Helloween & Stratovarius: show duplo de power metal

Resenha - Helloween & Stratovarius (Credicard Hall, SP, 06/05/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Pedro Zambarda de Araújo
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Quando as pessoas viram a banda Stratovarius junto com o Helloween no papel do ingresso do show em São Paulo, algumas pensaram que o grupo finlandês fosse fazer apenas uma abertura. A apresentação mostrou que as duas bandas tiveram tempos iguais no palco, quase 2h cada. E o resultado não poderia ser melhor para a noite de 6 de maio, com músicos que criaram o som dos anos 1980.

1034 acessosUli Kusch: apresentando novo projeto do qual faz parte5000 acessosTimo Tolkki: surtando no Facebook com a filha contra brasileiros?

Com atraso de pouco menos de 15 minutos, o Stratovarius entrou no palco mostrando rapidez e a potência de seu novo trabalho Elysium, mas o povo vibrou mais com as clássicas. Timo Kotipelto, embora não mantenha todos os agudos das gravações originais, cumprimentou o público e o guiou para manter o clima de empolgação. O baixista Lauri Porra também brincou com os espectadores, tocando bossa nova no baixo e correndo em quase todos os momentos.

O novo guitarrista, Matias Kupiainen, não tem o talento de Timo Tolkki nas novas músicas, mas tocou com fidelidade as composições antigas e cumpriu seu papel discretamente no palco. Fez algumas improvisações novas nos clássicos, mas sem alterar a essência do que era mostrado ao público. Uma das músicas de maior sucesso ao vivo foi Kiss of Judas, cantada em uníssono no Credicard Hall.

As músicas do CD Visions marcaram o show. No final, Kotipelto disse: "Ajuda dizer que essa música começa com os teclados de Jens Johansson? Não é branca e nem cinza essa canção, mas negra!". Com essa chamada inspirada, Black Diamond roubou o fechamento do show, fazendo todos pularem e vibrarem com a energia e a velocidade do Strato, guiada por teclados que simulavam o som de cravo. A trupe liderada por Timo Kotipelto aqueceu e agradou os fãs de metal finlandês, abrindo caminho para uma banda histórica que é o Helloween.

Os criadores alemães do power metal foram ao palco cerca de 23h. O novo guitarrista Sascha Gerstner entrou no palco com uma roupa que lembrava um traje militar e uma guitarra Dean com um tibre bem distorcido, que chegava a se sobrepor aos demais instrumentos. Are You Metal, embora fosse uma composição nova, foi absorvida rapidamente pelo público por sua letra pegajosa e por seu peso. O público foi ao êxtase ao ver a performance do vocalista Andi Deris, que estava animado mesmo quase calvo e com 46 anos.

Eagle Fly Free e I Want Out foram músicas que todos esperavam, mas executadas com maestria, principalmente pela cozinha do baixo de Markus Grosskopf e Michael Weikath - tocando sua guitarra Les Paul com o jeito afetado e carismático de sempre.

Dani Loeble mostrou seus pés de chumbo em forma nos pedais duplos e uma performance de dar inveja aos bateras da atualidade. Deris brincou com ele no palco: "Pessoal, gritem alto, porque ele é um cara que não nos ouve. Ele está com o que, como vocês chamam? «Protetores» Auriculares? Além disso, ele já misturou meu scotch de 20 anos com coca-cola".

Mesmo com tantos destaques, o Helloween conquistou o público com um medley que conectou músicas diferentes, incluindo Halloween e King for a 1000 of Years, para contar a história de Keeper of The Seven Keys. Future World foi usada para apresentar os integrantes, sempre mexendo com o público e fazendo todos cantarem. Por fim, Dr. Stein trouxe fãs para o palco, vestidos de cientistas. Sascha Gerstner chegou a entregar sua guitarra para uma fã e ajoelhar para a moça. A mulher foi carregada pelo músico no final da apresentação, em seu ombro. O clima, no final de tudo, era de cansaço, de empolgação e de muita festa.

Era a festa do metal. Com duas bandas históricas dos anos 80.

Pedro Zambarda foi convidado ao show pela assessoria da Ericsson. A análise do espetáculo não sofreu qualquer influência da empresa.

http://www.boladafoca.com/2011/05/mestres-alemaes-e-finlande...

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Helloween & Stratovarius (Credicard Hall, SP, 06/05/2011)

1537 acessosHelloween & Stratovarius: show épico em São Paulo

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 08 de maio de 2011

HelloweenHelloween
Para Roland Grapow, foi difícil substituir Kai Hansen

1034 acessosUli Kusch: apresentando novo projeto do qual faz parte536 acessosChris Jericho: nome artístico foi inspirado no Helloween1441 acessosMasterplan: Grapow se queixa do Helloween não tocar suas músicas1224 acessosHelloween: tocar com eles "foi um sonho de infância", diz Grapow1383 acessosHelloween: o dia em que Deris foi confundido com Henning Basse0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Helloween"

Metal AlemãoMetal Alemão
About.com elege as melhores bandas

Mascotes do MetalMascotes do Metal
Os dez maiores segundo The Gauntlet

Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1988

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Helloween"0 acessosTodas as matérias sobre "Stratovarius"

Timo TolkkiTimo Tolkki
Surtando no Facebook com a filha contra brasileiros?

Vanusa e Black SabbathVanusa e Black Sabbath
A notável coincidência nos riffs

VocalistasVocalistas
As vozes mais agudas do Metal segundo o Noisecreep

5000 acessosCornos do Rock: a dor e o peso do chifre em três belas canções5000 acessosAlice In Chains: seria essa a última foto de Staley com vida?5000 acessosRockstars: 18 roqueiros que já apareceram em filmes5000 acessosMetallica: Hetfield renega e Lars explica visual da fase "Load"4663 acessosB.B.King: algumas colaborações roqueiras do lendário bluesman5000 acessos2015: 35 discos que não podem passar em branco

Sobre Pedro Zambarda de Araújo

Nascido em 1989. Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo, Pedro foi apresentado ao heavy metal através da banda Blind Guardian, em meados de 2004. Ouve e aprecia outros estilos do rock, como o punk, o indie e vertentes mais variadas. Gosta de assistir e cobrir shows.Toca muito mal guitarra, mas aprecia vários tipos de instrumentos musicais.

Mais matérias de Pedro Zambarda de Araújo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online