UFO: show sensato fez valer a espera de mais de 20 anos

Resenha - UFO (Carioca Club, São Paulo, 26/05/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Paulo Haroldo
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.










Quem diria que uma das melhores bandas de hard rock dos 70 fosse pousar no templo do samba paulista, o Carioca Club. E desfiando todos os clássicos! Com casa cheia, às 21:30 o insosso Vinnie Moore dá a partida com "Let It Roll", ícone da guitar-melody que serviu pra lembrar o showzaço de Michael Schenker nesta Capital, ano passado.

Desculpem-me os adeptos da super-velocidade, essa raça predadora do rock, mas melodia é fundamental, e Mr. Moore ainda não aprendeu a lidar com isso. Mesmo assim, com o som do lugar meio embolado, a platéia delira com a música, que abre alas para "Mother Mary", sob turbilhão de notas do guitarrista.

Enquanto o público cheio de quarentões grita “Ufo! Ufo”, Phil Mogg manda "When Daylights Goes to Town", de “The Visitor”, último álbum da banda, para em seguida surpreender com "Out in the Streets", baladaça com solo fiel de Moore, enfim. Aumentam o volume do microfone de Mogg mas, vamos combinar, o cara não é propriamente um frontman – sua voz média e pouco modulada cai bem no tipo de música do UFO, sem comprometer, e sem deixar de mostrar que não chega aos pés do que um Dio ou Coverdale já fizeram no palco.

Isso não é problema para ninguém, já que "This Kids" começa com os teclados de Paul Raymond e a gaita de Mogg. De novo, o público sai pulando, mas Vinnie Moore não percebeu que o solo deveria ser puro blues. O que já está bom melhora com a entrada de um dos maiores clássicos do UFO: "Only You Can Rock Me". Depois outra das novas, "Hell Driver", sem grandes emoções.

Daí em diante foi clássico atrás de clássico: "Love to Love", "I Ain’t No Baby", "Too Hot Too Handle" (esta com Vinnie tocando longo solo de costas, a la Hendrix) e "Lights Out", todas muito ovacionadas com o público, que só aguardou a pausa para a chegada do bis. Quando a banda voltou, Vinnie soltou um pouco de belo e surpreendente blues, que serviu como aperitivo para "Rock Bottom" e, finalmente, "Doctor, Doctor", a mais conhecida música do UFO, também tocada por Michael Schenker em sua apresentação aqui. Haveria tempo para mais músicas boas, como "On with the Action", mas parece que a duração do sonho ficou cronometrada em 90 minutos.

Valeu a espera de mais de 20 anos, em show sensato, que privilegiou os maravilhosos álbuns de 1975 a 1978. Pena a troca de membros da banda, pois justamente os mais novos foram os que deixaram a desejar. O baixista de ocasião Rob de Luca exibiu trejeitos e gracinhas pouco compatíveis com a sobriedade de Mogg e Andy Parker, o baterista original, discreto e eficiente, mas nada que não fizesse parte de um verdadeiro show de rock. Quem foi, não se arrependeu. Quem não foi...

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de UFO (Carioca Club, São Paulo, 26/05/2010)

741 acessosU.F.O.: grande show, de uma grande banda, em São Paulo4841 acessosUFO: emocionando muitos marmanjos no show em São Paulo

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
7 guitarristas que quase entraram para a banda dele

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Ufo"

Sexo é ProibidoSexo é Proibido
Capas censuradas por conteúdo erótico

Iron MaidenIron Maiden
8 covers comparados com os originais

Planet RockPlanet Rock
Os 40 melhores álbuns ao vivo de todos os tempos

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Ufo"

Maridos traídosMaridos traídos
Não adianta: todo mundo terá seu dia de dor-de-corno

Baixos e GuitarrasBaixos e Guitarras
Ajustes e Consertos nos instrumentos

Charles MansonCharles Manson
Casamento era plano para expor seu cadáver

5000 acessosClassic Rock: revista elege 100 melhores músicas de rock5000 acessosGuns e Sabbath: semelhança entre Zero the Hero e Paradise City5000 acessosTotal Guitar: os melhores e piores covers da história5000 acessosMelissa Reese: sua função no Guns N' Roses e reações dos fãs a ela5000 acessosCorey Taylor: Verdades sobre Joey Jordison e Jim Root3724 acessosMeias e consolos: produtos estranhos com marcas de bandas

Sobre Paulo Haroldo

Ex-comerciante, divorciado (liberdade ainda que tardia). PreferUncias musicais: Hard Rock (principalmente anos 70), Blues, Heavy Metal sem podreira, Progressivo(nOo confundir com ProgMetal), e todo bom rock/pop feito sem samplers,computadores e outros artifYcios eletrnicos que s_ servem para mascararfalsos músicos. Exterminador de hip-hoppers...

Mais matérias de Paulo Haroldo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online