Alice Cooper: Rock puro e simples mas com uma magia única

Resenha - Alice Cooper (Citibank Hall, Rio de Janeiro, 03/06/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.












O relógio marcava meia noite e dez minutos do dia 04 de junho (sábado). Neste momento, ao voltar para o mundo real depois de sair do Citibank Hall, aonde conferi os 100 minutos do show de Alice Cooper, notei que estava voltando de um mundo de fantasia, aonde o rock and roll foi a trilha sonora. Terror, humor, sarcasmo e muitos sentimentos se passaram nesse período, portanto declaro a todos os que vierem a ler este texto que estou me desfazendo de quaisquer resquícios de imparcialidade que tenho dentro de mim (se é que um dia tive isso), afinal o show foi FODA! E não foi um FODA qualquer, foi uma aula de rock and roll e teatro que nem Rob Zombie nem Marylin Manson sonhariam em produzir. Rock, desde seu lado mais puro ao mais visceral, e teatro, do brega ao chique, do tosco ao refinado, tudo isso com um senhor de mais de 60 anos que esbanja sarcasmo, empolgação e boa forma. Rock and Roll puro e simples, mas com todo a magia que Tia Alice vem fazendo desde os anos 70, só que apoiado pela tecnologia do mundo moderno.

Fotos: Antônio Cesar

O show, marcado para as 22 horas, foi antecipado por várias músicas do mesmo que rolavam no som mecânico de um Citibank Hall não cheio, nem vazio, mas bem aquém do esperado. Por volta das 22hs eis que as luzes se apagam e começa uma soturna narração de Vincent Prince, que culmina na fulminante "Black Widow". A banda, formada por Glen Sobel (bateria), Chuck Garrick (baixo) e três ótimos guitarristas (Tommy Henrik, Damon Johnson e o clone de Santana/Rob Halford Steve Hunter) sobe ao palco esbanjando pique, mas cadê o cara? Olhando para cima, vemos Alice em uma plataforma vestido como se fosse a encarnação da viúva negra, com direito a faíscas em suas mãos). A continuação com a pesadíssima "Brutal Planet", a emblemática "I'm Eighteen" e quatro massacres sonoros que fizeram o público urrar com todas as suas forças ("Under My Wheels", "Billion Dollar Babies", "No More Mr. Nice Guy" e "Hey Stoopid") fez tremer a casa. Particularmente se o show acabasse neste momento eu me daria por satisfeito, mas para a alegria geral ainda tínhamos muito para ver, e Alice muito a mostrar (vale citar que sua espada "endinheirada" em "Billion Dollar Babies" fez muito marmanjo se emocionar).

Algo que vale ser citado é que você não verá Alice Cooper falando com a plateia, interagindo diretamente, apesar de um ou outro sorriso, afinal o personagem que destila "Is It My Body", "Halo Of Flies" (com uma "jam" e um solo de bateria bem colocado) não fala, deixa a música falar, como quando aparece com uma jaqueta acenando que estaríamos diante de um novo som, "I'll Bite Your Face Off", puro Alice Cooper, e que estará presente em seu próximo trabalho, "Welcome 2 My Nightmare". Havia ainda espaço para invasões da imprensa ao palco e Alice e sua amante, durante "Only Women Bleed" e "Cold Ethyl" , e um Alice "Frankstein" (Eddie aprendeu bem...) em "Feed My Frankstein" (nada mais apropriado). O fato é que neste momento ficou difícil imaginar o que mais ele aprontaria para todos, mas houve espaço para mais diversão e muita música, como "Clones (We're All)" e o mega-sucesso "Poison".

Cansou? Eu não... ninguém saía do lugar (os bares estavam vazios, ninguém comprava cerveja fora do santuário aonde Alice foi decapitado enquanto a banda levava "Killer/I Love the Dead", com destaque para a presença de palco do baixista Chuck, além da performance geral da banda, que trouxe peso e energia para todos os sons). Alice reapareceria das cinzas vestido como um rei para "School's Out", aonde o mesmo inseriu um trecho de "Another Brick In The Wall (Part II)". Esta combinação ficou sensacional, afinal ambas as músicas falam de rebeldia estudantil, só que Alice é o legítimo rebelde (Roger Waters tinha um lado mais ... filosófico).

Neste momento a banda se retira e aguardamos o bis, extasiados, muitos cansados, afinal todos puderam ter seu momento de gritaria, de êxtase, pois a "No More Mr. Nice Guy Tour" trouxe boa parte dos clássicos deste grande artista. Faltaram sons, claro que sim. Mas o "Bis" com "Elected" (com Alice vestindo a camisa 18 da seleção brasileira) e o fechamento com "Fire" de Jimi Hendrix, fizeram até com que o menos interessado no show de Mr. Cooper desse o braço a torcer e se rendesse ao poder do rock and roll, quando executado por quem realmente entende do riscado.

Eis que agora estou novamente saindo do Citibank Hall, encontrando maneiras de entender como voltar ao mundo real depois de um passeio pela magia do rock, coisa que só um senhor experiente como Alice Cooper pode proporcionar. Só mesmo um show desse para me fazer voltar a escrever sobre rock and roll, thanks Al!

Set List:
Vincent Price "Intro"
1 - The Black Widow
2 - Brutal Planet
3 - I'm Eighteen
4 - Under My Wheels
5 - Billion Dollar Babies
6 - No More Mr. Nice Guy
7 - Hey Stoopid
8 - Is It My Body
9 - Halo of Flies
10 - I'll Bite Your Face Off
11 - Muscle of Love
12 - Only Women Bleed
13 - Cold Ethyl
14 - Feed My Frankenstein
15 - Clones (We're All)
16 - Poison
17 - Wicked Young Man
18 - Killer/I Love the Dead
19 - School's Out

Bis
20 - Elected
21 - Fire

x>


Outras resenhas de Alice Cooper (Citibank Hall, Rio de Janeiro, 03/06/2011)

Alice Cooper: Público pequeno mas feliz no Rio de Janeiro



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Alice Cooper"


Alice Cooper: cantor divulga cover de Bob Seger como single de EP; ouça

Hair metal: os 50 melhores álbuns de todos os tempos, segundo a Rolling StoneHair metal
Os 50 melhores álbuns de todos os tempos, segundo a Rolling Stone

Alice Cooper: assista show completo realizado em New JerseyOs anos do Heavy Metal: A decadência e a renovação do estilo

Alice Cooper: Breadcrumbs sai em setembro, veja capa e tracklistAlice Cooper
"Breadcrumbs" sai em setembro, veja capa e tracklist

Alice Cooper: fazendo aparição surpresa em igreja dos EUAAlice Cooper
Fazendo aparição surpresa em igreja dos EUA

Alice Cooper: o único rockstar que nunca traiu a esposaAlice Cooper
"o único rockstar que nunca traiu a esposa"

Fascínio pelo terror: Cinco bandas que dão medoFascínio pelo terror
Cinco bandas que dão medo

Alice Cooper: Nita Strauss parece uma modelo e toca como Eddie Van HalenAlice Cooper
"Nita Strauss parece uma modelo e toca como Eddie Van Halen"


Slash: Alucinações, sexo, dinheiro e armas de fogo no auge do vícioSlash
Alucinações, sexo, dinheiro e armas de fogo no auge do vício

Megadeth: Magia negra arruinou minha vida, diz MustaineMegadeth
"Magia negra arruinou minha vida", diz Mustaine

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1981Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1981

Judas Priest: 10 fatos que comprovam que eles são Heavy MetalShow de Rock: as diferenças entre os anos 80 e 2010Queen: Paul Rodgers relembra de sua "insana" experiência com a bandaPearl: neta de Ozzy caracterizada como Princesa das Trevas

Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.