Resenha - Ed Kowalczky (Vivo Rio, Rio de Janeiro, 01/07/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Gabriel von Borell
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.













E 17 anos depois de sua apresentação no Hollywood Rock junto com o LIVE, Ed Kowalczyk voltou ao Rio de Janeiro para a alegria dos fãs cariocas da banda, que encerrou suas atividades em 2009 em meio a disputas legais entre o cantor e o restante do grupo.

Fotos: Daniel Croce

Kowalczky está em turnê para divulgar o seu primeiro disco solo, “Alive” (2010), mas se engana quem pensa que os clássicos do LIVE estariam esquecidos nesta excursão. Pelo contrário. E este é apenas mais um motivo para se comemorar. As canções do trabalho solo do cantor soam bem parecidas com as músicas que o LIVE costumava lançar e agradam a quem curte a banda. A única diferença é que as novas composições não tem tanta força quanto as antigas. Mas isto pouco importa para os fãs. Eles queriam mesmo era ver Kowalczky relembrar os tempos de LIVE e apresentar seu material novo.

O show no Vivo Rio estava marcado para começar às 23h, porém o cantor só entrou no palco uma hora depois. O público, por outro lado, não pareceu se incomodar com a demora. Se aqui no Brasil a gente está acostumado a ver ressoar as primeiras vaias ao menor sinal de atraso antes de uma apresentação de qualquer artista do mundo, o público, neste caso, até que estava bem paciente com relação ao início do show. Talvez pelo fato de a casa ter demorado a ficar cheia.

Como a apresentação de Kowalczky precedia a festa Coordenadas, marcada para depois do show, parte da plateia chegou bem tarde ao Vivo Rio. Os verdadeiros fãs, claro, é que pagaram o “pato” e tiveram de esperar cerca de duas horas pelo início da apresentação. Quando o relógio marcava 00h, o cantor surgiu no palco em ritmo acelerado e demonstrando bastante vontade em proporcionar uma noite incrível ao público. E realmente foi. Mesmo que a plateia estivesse um pouco morna e contrastando com a animação de Kowalczky e Cia. Mas a fila do gargarejo, concentrada ali bem em frente ao microfone do vocalista, representou bem os cariocas.

A primeira música executada pela banda foi “All Over You”, do álbum de maior sucesso do LIVE, “Throwing Copper”. Em seguida veio “The Great Beyond”, faixa do disco solo de Kowalczky e que teve boa aceitação do público. Depois seguiram clássicos para levantar a galera como “Selling the Drama”, “The Dolphin’s Cry” e “Heaven”, em meio a novas e boas canções como “Drink (Everlasting Love)”, “Drive” e “Grace”. Os atuais companheiros de Kowalczky no palco, Ramy Antoun (bateria), James Gabbie (guitarra) e Chris Heerlein (baixo), não deixaram a desejar e colocaram bastante peso e energia em suas performances. Fazendo questão de ser simpático, Kowalczky interagiu com os fãs diversas vezes durante o show. Ele falou sobre a demora em voltar ao Rio de Janeiro, saudou o público carioca em diferentes momentos e até falou um pouco sobre sua família.

Antes de sair do palco pela primeira vez, Kowalczky cantou “I Alone”, deixando os fãs agitados e com gostinho de quero mais. Logo depois, quando a banda voltou do primeiro bis, veio o ponto alto da noite: era chegada a hora de “Pain Lies on the Riverside”. A plateia finalmente explodiu e ninguém conseguiu ficar parado. A canção teve participação dos percussionistas cariocas Carlos e Thiago, que adicionaram um swing tipicamente brasileiro ao clássico do LIVE. Mais tarde, “Lightning Crashes” fechou mais uma etapa do show com bastante emoção. Retornando ao palco pela última vez, Kowalczky cantou as novas “Just in Time” e “Zion” para depois levantar o público mais uma vez com a empolgante “The Beauty of Grey”, presente no primeiro disco do LIVE, “Mental Jewelry” (1991).

E para encerrar a apresentação de quase duas horas em tom tranqüilo, porém não menos marcante, Kowalczky e sua banda executaram as antigas “Dance with You” e “Run to the Water”. Pouco antes, o cantor brincou ao perguntar a plateia sobre a festa que aconteceria depois do show. “Eu estou convidado?”, perguntou Kowalczky. Mas a grande celebração, para quem estava ali naquela noite, terminou no momento em que o vocalista deixou o palco do Vivo Rio.

Set List:

1- All Over You
2- The Great Beyond
3- The Distance
4- Selling The Drama
5- Drink (Everlasting Love)
6- Drive
7- The Dolphin’s Cry
8- Stand
9- Heaven
10- Grace
11- White, Discussion
12- I Alone

Bis 1:

13- Pain Lies on the Riverside
14- Overcome
15- Lakini’s Juice
16- Lightning Crashes

Bis 2:

17- Just in Time
18- Zion
19- The Beauty Of Grey L
20- Dance With You/Run to the Water

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Live"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Live"0 acessosTodas as matérias sobre "Ed Kowalczyk"

Rob HalfordRob Halford
"Não creio que um heterossexual possa fazer o que faço!"

A morte das grandes bandasA morte das grandes bandas
Vá a todo show grande que puder

MotorheadMotorhead
Escolhido o nome de banda mais legal pela Spin

5000 acessosMetallica: foto rara de formação original do grupo5000 acessosJared Leto: a reação ao se ver no papel do Coringa5000 acessosCâncer na língua: Os músicos que sofreram deste mal5000 acessosSonata Arctica no Brasil: "Achavam que éramos os caras do Guns"5000 acessosVozes: As 50 maiores da história do Rock5000 acessosAxl Rose: o relógio invocado que custa o preço de um apartamento

Sobre Gabriel von Borell

Gabriel von Borell, nascido em 30/03/85, jornalista. Não vive sem música e também não se apega a rótulos musicais. Acredita que todo preconceito é burro, inclusive o musical. Escuta de tudo um pouco, considerando que um jornalista deve estar aberto pra conhecer e comentar sobre qualquer músico ou banda. Pode ser encontrado no Twitter em @gabrielborell.

Mais matérias de Gabriel von Borell no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online