All Time Low: Resenha de apresentação no Rio de Janeiro

Resenha - All Time Low (Vivo Rio, Rio de Janeiro, 19/01/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Gabriel von Borell
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.




Em sua primeira vinda ao Brasil, o quarteto norte-americano de pop punk All Time Low abriu sua mini-turnê pelo país nesta última quarta-feira (19) no Vivo Rio (RJ), com uma apresentação animada que empolgou os fãs cariocas.

Fotos: Leticia Chrispim (@chrispimleticia)

Como o público era composto em sua grande maioria por adolescentes, a noite começou cedo. Por volta de 19h30, a banda de abertura, o Motion City Soundtrack, subiu ao palco e deixou a platéia bem aquecida para a atração principal. Com 13 anos de estrada, o grupo, também norte-americano, se apresentou por aproximadamente 40 minutos e tocou suas músicas mais conhecidas como “Everything is Alright”, "Broken Heart", "This Is for Real" e "It Had to Be You".

Meia hora depois foi a vez de Alex Gaskarth (vocal e guitarra), Jack Barakat (guitarra), Zack Merrick (baixo) e Rian Dawson (bateria) surgirem no palco do Vivo Rio, para delírio das adolescentes presentes no local, que gritavam sem parar, comprovando a saúde de seus pulmões. O ATL iniciou seu primeiro show no Brasil com os sucessos “Lost in Stereo”, “Stella” e “Break Your Little Heart”. E o jovem público cantou junto cada estrofe das letras. Pouco depois, os integrantes fizeram a primeira brincadeira da noite tocando um trechinho de “I Gotta Feeling”, do Black Eyed Peas, antes de executar a faixa “Keep the Change, You Filthy Animal”.

Simpáticos e brincalhões, Gaskarth e Cia interagiam com o público, exibindo seus microfones com vários sutiãs pendurados e fazendo piadas entre uma música e outra. Em uma das brincadeiras sobrou até para o ídolo teen Justin Bieber. No Rio de Janeiro, o All Time Low seguiu a cartilha da maioria dos artistas internacionais que desembarcam no país: exaltou os fãs brasileiros, exibiu diversas bandeiras nacionais (o vocalista até transformou uma delas em capa de super-herói) e dizia a todo o momento o quanto era incrível estar ali, além de enaltecer as mulheres brasileiras, claro. A banda só não arriscou algumas palavras em português. Em determinado momento do show, Gaskarth chegou a pegar uma câmera fotográfica e registrou uma imagem do público, mostrando que não eram só os fãs que estavam empolgados naquela noite. Mas os integrantes também provaram ser sérios quando pediram aos fãs, antes da apresentação carioca, para que levassem doações ao local do show para serem destinadas às vítimas das chuvas que devastaram a Região Serrana do Rio.

Antes de deixar o palco, o All Time Low executou “A Party Song (The Walk of Shame)” e “Damned IF I Do Ya (Damned If I Don’t). Em seguida apenas Gaskarth retornou para cantar a balada “Remembering Sunday” em versão acústica, acompanhado em alto e bom som pelas meninas da platéia. E o bis foi completado pelos mais famosos hits do ATL, ‘Weightless” e “Dear Maria, Count Me In”.

A primeira apresentação da banda no Brasil foi curta, pouco mais de uma hora de duração, porém, suficiente para agradar o jovem público que esteve no Vivo Rio.

Set List:

1- Lost in Stereo
2- Stella
3- Break Your Little Heart
4- Coffee Shop Soundtrack
5- I Gotta Feeling
(Black Eyed Peas cover, Partial)
6- Keep The Change, You Filthy Animal
7- Shameless
8- Jasey Rae
9- Poppin' Champagne
10- Six Feet Under The Stars
11- A Party Song (The Walk Of Shame)
12- Damned If I Do Ya (Damned If I Don't)

Bis:
13- Remembering Sunday
14- Weightless
15- Dear Maria, Count Me In

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "All Time Low"

MotorheadMotorhead
Escolhido o nome de banda mais legal pela Spin

HumorHumor
O dia em que Steve Vai foi humilhado por Chimbinha

Metal Up Your AssMetal Up Your Ass
Os primórdios do Metallica até o álbum "Kill Em All"

5000 acessosGaleria - Algumas das beldades do Rock e Metal nacional5000 acessosAngra: Kiko Loureiro relembrando o tempo de Dominó5000 acessosTony Iommi: opiniões sobre Dio, Rhoads e Halford4648 acessosSlayer: Confira Angel of Death tocada no banjo5000 acessosTed Nugent: Uma polêmica opinião sobre Pantera e Dimebag Darrell5000 acessosTalento: pra quem tem, a idade é apenas um detalhe

Sobre Gabriel von Borell

Gabriel von Borell, nascido em 30/03/85, jornalista. Não vive sem música e também não se apega a rótulos musicais. Acredita que todo preconceito é burro, inclusive o musical. Escuta de tudo um pouco, considerando que um jornalista deve estar aberto pra conhecer e comentar sobre qualquer músico ou banda. Pode ser encontrado no Twitter em @gabrielborell.

Mais matérias de Gabriel von Borell no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online