Steve Augeri: Recepção calorosa em show de São Paulo

Resenha - Steve Augeri (Blackmore Rock Bar, São Paulo, 12/02/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ana Clara Salles Xavier
Enviar Correções  

O Blackmore ficou literalmente pequeno para o show de STEVE AUGERI (ex vocalista do JOURNEY) no último sábado 12/02/2010. Com os ingressos esgotados e a temperatura da cidade de São Paulo nas alturas, ficou meio óbvio que a recepção do público para com STEVE e sua banda fosse calorosa.

Journey: Steve Perry não permite "Don't Stop Believin'" em eventos políticos

Bayley, Wilson e Cherone: grandes erros na história de grandes bandas

Foi difícil encontrar um lugar para ficar dentro da casa, mas quem conseguiu se sentar nas mesas ou ficar bem na frente do palco não arredou o pé enquanto o show não se iniciasse, o que aconteceu só depois da uma da manhã (parênteses aqui para registrar muita gente impaciente com a demora em começar a apresentação).

Depois de uma breve introdução, pouco a pouco a banda foi descendo as escadas do camarim que dava para o palco. STEVE, lógico, foi o último a descer e foi ovacionado com muitos gritos, muitas palmas, muitos assobios. Logo de cara, SEPARATE WAYS e ASK THE LONELY. O show já começou com os dois pés no peito do público, que cantava todas as letras. AUGERI é muito simpático e o tempo todo acenou para a galera. Creio eu que ele também estava sentindo o mesmo calor que nós, pois em determinado momento do show ele foi até um dos ventiladores laterais do Blackmore e virou-o para quem estava embaixo. A gente agradece!

JOURNEY é uma banda com muitas baladinhas românticas e a primeira do set foi LIGHTS seguida de KISS ME SOFTLY. Mesmo nas músicas mais calmas, a galera não desanimava. A voz de STEVE AUGERI continua boa, mas em vários momentos ele afastava o microfone de sua boca e deu para notar também que sua voz falhava de vez em quando. Mas antes que me critiquem por ter escrito isso, quero deixar claro: nada disso tirou o brilho do show.

Depois de STONE IN LOVE, foi hora do baterista fazer um breve solo para emendar RIVERSIDE, outra balada do set. Em seguida, ADAM fez um pequeno solo de guitarra e emendou com WHEEL IN THE SKY, outro clássicaço da ex banda de AUGERI, que também foi cantado por todo mundo como se o show estivesse acontecendo em um grande estádio.

A temperatura dentro do Blackmore parecia aumentar a cada música executada e por isso vi muitas pessoas saindo da casa e ficando do lado de fora fumando um cigarro ou conversando. Do lado de fora também deu para ouvir ALL THE WAY e FAITHFULLY. Mas foi quando a banda começou a tocar DON'T STOP BELIEVING que quem estava do lado de fora entrou correndo para cantar o refrão pegajoso, clichê e delicioso da música.

Durante LOVIN' TOUCH SQUEEZIN, AUGERI apresentou sua banda e agradeceu a presença do público. ANYWAY YOU WANT IT foi a última música e fez todo mundo cantar a plenos pulmões. Uma vez mais agradecendo o público, STEVE encerrou seu show. Não teve bis e nem a clássica REMEMBER ME. Será que isso desapontou alguns fãs?

De qualquer maneira, essa apresentação foi como um aperitivo antes do prato principal. E qual seria ela? O show do JOURNEY em março desse ano!




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Journey: Steve Perry não permite Don't Stop Believin' em eventos políticosJourney
Steve Perry não permite "Don't Stop Believin'" em eventos políticos

Journey: Banda trabalhando no próximo disco e live com a nova formaçãoJourney
Banda trabalhando no próximo disco e live com a nova formação


Mundo AOR: dicas de álbuns do gênero para se ouvirMundo AOR
Dicas de álbuns do gênero para se ouvir

Jeff Scott Soto: chateado pelo Journey não reconhecer seu tempo na bandaJeff Scott Soto
Chateado pelo Journey não reconhecer seu tempo na banda


Bayley, Wilson e Cherone: grandes erros na história de grandes bandasBayley, Wilson e Cherone
Grandes erros na história de grandes bandas

Curiosidade: capas de álbuns com ilusões de óticaCuriosidade
Capas de álbuns com ilusões de ótica


Sobre Ana Clara Salles Xavier

Ana Clara Salles, 24 anos, paulistana. Fã do Guns n' Roses, Black Label Society, Judas Priest, Led Zeppelin e Beatles, no seu acervo musical tem espaço também para bandas dos anos 80 como Sisters of Mercy e Depeche Mode. Afinal, como já disse uma vez Friedrich Nietzsche: "sem música, a vida seria um erro".

Mais matérias de Ana Clara Salles Xavier no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin