RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA opinião de Slash sobre Dave Mustaine e "Rust In Peace", clássico do Megadeth

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemOs 10 maiores vocalistas de heavy metal de todos os tempos, em lista do Ruthless Metal

imagemOs 4 fatores determinantes que levaram Renato Russo a dependência química

imagemPara John Lennon, os Beatles poderiam ter acontecido sem George e Ringo

imagemRolê aleatório: Geoff Tate e Rhapsody se divertem em aeroporto no aeroporto

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words

imagemEx-guitarrista do Megadeth não liga para Mustaine e diz que está "fazendo dinheiro para ele"

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagemMike Portnoy comprou "Piece Of Mind", do Maiden, em excursão escolar

imagemA medida extrema que Dio pensou em tomar por não curtir "Rainbow in the Dark"

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical


Stamp

Dream Theater: um show quase perfeito em Porto Alegre

Resenha - Dream Theater (Pepsi On Stage, Porto Alegre, 16/03/2010)

Por Sabrina Ruggeri.
Postado em 17 de março de 2010

Mesmo depois de poucas horas de sono, a energia do espetáculo presenciado parece continuar a mesma, a adrenalina ainda é recorrente. A abertura do Bigelf, banda convidada por Portnoy, foi sensacional: excêntricos na medida certa, ótimos vocais e uma boa comunicação com o público, embora desconhecidos. (Isso sem falar no bonequinho Yoda sobre os sintetizadores de Damon Fox, também vocalista).

E finalmente, o Dream Theater subiu ao palco para marcar a história de Porto Alegre. É com a já aguardada "A Nightmare to Remember", primeira faixa do álbum desta turnê, que a apresentação se inicia. O que pude ver dos dois metros de distância do palco em que me encontrava (aliás, palco pequeno), é que todos ao meu redor cantavam juntos e a energia foi muito grande e seguiu sempre num crescendo.

Destaco como pontos altos: o solo de Petrucci antes de "Hollow Years", e a música em seguida, claro, que me arrancou algumas lágrimas, "The Spirit Carries On", cantada forte pelo público principalmente nos belos versos do refrão "If I die tomorrow, I’d be allright because I believe..." e o encerramento do show com "The Count of Tuscany", onde não tive outra escolha a não ser abaixar a cabeça e deixar o resto das lágrimas rolarem.

Como ponto baixo, aponto "Voices", não muito bem executada por James LaBrie, mas que manteve o pique durante toda a apresentação. Myung teve alguns problemas com o baixo, Rudess deu seu show em alguns solos com teclados diferentes, mas não deixou de errar, mesmo assim, ele estava ótimo, com a expressão que eu esperava vê-lo: transpirando um quê hipnotizador de "Yes". Confesso que quanto ao Portnoy, não pude ver muita coisa, a não ser ter ouvido o que já esperava, qualidade. Petrucci me comoveu em seu solo e encerrou lindamente com "The Count of Tuscany", se emocionando de verdade. Gostaria de ter ouvido algo mais dos álbuns "Scenes from a Memory" e "Six Degrees of Inner Turbulence", mas fica para a próxima.

Como marca especial aos presentes na noite de ontem, a ousadia de Petrucci em, num intervalo entre duas músicas, tocar o conhecidíssimo princípio do riff de "Sweet Child o’Mine" dos "adversários" de data de show na cidade, Guns N’ Roses. A resposta do público? Vaias seguidas de gritos clamando: "Dream Theater, Dream Theater...". Foi deveras divertido.

Ainda sinto-me anestesiada, saída de um sonho. É claro que o show não foi perfeito, mas em se tratando das lendas que estes homens já são e da possibilidade de suas carreiras estarem se aproximando do fim, tudo muda. Para encerrar, pude ver o palco de uma visão um pouco mais alta enquanto eles cumpriam a cerimônia de despedida, faço um coração com as duas mãos e olho para Petrucci, ele bate no peito. Eu não quero mais nada por hoje.

Set-List:
A Nightmare to Remember
A Rite of passage
Hollow Years
Constant Motion
Pequeno Solo Rudess
Erotomania/ Voices
The Spirit Carries On
As I Am
Pull Me Under / Metropolis
Duelos
The Count of Tuscany.


Outras resenhas de Dream Theater (Pepsi On Stage, Porto Alegre, 16/03/2010)

Resenha - Dream Theater (Pepsi On Stage, Porto Alegre, 16/03/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps



Dream Theater: Jordan Rudess elege seus cinco álbuns preferidos

Dream Theater: os álbuns da banda, do pior para o melhor

Mike Portnoy: o cara trabalha pra kct, será que ganha bem?


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal