van Halen" de "Animal". Responsável pela abertura do álbum de mesmo nome, a música de refrão simples empolgou a todos, a essa altura o primeiro andar do Burburinho estava lotado, que aguardavam os músicos paulistas.

De imediato, a técnica absurda de Ardanuy, impressionou os presentes. O contraste da dificuldade de execução dos seus riffs e solos, se comparados com a incrível facilidade com que ele os executa, é realmente motivo para impressionar-se.

Logo depois de concluir a faixa, Andria sauda o público e faz um comentário sobre a falta de shows do grupo no Recife nesses últimos anos, mas a conversa não é longa: Ivan logo emenda, na bateria, a clássica introdução de "Fly Away" - composição presente no álbum "Dr. Sin II" (2002) - que ainda contou com uma pequena jam em seu ínicio. Que refrão esta música possui! Para alegria da banda, ele foi entoado pela maioria dos presentes, deixando os membros do "Dr. Sin" visivelmente satisfeitos.

Faço uma pequena observação: prefiro as músicas do "Dr. Sin II" com o próprio Andria nos vocais, ao invés do americano Michael Vescera (responsável pela gravação original dos vocais no disco). Essa performance só solidificou minha opinião.

A apresentação segue com a recente "Lady Lust". Divergindo da primeira faixa do show, "Lady Lust" possui menos velocidade e um foco maior no peso. Destaque para a sessão instrumental, lá para o meio da canção, com Andria sobressaindo-se em ótimas linhas de baixo, sempre bem acompanhado de seu irmão (Ivan).

Logo após, o riff de guitarra rápido e esquizofrênico - heavy metal? hard rock? funk? ou tudo isso? - denuncia uma das canções mais clássicas do grupo: "Fire" - do álbum "Brutal" (1995). Como de praxe, Andria deixou parte do refrão sob responsabilidade da platéia. No geral, uma ótima execução. Pena que, durante uma das melhores passagens do solo - os arpeggios iniciais -, o teclado sobressaiu-se além do esperado sobre o som da guitarra que, mesmo após esse trecho, continuou um tanto baixa. Uma pena.

" - Vocês podem tornar seus sonhos em realidade", com esta frase, ou algo próximo a isto, a banda voltou ao disco de 2002 e fez o público cantar o refrão da ótima, e quase uma canção de auto-ajuda, "Miracles". Depois de encerrar a música, Ivan solta um emocionado discurso dedicado ao, já falecido, vocalista Ronnie James Dio. Com isso denunciam a execução de "The King" - música pertecente ao "Animal". Música esta que trata-se de uma homenagem ao "rei do rock n' roll". Emendando com conclusão da faixa, Ardanuy ainda executou uma 'palhinha' do riff introdutório da clássica "Stand Up And Shout" - presente no disco "Holy Diver", do Dio. Bela forma de homenagear um dos 'maiores baixinhos' da música pesada.

Chega a hora dos clássicos e, para comemorar os 20 anos de banda, o "Dr. Sin" segue com "Howlin' in the Shadows" do debut dos caras. Trata-se de uma faixa clássica, mas que, na minha opinião, não teve uma resposta, por parte do público, esperada. " - Vocês conhecem o Insinity?", diz Ivan. Ardanuy logo executa umas notas que ameaçam a introdução de "Zero" e, para minha surpresa, eu estava certo. Esta foi a primeira surpresa do setlist do show que, até então, não havia apresentado muitas variações - se comparados a shows anteriores dessa turnê, claro. Ótima execução e esse solo de Ardanuy emociona; sem dúvidas um dos mais belos que ele já compôs.

Mais clássicos estão por vir, e o público clama por "Stone Cold Dead" - do debut. Andria até 'ameaça', no baixo, algumas notas do riff inicial da música pedida... mas a apresentação segue com o primeiro e, infelizmente, um dos poucos, hits do grupo: "Emotional Catastrophe". Esta acompanhada, felizmente, de uma ótima resposta do público. O show tem seu andamento garantido com a pesada "Nomad" - do álbum Bravo (2007) -, faixa que possui um dos riffs mais legais já feitos por Ardanuy.

Prestes a encerrar o set tradicional, a banda anuncia a execução de "Those Days" dando umas "alfinetadas" na situação atual, para 'sobrevivência', dos músicos de rock/heavy metal na mídia. Das canções do "Animal", essa foi a que teve uma das respostas menos empolgantes por parte do público - mesmo contando com um excelente refrão.

Já agradecendo, em uma forma de despedida, Ivan anuncia mais uma faixa do "Brutal" - o disco mais pesado da banda. O riff matador de "Shed Your Skin" introduziu a música que, infelizmente, também teve seu solo - um dos mais absurdos feitos por Ardanuy, diga-se de passagem - prejudicado pelo som. Depois de 'ensaiar' uma saída, o "Dr. Sin" regressa para o bis com uma jam que incluiu "Jump", do "Van Halen", para só então tocar um de seus maiores clássicos: Futebol, Mulher e Rock N' Roll. Essa é uma das músicas que mais permitem interação com a platéia, além de ser a única cantada em português. Obviamente, Ivan e Andria aproveitaram para realizar as tradicionais brincadeiras com o público, incluindo o "eta, eta eta" e, para não serem acusados de machistas, o "alho, alho, alho". Brincadeiras, a parte... excelente performance e interação com o público. "É mais um gol brasileiro meu povo...", ao fim da música, a banda despediu-se prometendo uma volta mais rápida ao Recife.

Abaixo, algumas das citações memoráveis do filósofo Andria:

"quem tem boca vai a Roma, quem tem buceta dá a volta ao mundo!"

(...) porque brigar por futebol é falta de buceta!"

Enfim, show excelente. A qualidade dos músicos não merece ser nem questionada, além de técnica há empolgação, energia e vontade. Faltaram algumas músicas? Sim, senti falta de "Isolated", "Sometimes", "Time After Time" e tantas outras... Mas o set foi bem distribuido não há motivos para muitas reclamações. Em suma, presenciamos uma verdadeira apresentação de rock n' roll de uma das melhores, senão a melhor, banda tocando esse estilo no Brasil e que, apesar de parecer clichê repetir isso, merece mais reconhecimento. Lamento o fato de tocarem em um lugar tão apertado como o Burburinho e o som não ter contribuido em diversos momentos; espero revê-los sob melhores condições e, de preferência, sem um jogo de luzes que desperte ataques de epilepsia nos presentes...

Abertura:

Além do "Dr. Sin", houve participação de três bandas pernambucanas no evento: o "Kriver"; tocando um heavy/hard bem energético, o "Rush Cover"; que apesar de vários problemas fez um ótimo show e o "EvilGeist"; que divergiu de todas as bandas por executar um som mais agressivo, porém também realizaram uma boa apresentação.

PS: Se alguém quiser ceder fotos, aceito. (:

Formação:

Andria Busic - vocais e baixo
Ivan Busic - bateria e vocais
Edu Ardanuy - guitarras
Rodrigo Simão - teclados

Setlist:

01. Animal
02. Fly away
03. Lady Lust
04. Fire
05. Miracles
06. The King
07. Howlin' In The Shadows
08. Zero
09. Emotional Catastrophe
10. Nomad
11. Those Days
12. Shed Your Skin
-----------------
13. Jump / Jam
14. Futebol, Mulher e Rock'n'Roll

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

905 acessosToth e Busic: "Os Cavaleiros Do Zodíaco'' ganha versão metal0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dr Sin"

Importando MetalImportando Metal
Músicos gringos que atuam ou já atuaram em bandas brasileiras

Dr. SinDr. Sin
A crise do rock nacional

Dr. SinDr. Sin
Felipe Andreoli, do Angra, lamenta o fim da banda

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Dr Sin"

Mötley CrüeMötley Crüe
A ousada tattoo de modelo paulista em tributo à banda

SlashSlash
Saul Hudson explica qual a origem de seu apelido

SabatonSabaton
Exército brasileiro retribuiu homenagem da banda sueca

5000 acessosAnos 90: bandas de hard rock e metal que decepcionaram os fãs5000 acessosLegião Urbana: Eduardo e Mônica, uma análise psico-neurótica5000 acessosO Whiplash.Net protege quem anuncia no site?4976 acessosArch Enemy: Jeff Hanneman nunca será esquecido, diz Gossow5000 acessosDave Mustaine: estou ficando melhor na guitarra graças a Kiko4572 acessosIron Maiden: vídeo dos bastidores da remasterização dos 15 álbuns

Sobre Thiago Pimentel

Tenta, desde meados de 2010, escrever textos que abordem as vertentes da mais peculiar - em seu ponto de vista - manifestação artística do ser humano, a música. Para tal, criou o blog Hangover-Music e contribui no Whiplash.Net. Além disso, é estudante de jornalismo, guitarrista e acredita que se algum dia o Deus metal existira, ele morreu em 13/12/2001.

Mais matérias de Thiago Pimentel no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online