Resenha - Evanescence (Parque Antártica, São Paulo, 21/04/2007)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Por Carol Oliveira
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O Evanescence despontou como revelação em 2004 fazendo aquilo que bandas como Nightwish e After Forever já faziam por muito tempo. Se por um lado a novidade já não é tão nova assim por outro fez com que o estilo caísse nas graças da mídia e do grande público. O resultado disso: dois álbuns bem sucedidos, alguns prêmios, incluindo 2 Grammys, e uma turnê internacional. No último sábado, dia 21/04, foi a vez de São Paulo conferir tudo isso de perto.

4663 acessosYouTube: As 10 bandas mais acessadas da plataforma.5000 acessosSempre a mesma coisa: 12 bandas que nunca mudam

A abertura ficou por conta das bandas Luxúria e Silicon Fly (Uruguai). A primeira levantou a galera com “Ódio” e “Cinderella Compulsiva”. Rock nacional de qualidade e com uma vocalista que bota muita dessas roqueiras “geração Pitty” no chinelo. Pra quem não conhece a banda vale muito á pena conferir! Já a segunda caiu nas graças do Evanescence após ganhar o último Grammy latino mas parece que não surtiu o mesmo efeito com o público brasileiro.

A chuva bem que tentou atrapalhar, começou no início da tarde e insistiu em cair até o final da primeira música “Sweety Sacrifice”, e depois de destruir a chapinha e maquiagem das fãs adolescentes resolveu dar uma trégua. O show seguiu com “Weight of the World”, “Going Under”, “The only one” e “Lithium”

A vocalista e pianista Amy Lee brilha absoluta no palco fazendo de John LeCompt (Guitarra), Tim McCord (Baixo), Terry Balsamo (Guitarra) e Rocky Gray (Bateria) meros coadjuvantes. O som, que estava muito baixo, levantou suspeitas a cerca da voz da cantora, mas a dúvida foi se diluindo ao longo do show. A garota provou ter uma voz potente e afinada, além de muito charme e ótima presença de palco. Um pouco fria é verdade! Amy trocou poucas palavras com o público ao pedir que todo mundo desse dois passos para trás porque as pessoas estavam sendo esmagadas na grade, e ao final, quando o resto da banda voltou para jogar baquetas, palhetas e se despedir dos fãs a moça nem deu o ar da sua graça no palco.

Com exceção dos hits “Call me when You’re sober”, “Goin Under” e “Bring me to Life” (excelente música por sinal) todas as canções soam monótonas e praticamente iguais e só fã mesmo pra distinguir quando uma acaba e a outra começa.

Outro hit, “My Imortal” ficou para o final. Após 1 hora e 20 minutos “Your Star” encerrou o espetáculo.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

YouTubeYouTube
As 10 bandas mais acessadas da plataforma.

2755 acessosEvanescence: A nova "coletânea" disfarçada de álbum novo285 acessosEvanescence: Amy Lee é a rainha desse negócio (podcast)1105 acessosEvanescence: Amy Lee não crê que suas músicas sejam deprimentes0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Evanescence"

EvanescenceEvanescence
Sandy e Junior em um cover épico de Bring Me To Life

MotörheadMotörhead
Foto de Amy Lee no colo de Lemmy Kilmister

EvanescenceEvanescence
Amy Lee faz cover sombrio de música do U2

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Evanescence"


Sempre a mesma coisaSempre a mesma coisa
12 bandas que nunca mudam

Mulheres no RockMulheres no Rock
As mais importantes segundo rádio inglesa

O tempo, ah o tempo!O tempo, ah o tempo!
Rockstars nos anos oitenta e hoje

5000 acessosIron Maiden: conheça parte da equipe e dos parentes5000 acessosSeparados no nascimento: Keith Moon e Marcelo Adnet5000 acessosIron Maiden: a tragédia pessoal do baterista Clive Burr5000 acessosJason Newsted: "nunca me arrependi de deixar o Metallica"5000 acessosCOC: "James Hetfield queria Pepper Keenan no Metallica"5000 acessosMetanóia: A igreja mais true do mundo fica no Rio de Janeiro

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Sobre Carol Oliveira

Seu primeiro contato com o metal foi em 1993, quando, na época com 13 anos de idade, driblou a censura do Parque Antártica para assistir a apresentação do Metallica. Desde então gasta horas do seu dia e boa parte do seu salário vasculhando o que há de melhor entre os vários estilos musicais. Curte dos clássicos setentistas, passando pelo hard rock “farofa”, heavy metal e até mesmo indie e britpop. Formada em Radio e TV, já trabalhou em veículos como a Rádio Transamérica e o SBT, hoje é uma das sócias da MiG-18, a primeira agência de comunicação voltada pro mercado musical.

Mais matérias de Carol Oliveira no Whiplash.Net.