Stratovarius: Fãs vindos de diversos estados lotaram o Olympia

Resenha - Stratovarius (Olympia, São Paulo, 27/08/2005)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Carol Oliveira
Enviar correções  |  Ver Acessos





Depois do susto, com o repentino anúncio da saída de Jörg Michael e a substituição de Timo Kotipelto por uma vocalista pop, finalmente o Stratovarius volta às boas e os fãs podem respirar aliviados.

Fotógrafo: Rafael Sasso

Para selar essa reunião, a banda resolveu gravar o seu primeiro DVD ao vivo. O cenário escolhido para completar esse momento não podia ser outro: o público brasileiro, considerado um dos mais animados do mundo. E a galera fez jus á esse título; fãs vindos de diversos estados do Brasil lotaram o Olympia em São Paulo para fazer parte da história do Stratovarius (minutos antes do início do show o telão anunciava que naquela noite seria gravado um DVD e todos ali presentes concordavam em ceder sua imagem).

As cortinas se abrem e nos extremos do palco dois telões mostram cenas da banda nos bastidores e em passeios pela Argentina, Chile e Brasil (Curitiba e São Paulo). Sem muito falatório nem apresentações a banda invade o palco mandando "Maniac Dance" seguida de "Speed Of Light". Dono de uma extraordinária presença de palco, Kotipelto arrisca algumas palavras em português dizendo que é ótimo estar de volta a São Paulo e que cada um vai dar o melhor de si nesse show. E cumprem o prometido com "Kiss Of Judas", "Legions". "Twilight Symphony" e "Will The Sun Rise?"

Ao apresentar o novo baixista, Kotipleto chama "o homem com um sobrenome bem diferente" e Lauri Porra mostra toda a sua habilidade em um impressionante solo de baixo. Não sei se o público gostou mais do solo ou do sobrenome, mas a verdade é que Porra foi ovacionado pela galera, que gritava sem parar o seu nome e até um trocadilho "Porra você é do Cara*&%".
Logo após "Land of Ice and Snow" vem um dos momentos mais emocionantes do show, durante a introdução da belíssima "United" o telão exibe números de mortos em guerras, a mensagem "When will we learn? We are UNITED!" e a declaração universal dos direitos humanos. Depois desse momento politizado, o frontman pergunta "vocês querem ouvir canções bastante rápidas?", e nem espera pela resposta pra mandar "Against The Wind" seguida por "Season Of Change" e "Father Time".

O excêntrico guitarrista Timo Tolkki passou o show inteiro "na dele" e provou que os problemas de saúde não afetaram em nada o seu talento, o cara mandou muito bem os seus tradicionais solos e até fez alguns backing vocals.

De volta ao palco, para o primeiro Bis Kotipelto diz que ao vir pra São Paulo sente como se estivesse voltando pra casa e após esse deixa manda "Coming Home". Enquanto resolvem um problema técnico o vocalista provoca a platéia perguntando se essa consegue fazer mais barulho que o público de Buenos Aires e a galera responde com um coro "Brasil, Brasil..." muito bem acompanhado pelos teclados de Jens Johansson. Depois de "Destiny" e "Hunting High And Low" a banda deixa o palco mais uma vez.

De volta pra um segundo Bis Kotipleto anuncia uma música inédita naquela turnê "Visions", "Forever" foi um dos pontos altos do show, o coro estava tão alto que Kotipelto e Tolkki pararam de tocar e deixaram a galera terminar a música. Fazendo uma brincadeira com o público o vacalista pergunta: "Is it blue?...is it red?... is it yellow?... IS IT BLACK??", denunciando que o fim estava próximo com o grande hit "Black Diamond"

Pra quem perdeu, agora só resta aguardar pelo lançamento do DVD.

Set List:
Maniac Dance
Speed Of Light
Kiss Of Judas
Legions
Twilight Symphony
Will The Sun Rise?
Solo de baixo
Land Of Ice And Snow
United
Against The Wind
Season Of Change
Father Time

Bis 1
Coming Home
Destiny
Hunting High And Low

Bis 2
Visions
Forever
Black Diamond



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Stratovarius"


Stratovarius: em turnê pelo Brasil, guitarrista reclama da cerveja localStratovarius
Em turnê pelo Brasil, guitarrista reclama da cerveja local

Timo Tolkki: fãs da banda cearense Fireline o acusam de plágioTimo Tolkki
Fãs da banda cearense Fireline o acusam de plágio


Rock e Heavy Metal: E se as capas dos álbuns fossem honestas?Rock e Heavy Metal
E se as capas dos álbuns fossem honestas?

Floor Jansen: Eu não sou uma puta arroganteFloor Jansen
"Eu não sou uma puta arrogante"


Sobre Carol Oliveira

Seu primeiro contato com o metal foi em 1993, quando, na época com 13 anos de idade, driblou a censura do Parque Antártica para assistir a apresentação do Metallica. Desde então gasta horas do seu dia e boa parte do seu salário vasculhando o que há de melhor entre os vários estilos musicais. Curte dos clássicos setentistas, passando pelo hard rock "farofa", heavy metal e até mesmo indie e britpop. Formada em Radio e TV, já trabalhou em veículos como a Rádio Transamérica e o SBT, hoje é uma das sócias da MiG-18, a primeira agência de comunicação voltada pro mercado musical.

Mais matérias de Carol Oliveira no Whiplash.Net.

adWhipDin