Raimundos: reencontro com o público do Rio de Janeiro

Resenha - Raimundos (Vivo Rio, Rio de Janeiro, 27/03/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Flavio Bahiana
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Dia 27 de março de 2010 será um dia inesquecível para muitos fãs de rock do Rio de Janeiro e para os RAIMUNDOS. Há muitos anos que o público carioca não via a banda em uma apresentação tão empolgante e com casa cheia como esse. Talvez desde o primeiro show com o Digão nos vocais, no Canecão, na turnê do disco “Éramos Quatro”, em 2001.

1961 acessosMr. Catra: Projeto Rock de cantor pede ajuda5000 acessosKiko Loureiro: filha ajuda o guitarrista a aprender "Holy Wars"

Sim, caro leitor, isso mesmo que você leu, show dos RAIMUNDOS no Rio de Janeiro. Ao contrário do que muitos fãs de rock pensavam, eles não acabaram, andaram sumidos da grande mídia, mas sempre estiveram rodando o Brasil realizando shows em diversas cidades do país e nos circuitos alternativos e independentes, atraindo grandes públicos.

Mas é impossível negar que esse show no Rio de Janeiro não tenha transmitido certa sensação de retorno, até mesmo para os fãs que nunca deixaram de acompanhar o grupo nesses últimos anos. Afinal, desde o início deste ano eles estão divulgando diversos projetos, como a realização de alguns shows com um novo vocalista, Tico Santa Cruz, dos DETONAUTAS; o interesse na gravação de um novo DVD ao vivo e um provável disco de inéditas em 2011. Além disso, eles tem voltado a aparecer na televisão com mais freqüência, em programas como Rock Estrada da Multishow e Big Brother Brasil da Rede Globo; e voltaram a tocar em grandes casas de shows, como o Vivo Rio e HSBC Brasil, em São Paulo.

Tá certo que era um show de abertura para o grupo CHARLIE BROWN JR., mas uma banda com tantos hits e boas músicas, não pode ter sua apresentação encarada como uma simples abertura, ainda mais se tratando de um dos maiores nomes do rock nacional.

Antes mesmo de a casa abrir as portas, dava para perceber que os RAIMUNDOS iriam entrar no palco com o jogo ganho. Uma grande fila se formava em frente ao Vivo Rio, com muitos fãs usando antigas camisas do grupo, que já não são mais tão fáceis de encontrar em lojas de rock. Dava para sentir um grande clima de expectativa e ansiedade para o começo do show dos brasilienses. Além da curiosidade em ver e ouvir como soaria os RAIMUNDOS com Tico Santa Cruz nos vocais.

Já dentro da casa de shows, o público chamava há todos os instantes pela banda, gritando: “RAIMUNDOS, RAIMUNDOS...”. Quando as luzes finalmente se apagaram e as cortinas se abriram, muitos não acreditaram quando viram o baterista Fred em pé atrás da bateria, afinal ele não faz mais parte da banda. Uma possível participação dele havia sido anunciada, mas era difícil acreditar que faria todo o show.

Então, logo em seguida, entraram os guitarristas Digão e Marquinho e o baixista Canisso, que executaram os primeiros acordes de “Baile Funky”, música muito utilizada para abrir os shows dos RAIMUNDOS na turnê do disco “Lapadas do Povo”, de 1997. Foi a deixa para que o Vivo Rio quase viesse abaixo.

Digão começou cantando as primeiras estrofes para logo em seguida Tico entrar e conquistar o público logo de cara, demonstrando uma boa presença de palco e um estilo de cantar que se encaixou muito bem com o grupo, além de mostrar competência em uma das músicas dos RAIMUNDOS mais difíceis de cantar ao vivo.

Poucos são os grupos com um set list quase todo recheado de músicas de sucesso, que são executadas uma após a outra. Na seqüência vieram “Esporrei na Manivela”, “Herbocinética” e “Rapante”. Nesta última, parecia que o Fred não estava tocando a bateria, mas sim espancado-a, tamanha era a raiva que ele transmitia ao bater nos tambores.

O guitarrista Marquinho era o mais comedido quanto a interação com o público, mas exerce papel fundamental no RAIMUNDOS atual, pois é muito bom guitarrista. Canisso também não costuma ser muito interativo, mas de vez em quando faz algumas brincadeiras, como no momento da apresentação dos músicos ou quando o Fred errou o início de uma das músicas. Digão e Tico eram os que mais se comunicavam com a platéia, mas poucos foram os momentos de interação da banda com o público, que optou em executar as músicas em seqüência, com pouco falatório.

O ponto baixo do show é a insistência em tocar “Reggae do Manero”, cantada por Digão. A música tem uma batida legal e o guitarrista e vocalista executa um solo muito bom, mas ela é muito grande e da uma quebrada no show, por ser mais lenta do que a grande maioria das canções. No lugar desta, poderiam ter tocado músicas como “Andar na Pedra”, “Nariz de Doze” e “20 e poucos anos”, que estavam no set list, mas que acabaram não sendo executadas.

Mas todo esse momento mais lento foi compensado com a seqüência matadora que encerrou o show: “Tora Tora”, “Eu Quero Ver o Oco” e “Puteiro em João Pessoa”, talvez as três canções que mais caracterizam os RAIMUNDOS: letras sacanas e debochadas e músicas com uma pegada pesada e rápida. Um final matador para um show apoteótico que marcou o reencontro dos RAIMUNDOS com o público carioca. De lavar a alma.

Após o show ficam algumas questões. Será que o Tico Santa Cruz irá mesmo assumir os vocais dos RAIMUNDOS? Vale lembrar que ele não está participando de todos os shows desta atual turnê. Mas não dá para negar que com ele o grupo ganhou um bom vocalista com uma boa presença de palco, o que é fundamental para uma banda com um som rápido como os RAIMUNDOS. E a outra questão é a seguinte: será que se realmente o Tico for o novo vocalista dos RAIMUNDOS, eles conseguirão gravar um disco de inéditas? Afinal, o grupo perdeu o principal letrista em 2001 e as letras das músicas, principalmente no caso dos RAIMUNDOS, são cerca de 70% da identidade da banda.

Sei que são questões um pouco precipitadas, que o momento é de comemorar este “retorno” e esta nova fase dos RAIMUNDOS, mas são questões que devem passar pela cabeça de muitos fãs.

Set-list
1. BAILE FUNKY
2. ESPORREI NA MANIVELA
3. HERBOCINÉTICA
4. RAPANTE
5. OPA PERAÍ CACETA
6. POMPÉM
7. NEGA JUREMA
8. O PÃO DA MINHA PRIMA
9. SEREIA DA PEDREIRA
10. PINTANDO NO KOMBÃO
11. BE A BÁ
12. MULHER DE FASES
13. PALHAS DO COQUEIRO
14. MATO VÉIO
15. ME LAMBE
16. REGGAE DO MANERO
17. AQUELA
18. BONITA
19. I SAW YOU SAYING
20. A MAIS PEDIDA
21. TORA TORA
22. EU QUERO VER O OCO
23. PUTEIRO EM JOÃO PESSOA

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

RaimundosRaimundos
"Eu perdoei, mas eu não esqueci", diz Digão

1961 acessosMr. Catra: Projeto Rock de cantor pede ajuda244 acessosSPTV: A História do Rock no Brasil, dos 80 aos 20000 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Raimundos"

Letras Estúpidas 2Letras Estúpidas 2
O mais tosco e vulgar no Rock nacional

RaimundosRaimundos
O verdadeiro motivo para a saída de Rodolfo

VírgulaVírgula
O primeiro show da vida de alguns rockstars brasileiros

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Raimundos"

Kiko LoureiroKiko Loureiro
Filha ajuda o guitarrista a aprender "Holy Wars"

A História Impopular dos Rolling StonesA História Impopular dos Rolling Stones
Livro 2 - Mick Taylor

BurnnBurnn
Os maiores guitarristas Hard & Heavy da história

5000 acessosRock In Rio I: Pra quem tem menos de quarenta anos fica difícil imaginar5000 acessosMorre Diabo: ele aprendeu a tocar guitarra e virou um shredder5000 acessosGuns N' Roses: a famosa trilogia de clipes do grupo5000 acessosAnthrax: Scott Ian diz que acabaria com a Internet5000 acessosOzzy Osbourne: Madman dá a cura para a ressaca5000 acessosTony Iommi: opiniões sobre Dio, Rhoads e Halford

Sobre Flavio Bahiana

Flavio Bahiana é jornalista. Também é colaborador do site valepunk.com e é editor do blog: flaviobahiana.blogspot.com. Nasceu no ano de 1982, no Rio de Janeiro, onde mora até hoje. Começou a ouvir rock por causa dos Raimundos e cresceu ouvindo punk rock. Considera os Ramones como os melhores de todos os tempos. Hoje ouve quase todas as vertentes do rock, além de gostar de outros estilos também, como blues e reggae.

Mais matérias de Flavio Bahiana no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online