Matérias Mais Lidas

imagemQuando Derico, do Programa do Jô, descobriu que Ian Anderson tocava tudo errado

imagemJoão Gordo se reencontra com o amigo Iggor Cavalera; "Agora falta zerar com o vovô"

imagemO hit da Legião que Renato Russo compôs para Cássia Eller e traz coincidência trágica

imagemRob Halford compartilha a foto mais metal da semana; "O Rei e Eu"

imagemNova Fã que descobriu Metallica por Stranger Things quer cancelar banda e reúne provas

imagemO hit de Nando Reis inspirado em clássico do Led Zeppelin e na relação com sua mãe

imagemA música do Black Sabbath favorita de Frank Zappa

imagemIron Maiden e o Rock in Rio: em detalhes, o que exatamente a banda pediu para o evento

imagemA opinião de Marcelo Barbosa sobre cancelamento de Metallica e Pantera por racismo

imagemO clássico dos Paralamas do Sucesso que Lobão acusou de plágio

imagemRock in Rio: Pitty alfineta a produção do festival ao revelar qual seria sua exigência

imagemFãs de Stranger Things do Tik Tok querem cancelar o Metallica

imagemA opinião de Robb Flynn do Machine Head sobre o retorno do Pantera

imagemGordo diz que atualizou termos politicamente incorretos após puxão de orelha de filha

imagemArtigo na Far Out Magazine aponta James Hetfield como pior letrista da história do metal


Stamp

Pain Of Salvation: Uma noite magnífica em São Paulo

Resenha - Pain Of Salvation (Carioca Club, São Paulo, 05/06/2011)

Por Felipe Kahan Bonato
Em 07/06/11

O Carioca Club não estava de todo lotado, com alguns espaços ao fundo da pista, mas, pelo tamanho da casa, o público era bom, a começar pela fila que percorreu o quarteirão antes do show. Dentro da casa, enquanto a expectativa crescia, alguns vibravam hilariamente com os lances de América-MG x Internacional, transmitido no telão em paralelo com outras músicas. Com um pequeno atraso, suficiente para empurrar para dentro aqueles que não conseguiam entrar, o PAIN OF SALVATION sobe ao palco para presentear seus fãs em um show muito inspirado.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

O set list já fora escolhido com muita inteligência. Aqueles que não gostaram do "Road Salt One" pelo menos devem assumir a boa mescla que as músicas desse último disco produziram com o restante do repertório. Além disso, a banda conseguiu visitar vários momentos de sua bem eclética carreira, por assim dizer.

Iniciando com a tríade "Remedy Lane", "Of The Two Beginnings" e "Ending Theme", a banda conseguiu mostrar desde o peso de suas guitarras, o volume de seu som e o ar mais atmosférico em alguns momentos da última. Apesar do bom começo, o aniversariante do dia, Daniel, parecia um pouco desconfortável em sua guitarra, cometendo alguns erros até que perceptíveis. Na sequência, a animada "America" talvez justificara o que vinha ocorrendo, com o rompimento de uma das cordas da guitarra de Daniel. Bem humorado, o vocalista chama uma pausa forçada com um solo de bateria. Sem se desligar o palco, aproveita para molhar o solista e sua bateria, agitando o público também, que correspondia. No entanto, as cordas se quebram 3 ou 4 vezes ao longo da apresentação, dando um toque de improviso ainda maior.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Aliás, durante todo o show foi grande a conexão entre o vocalista e o público, com um Daniel falante que comparecia frequentemente à parte mais baixa do palco para cumprimentar alguns fãs, tanto durante como, principalmente, ao final do show como gratidão. Em uma das pausas, recebeu um Kinder Ovo (além de pronunciar "ovo" em português), passou pelo camarote tocando a centímetros dos fãs. Por outro lado, o guitarrista Johan, teve uma performance agitada, porém mais reservada. No entanto, sua conexão com o público se deu pelos seus vocais, surpreendentemente bons ao vivo e pelos seus solos instrumentais, muito bem executados.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Voltando ao set, seguiram "Handful Of Nothing" e "Of Dust", preparando o público para a perfeita e vivaz "Kingdom Of Loss", com todas as suas passagens muito bem exibidas pela banda. A essa altura, o público já se surpreendia com a qualidade de execução dos músicos. A sinistra "Blach Hills" serviu para comprovar tal visão. Na mesma linha, "Idioglossia" foi tão "apelação", como comentaram próximo de mim, que não merece nem ser comentada. O único fator que comprometia um pouco a audição era a falta de clareza em algumas partes mais intrincadas e soantes da música, não sei se pelo alto volume, pela acústica da casa, pela disposição do som o use de fato se desejava criar essa rapsódia poluída. Mas isso não comprometeu de maneira alguma a grande apresentação. Até porque, o tamanho da casa e o som proporcionado, permitiram momentos praticamente intimistas como na própria "Her Voices" e, especialmente na mega balada "Second Love", com Daniel brilhando como convencional.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

O peso volta em "Diffidentia", outra faixa que, ganha tanta vida ao vivo, que funciona muito melhor que no álbum (como a maioria, afinal). "No Way", por sua vez, introduz um lado mais bluesy da banda, que tem seu set inteligente justamente por levar tudo do que produz de melhor, com boas variações nos andamentos, na atmosfera, dos timbres das vozes, das batidas da bateria e dos solos, como já mencionado. A parte mais pausada dessa música, também foi passada com maestria. A tradicional "Ashes" volta a exibir essa alternância. É interessante também notar a motivação dos músicos, sempre à vontade no palco e com suas canções, se doando em cada momento do show, se divertindo.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Em seguida, "Linoleum" e a "Road Salt" proporcionam novamente emoções diferentes ao público, que soube aproveitar cada uma das faixas escolhidas (até pela boa presença de casais, para as mais lentas, talvez). Para finalizar o set, com a ameaça de despedida da banda, a dobradinha "Falling" e "The Perfect Element" volta trazendo o prog metal mais propriamente dito. Após o bom set já apresentado, a banda sai de cena e volta para finalizar em grande estilo o fim de semana dos paulistanos. "Tell Me You Don’t Know" toma uma faceta mais rocker, enquanto as palavras "Let’s Disco" pronunciadas por Daniel abrem "Disco Queen", que fez a audiência pular.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Encerrando de vez o show, "Nightmist", que não deixa a desejar, mas poderia ser a primeira do bis, deixando o momento disco para o fim. Apesar disso, a banda soube trabalhar bem o fim da faixa, despedindo-se em alto nível, acompanhando o restante da apresentação.

Ainda, em algum momento do bis, o público canta parabéns a Daniel, que recebe ainda um bolo surpresa e comemora que o terá após o show, mostrando mais uma vez o bom humor que cativou a plateia.

Ao final, só resta dizer que, se não foi uma apresentação perfeita, foi perto disso de modo que os fãs saíssem com a sensação de que a noite valeu a pena. Dá gosto de ver também o prazer e a simpatia dos integrantes do PAIN OF SALVATION que, sem dúvida, merecem muito mais reconhecimento do que já têm (até mesmo dez vezes mais como "pedira" a matemática de Daniel, como bem sabem os que estavam presentes lá). Um grande show, que fez jus à expectativa que se tem em se tratando de PoS. Tomara que não demorem a voltar para o Brasil!

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Banda:
Daniel Gildenlöw: vocais, guitarra
Johan Hallgren: guitarra, backings
Fredrik Hermansson: teclados
Léo Margarit: bateria, backings
Per Schelander: baixo, backings (tour)

Set:
1. Remedy Lane
2. Of Two Beginnings
3. Ending Theme
4. America
5. Handful of Nothing
6. Of Dust
7. Kingdom of Loss
8. Black Hills
9. Idioglossia
10. Her Voices
11. Second Love
12. Diffidentia
13. No Way
14. Ashes
15. Linoleum
16. Road Salt
17. Falling
18. The Perfect Element
Encore:
19. Tell Me You Don't Know
20. Disco Queen
21. Nightmist

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Outras resenhas de Pain Of Salvation (Carioca Club, São Paulo, 05/06/2011)

Resenha - Pain Of Salvation (Carioca Club, São Paulo, 05/06/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Prog Metal: os 10 discos essenciais segundo o TeamRock

Metal Progressivo: os dez melhores álbuns do estilo

Pra ouvir e discutir: os melhores discos lançados em 2002

Metallica: a letra que fez Hammett e Hetfield chorarem

Slash: por que ele usa óculos escuros o tempo todo?


Sobre Felipe Kahan Bonato

Felipe Kahan Bonato: Nascido em 88, há mais de 10 anos - por enquanto - escuta praticamente qualquer subgênero de rock e metal, explorando principalmente bandas mais desconhecidas. Teve contato tardio com a guitarra, seu instrumento preferido, optando então em seguir a carreira de Engenheiro de Produção e em contribuir esporadicamente com resenhas no Whiplash.

Mais matérias de Felipe Kahan Bonato.