BLS: "If You Can't Fucking ROCK, Don't Fucking Come!"

Resenha - Black Label Society (HSBC Brasil, São Paulo, 13/08/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Site do LoKaos Rock Show
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

E eis que o BLACK LABEL SOCIETY pisou - forte- em São Paulo novamente após três anos na noite do último dia 13. Como já tínhamos exultado antes, o Black Label Society já pertence àquela rara espécie de banda que cria exércitos de seguidores, não fã-clubes. Quem acompanha a banda sempre acompanha com atenção, e ao vestir-se com os trajes feitos famosos pelo líder e fundador da banda ZAKK WYLDE, parecem uniformizados, não fantasiados.

E foi essa mesma milícia que compareceu ao HSBC Hall na noite de sábado, meio que já sabendo o que testemunharia. Ledo engano.

O bando - denominação que soa muito mais apropriada aqui, já que se dava início a um legítimo assalto - de Wylde fincou a bandeira no palco às 10 da noite e o que se seguiu foi um tributo ao Metal sem frescuras, sem flertes com o dubstep, sem maquilagem no rosto, sem ternos bem cortados: apenas um bando 'botando pra fuder'.

O set list por si próprio já foi um show à parte, com a banda cobrindo material desde o disco de estréia, 'Sonic Brew', até o último lançamento de estúdio da BLS, 'The Song Remains Not The Same', lançado em maio passado.

De brinde, o público ainda pôde ser rato de laboratório de experimento sonoro por parte do técnico de som responsável: o mix estava longe de ser limpo e perfeito, e foi isso que conferiu uma atmosfera ainda mais arrebatadora a tudo, deixando todo mundo com a impressão de que a guitarra de Wylde estava plugada a um amplificador a 2 metros de distância.

O/A Black Label Society pode não vender milhões de discos, pode não vir pro Rock In Rio, pode não ter estréia de clipe no Fantástico, mas o que eles já têm de sobra é o que dezenas de milhares de bandas ao redor do mundo passarão décadas procurando, só para no final morderem o próprio rabo: o nome escrito na história do rock à custa de lançamentos constantes e coesos, com padrão de qualidade, turnês infindáveis e o mais importante, um total e absoluto desapego e descaso com a moda, com o que é cool e com a crítica.

Cheers, Berzerkers!

Fotos: Fábio S. Maczka
Agradecimentos: Agnnes Franco da Top Link


Outras resenhas de Black Label Society (HSBC Brasil, São Paulo, 13/08/2011)

Black Label Society: show de muito boa qualidade em SPBlack Label Society em SP: peso absurdo e muita qualidade



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Black Label Society"


Samsung Best of Blues: Zakk Wylde e Kenny Wayne Shepherd farão shows gratuitos no BrasilSamsung Best of Blues
Zakk Wylde e Kenny Wayne Shepherd farão shows gratuitos no Brasil

Zakk Wylde: veja o guitarrista socar um jornalista na cara só de zoeiraZakk Wylde
Veja o guitarrista socar um jornalista na cara só de zoeira

Zakk Wylde: eu bebia porque curto tomar um porreZakk Wylde
"eu bebia porque curto tomar um porre"

Zakk Wylde: não conheço ninguém que não goste do AC/DCZakk Wylde
"não conheço ninguém que não goste do AC/DC"


Heavy Metal: cristãos podem aprender muito com o gêneroHeavy Metal
"cristãos podem aprender muito com o gênero"

Queen: algumas curiosidades sobre a bandaQueen
Algumas curiosidades sobre a banda

Iron Maiden: A tour de Powerslave quase acabou com a bandaIron Maiden
A tour de Powerslave quase acabou com a banda

Sasha Grey: sua real paixão pela música de atitude e sua coleção de vinilAstros mortos: como estariam alguns se ainda estivessem vivos?System Of A Down: Shavo Odadjian lamenta impasse, pois quer tocarHeadbangers: Por que os conservadores são tão ignorantes?

Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.