Matérias Mais Lidas

imagemKiko Loureiro explica por que acha uma merda seu solo de guitarra em "Rebirth"

imagemQuando Angus Young, do AC/DC, detonou o Led Zeppelin e os Rolling Stones

imagemAdrian Smith e a volta ao Maiden: "queriam o Bruce e já tinham dois guitarristas"

imagemLes Claypool, do Primus, explica por que não se tornou baixista do Metallica

imagemBill Hudson diz que tatuagem pode ter sido entrave para entrar no Megadeth

imagemPhil Campbell conta como era fácil "comprar" Lemmy pra fazer qualquer coisa

imagemOzzy achou que integrantes do Metallica estavam tirando uma com sua cara durante turnê

imagemMarcos Mion conta história de encontro (e manjada) com Bon Jovi no banheiro

imagemBeatles: Paul McCartney conta a história por trás de "Ob-La-Di, Ob-La-Da"

imagemQuando Pete Townshend faltou a um show do The Who pra ir assistir o Pink Floyd

imagemA surpreendente maneira que Nando Reis ficou sabendo da morte de Marcelo Fromer

imagemComo o Lollapalooza desmereceu Ozzy Osbourne e ele deu a volta por cima

imagemA curiosa opinião de Ozzy sobre cover do Metallica para "Sabbra Cadabra"

imagemRage Against The Machine vem ao Brasil em dezembro, diz José Noberto Flesch

imagemStratocaster: A espada dos deuses


PRB

Doogie White: O cara certo, nos lugares errados

Resenha - Doogie White (Teatro Odisséia, Rio de Janeiro, 07/03/2010)

Por Vitor Bemvindo
Fonte: Mofodeu
Em 10/03/10

(Co-autoria de Luiz Felipe Freitas)

O talento de Doogie White como vocalista é inegável. Mas parece que o sujeito tem uma incrível ligação com a Lei de Murphy. Ele parece ser sempre o cara certo no lugar errado. White ficou mais conhecido em 1994 quando foi convidado por Ritchie Blackmore (que havia deixado o DEEP PURPLE pouco tempo antes) para integrar uma nova encarnação do RAINBOW. Ele até conseguiu se destacar, mas o álbum "Stranger in Us All" (1996) foi um verdadeiro fracasso de público e principalmente de crítica. Um pouco antes, Doogie White havido sido chamado para fazer uma audição com o IRON MAIDEN, o resultado foi também desastroso. A banda, ícone do Heavy Metal britânico, preferiu ficar com o questionável Blaze Bayley. Com isso, o evidente talento de Doogie White ficou restrito aos que conheceram (e na maioria das vezes gostaram) do seu trabalho com o CORNERSTONE.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Na noite do último domingo, no Rio de Janeiro, Doogie White parecia mais uma vez estar no lugar errado. Pouco mais de cem pessoas (ou testemunhas) estiveram presente no Teatro Odisséia para o show do vocalista na Cidade Maravilhosa. Que a cena rock/metal no Rio de Janeiro está decadente há algum tempo, não é novidade para ninguém, mas mesmo sabendo que não teríamos um bom público nesse show, podemos dizer que ficou abaixo do esperado.

Apesar disso, Doogie White pareceu não se importar com o pequeno público, interagindo bastante com a platéia, com muito carisma e simpatia, reforçado pelo fato de ele estar comemorando seus 50 anos junto de poucos, mas fiéis admiradores do seu trabalho.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Contando com uma competente banda de apoio formada pelos brasileiros Bruno Sá (teclado e backing vocal), Leonard Pagani (bateria) e Daemon Ross (guitarra) e o gringo Andy Robins no baixo, Doogie iniciou sua apresentação por volta das 22:15, com "Sportlight Kid", da época de Joe Lynn Turner no Rainbow. Daí tivemos a certeza de que ouviríamos clássicos de toda a carreira do Rainbow, principalmente da era Ronnie James Dio. E foi o que aconteceu nas próximas duas músicas: "Too Late For tears" e "Long Live Rock 'n' Roll". Impressionante como a primeira soa muito melhor ao vivo, do que no álbum Stranger in us all.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Do Cornerstone rolou a pesadíssima "When the Hammer Falls" e "Wounded Land", do aclamado álbum Human Stain. Na sequência, "Razor Eater", a única representante de seu trabalho com Yngwie Malmsteen e "Come Taste the Band", uma prévia do seu vindouro trabalho solo.

Voltando aos seus tempos de Rainbow, "Wolf to the Moon" e "Ariel" serviram para animar um pouco mais o público, antes da seqüência "Rulers of the World" e "Manic Messiah", do EMPIRE.

Antes de encerrar o set regular, mais duas de sua época no Rainbow: "Black Masquerade" e "Hall of the Moutain king". No bis, "Gates of Babylon" que já havia sido pedida pela platéia, e que serviu como uma homenagem a Ronnie James Dio, como Doogie contou após o show em exclusividade para o Mofodeu. De posse do setlist, vimos que ele encurtou o show, limando a última música, que seria "Singing Alone" (do Cornerstone). O motivo você confere em breve na mini-entrevista que realizamos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Enfim, um show que atendeu as expectativas do público presente, com boas músicas, uma bela atuação de Doogie White com seus 50 anos e uma banda de apoio bem ensaiada.

Conhecendo sua carreira e agora o assistindo ao vivo, ficamos com a impressão de que talvez Doogie White merecesse uma carreira mais bem sucedida, com maior reconhecimento do grande público, mas de qualquer forma, Doogie White tem um currículo que impressiona, pela qualidade de sua voz, suas músicas e a quantidade de músicos talentosos que o acompanharam ao longo da carreira.

Confira algumas fotos do show.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ouça todas as participações do Rainbow no MOFODEU:
http://www.mofodeu.com/?tag=rainbow

Em breve, no MOFOBlog (www.mofodeu.com/blog) e aqui no Whiplash!, a mini-entrevista exclusiva de Doogie White para o MOFODEU.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp



Sobre Vitor Bemvindo

Historiador de formação, tem verdadeira adoração pelo Rock and Roll desde sua infância. Seu instinto de pesquisador fez com que "se especializasse" em bandas velhas, especificamente as das décadas de 1960 e 1970. Produz e apresenta o MOFODEU (www.mofodeu.com), o Programa que tira o MOFO do ROCK, juntamente com seu parceiro Luiz Felipe Freitas (a Enciclopédia do Rock). O Programa está no ar desde 2007, tocando só bandas sessentista e setentistas sempre com muita informação e bom humor.

Mais matérias de Vitor Bemvindo.