Steve Augeri: Recepção calorosa em show de São Paulo

Resenha - Steve Augeri (Blackmore Rock Bar, São Paulo, 12/02/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ana Clara Salles Xavier
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O Blackmore ficou literalmente pequeno para o show de STEVE AUGERI (ex vocalista do JOURNEY) no último sábado 12/02/2010. Com os ingressos esgotados e a temperatura da cidade de São Paulo nas alturas, ficou meio óbvio que a recepção do público para com STEVE e sua banda fosse calorosa.

4975 acessosBlend Guitar: os dez álbuns de Rock mais vendidos nos EUA5000 acessosMais Alto!: A diferença entre headbangers e humanos comuns

Foi difícil encontrar um lugar para ficar dentro da casa, mas quem conseguiu se sentar nas mesas ou ficar bem na frente do palco não arredou o pé enquanto o show não se iniciasse, o que aconteceu só depois da uma da manhã (parênteses aqui para registrar muita gente impaciente com a demora em começar a apresentação).

Depois de uma breve introdução, pouco a pouco a banda foi descendo as escadas do camarim que dava para o palco. STEVE, lógico, foi o último a descer e foi ovacionado com muitos gritos, muitas palmas, muitos assobios. Logo de cara, SEPARATE WAYS e ASK THE LONELY. O show já começou com os dois pés no peito do público, que cantava todas as letras. AUGERI é muito simpático e o tempo todo acenou para a galera. Creio eu que ele também estava sentindo o mesmo calor que nós, pois em determinado momento do show ele foi até um dos ventiladores laterais do Blackmore e virou-o para quem estava embaixo. A gente agradece!

JOURNEY é uma banda com muitas baladinhas românticas e a primeira do set foi LIGHTS seguida de KISS ME SOFTLY. Mesmo nas músicas mais calmas, a galera não desanimava. A voz de STEVE AUGERI continua boa, mas em vários momentos ele afastava o microfone de sua boca e deu para notar também que sua voz falhava de vez em quando. Mas antes que me critiquem por ter escrito isso, quero deixar claro: nada disso tirou o brilho do show.

Depois de STONE IN LOVE, foi hora do baterista fazer um breve solo para emendar RIVERSIDE, outra balada do set. Em seguida, ADAM fez um pequeno solo de guitarra e emendou com WHEEL IN THE SKY, outro clássicaço da ex banda de AUGERI, que também foi cantado por todo mundo como se o show estivesse acontecendo em um grande estádio.

A temperatura dentro do Blackmore parecia aumentar a cada música executada e por isso vi muitas pessoas saindo da casa e ficando do lado de fora fumando um cigarro ou conversando. Do lado de fora também deu para ouvir ALL THE WAY e FAITHFULLY. Mas foi quando a banda começou a tocar DON'T STOP BELIEVING que quem estava do lado de fora entrou correndo para cantar o refrão pegajoso, clichê e delicioso da música.

Durante LOVIN' TOUCH SQUEEZIN, AUGERI apresentou sua banda e agradeceu a presença do público. ANYWAY YOU WANT IT foi a última música e fez todo mundo cantar a plenos pulmões. Uma vez mais agradecendo o público, STEVE encerrou seu show. Não teve bis e nem a clássica REMEMBER ME. Será que isso desapontou alguns fãs?

De qualquer maneira, essa apresentação foi como um aperitivo antes do prato principal. E qual seria ela? O show do JOURNEY em março desse ano!

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 17 de fevereiro de 2011


Blend GuitarBlend Guitar
Os dez álbuns de Rock mais vendidos nos EUA

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Journey"

PPCornPPCorn
As 5 maiores vozes do Rock - Freddie Mercury não é o 1º

Steve PerrySteve Perry
Cinco fatos curiosos sobre o ex-vocal do Journey

AORAOR
Dez álbuns essenciais dos anos noventa

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Journey"


Mais Alto!Mais Alto!
A diferença entre headbangers e humanos comuns

Duff McKaganDuff McKagan
Arrependido por ceder nome para cerveja

Classic RockClassic Rock
Os 50 maiores álbuns de rock progressivo

5000 acessosKurt Cobain e Layne Staley: a coincidência de suas mortes5000 acessosDio: as músicas de Heavy Metal/Rock favoritas do vocalista5000 acessosHeavy Metal: os vinte melhores álbuns da década de 805000 acessosTony Iommi: guitarrista relata como descobriu seu câncer5000 acessosMetallica: Lars embebedou Robert Trujillo na audição para a banda5000 acessosSlipknot: Corey Taylor fala da sua luta contra a depressão

Sobre Ana Clara Salles Xavier

Ana Clara Salles, 24 anos, paulistana. Fã do Guns n' Roses, Black Label Society, Judas Priest, Led Zeppelin e Beatles, no seu acervo musical tem espaço também para bandas dos anos 80 como Sisters of Mercy e Depeche Mode. Afinal, como já disse uma vez Friedrich Nietzsche: "sem música, a vida seria um erro".

Mais matérias de Ana Clara Salles Xavier no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online