Twisted Sister em SP: sim, nós (ainda) queremos rock!

Resenha - Twisted Sister (Via Funchal, São Paulo, 27/11/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Lucas Mosca
Enviar correções  |  Ver Acessos

Twisted Sister retorna ao Brasil e repete ao público a famosa pergunta para qual sempre haverá resposta positiva: "Do you wanna rock?!

Indústria: 17 coisas que bandas novas simplesmente não entendemMegadeth: Mustaine fala sobre bandas satânicas

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Napalm Death, Ratos de Porão, Angra, Ramones, Iron Maiden. Camisetas dessas bandas vestiam alguns dos fãs que compareceram à Via Funchal no último sábado (27), para o show da lenda do hard rock americano Twisted Sister. Só mesmo um grupo de tamanha magnitude e importância - que marcou gerações - para congregar tantas comunidades da música pesada (do punk ao death metal) em um único espaço. Ainda mais quando se trata de um estilo marcado por preconceitos, como o hard...

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Há 23 anos, desde "Love Is for Suckers", o grupo não lança um disco de inéditas. Mas ninguém parece ligar para isso. Quem vai ao show de Dee Snider e companhia já sabe o que vai encontrar pela frente: um vocalista alucinado, performático e que agita sem parar em cada música. Munido de seu tradicional pedestal cor-de-rosa e, claro, de sua indefectível cabeleira loira (num mix de Biro Biro com Elba Ramalho), Snider sabe como poucos levar o público ao delírio - mesmo que o poder da voz não continue o mesmo... Afinal, são mais de 30 anos de estrada! Não se pode deixar de mencionar, também, o trabalho preciso, coeso, dos outros membros do conjunto: Eddie Ojeda (guitarra solo), Jay Jay French (guitarra base), Mark Mendoza (baixo) e A. J. Pero (bateria). Meu destaque - após muita reflexão, já que se trata da formação original da banda - vai para Mendoza, que esmirilhou sem piedade e com muita pegada as cordas de seu instrumento.

Fazia um ano que o Twisted Sister tinha tocado em São Paulo. Naquela vez, na turnê de 25 anos do disco Stay Hungry, o público foi pouco mais de um terço maior (cerca de 6000 pessoas lotaram a casa). Mas o entusiasmo... bem, isto não mudou nada. Pelo contrário: desde o começo do espetáculo - com pontualidade britânica, diga-se de passagem -, às 22h, os fãs desgovernaram na pista ao som dos clássicos (a banda brasileira Salário Mínimo fez o show de abertura), durante uma hora e meia. Todos os grandes hits compuseram o repertório, sendo os primeiros: "What You Don't Know", "The Kids are Back", "Stay Hungry", "Captain Howdy", "Shoot 'em Down", "You Can't Stop Rock 'n' Roll", "The Fire Still Burns" e "We're Not Gonna Take It".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Logo após, veio um dos momentos de maior emoção do show: a homenagem do conjunto ao melhor (segundo a maioria dos fãs e críticos musicais) vocalista de rock de todos os tempos, que morreu no último mês de maio. "Este ano o mundo perdeu um deus do Heavy Metal. Ele era nosso amigo, era nosso herói: Ronnie James Dio", lamentou Snider. A música escolhida não poderia ter sido mais adequada: "Long Live Rock'n Roll" - a oração da noite.

O quinquagenário frontman, durante sua constante interação com o público ao longo da noite, falou que a banda poderia se mudar para a capital paulista, pois "dessa forma poderia sempre tocar por aqui". Mas a declaração que mais incendiou os presentes foi: "Eu não falo português e muitos aqui não falam inglês, mas todos falam a mesma língua: Heavy fucking Metal!".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Burn in Hell" deu sequência à apresentação, seguida de um solo de bateria no qual Aj Pero atiçou a galera com partes de "Rock'n Roll", do Led Zeppelin, "Painkiller", do Judas Priest, e "We're Not Gonna Take It". Tal "medley" foi a deixa para o tornado "I Wanna Rock", cuja plateia, extasiada, cantou em uníssono.

Depois de uma breve pausa, o quinteto voltou à cena com "Come Out and Play" e, fechando a apresentação, "S.M.F". Entre as canções, Dee Snider fez questão de apresentar cada integrante do grupo e ressaltar que todos ali eram os membros originais do Twisted Sister.

Foi a segunda apresentação da banda no Brasil, no mesmo mês - novembro - e também na Via Funchal. Será que em 2011 tem mais? Bom, fica a expectativa... Mas se depender dos fãs, a resposta é imutável: WE WANNA ROCK!

Setlist: What You Don't Know / The Kids are Back / Stay Hungry / Captain Howdy / Shoot 'em Down / You Can't Stop Rock 'n' Roll / The Fire Still Burns / We're Not Gonna / Take It / Long Live Rock 'n' Roll / I Am (I'm Me) / Under the Blade / The Price / Burn / In Hell / Drum Solo / I Wanna Rock // BIS: Come Out and Play / S.M.F.


Outras resenhas de Twisted Sister (Via Funchal, São Paulo, 27/11/2010)

Twisted Sister: todos falando a língua do Heavy Metal em SPTwisted Sister
Todos falando a língua do Heavy Metal em SP




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Twisted Sister"


Manowar: o dia em que a banda arregou pro Twisted SisterManowar
O dia em que a banda arregou pro Twisted Sister

Twisted Sister e Krokus: A treta entre as bandas nos anos 80Twisted Sister e Krokus
A treta entre as bandas nos anos 80


Indústria: 17 coisas que bandas novas simplesmente não entendemIndústria
17 coisas que bandas novas simplesmente não entendem

Megadeth: Mustaine fala sobre bandas satânicasMegadeth
Mustaine fala sobre bandas satânicas


Sobre Lucas Mosca

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClio336|adClio336