Viper: Comemorando duas décadas e trazendo novidades

Resenha - Viper (Manifesto Bar, 09/04/2005)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Bruno Sanchez
Enviar correções  |  Ver Acessos







Fotos por Fábio Garófalo

Após as comemorações de 20 anos do Sepultura com o show especial para a gravação de um DVD há algumas semanas, quem também aproveitou 2005 para comemorar duas décadas de existência e trazer diversas novidades aos fãs, foram os paulistanos do Viper,a a veterana banda de Heavy Metal que lançou um dos melhores álbuns da história da música pesada nacional, o Theatre of Fate em 1989, e revelou grandes nomes do Rock/Metal como o vocalista Andre Matos, os irmãos Passarell e o guitarrista Felipe Machado.

Como parte das comemorações, também tivemos um show especial, marcado para o bar Manifesto, local que há pouco tempo foi totalmente reformado e reestruturado, com um bom espaço para seus freqüentadores mas ainda uma estrutura de palco pequena se comparada aos outros bares de São Paulo, o que sempre complica bastante o trabalho dos roadies.

A noite era de festa e várias caras conhecidas apareceram para prestigiar o novo Viper. Entre elas, Edu Falaschi do Angra (super simpático e atencioso com todos que foram pedir fotos ou autógrafos) e Andria Busic do Dr. Sin. No geral, o bar recebeu um bom público - bem heterogêneo, com bangers de todas as idades - mas não lotou como se esperava para um momento destes.

Um dos grandes problemas dos shows que ocorrem em bares é o horário divulgado e o horário real do evento: pela agenda da página oficial do bar, o show estava marcado para as 22 hs, mas na verdade este era o horário de abertura do Manifesto e a apresentação só começou mesmo depois das 00:30 hs o que gerou uma certa impaciência.

Quando todos já se amontoavam em frente ao palco em busca de uma boa visão e gritando o nome da banda, um funcionário da casa foi ao microfone e avisou que antes do show rolaria um vídeo especial nos televisores (localizados no canto oposto ao palco) com momentos dos 20 anos de carreira do Viper. Algumas pessoas preferiram garantir o lugar em frente ao palco enquanto outras correram para assistir as gravações dos momentos raros, entre eles, alguns dos primeiros shows e a entrevista que a banda concedeu no programa do Jô Soares, ainda no SBT no final dos anos 80.

Após o vídeo, um efeito de fumaça e, agora sim, a famosa introdução Illusions começa a sair dos P.As e a nova formação da banda - Ricardo Bocci nos vocais, Felipe Machado e Val Santos nas guitarras, Pit Passarell no baixo (o outro irmão Passarell - Yves - infelizmente se encontra no péssimo Capital Inicial) e Guilherme Martin na bateria - desce as escadas para delírio geral e a apresentação começa quente com Prelude to Oblivion (do Theatre of Fate), seguida de Knights of Destruction (do Soldiers of Sunrise) e To Live Again (novamente do Theatre). Esse começo já mostrou que a banda optou por um setlist com os maiores clássicos da carreira, especialmente músicas dos dois primeiros (e melhores) discos. Para quem ainda não conhecia o trabalho do novo vocalista, Ricardo Bocci (Ex - Rei Lagarto), é um alívio saber que sua voz é muito parecida à do ex-vocalista, Andre Matos (atual Shaaman e Ex-Angra) e, finalmente, os clássicos dos primeiros álbuns ganham excelentes versões ao vivo. Nada contra o vocal de Pit Passarell, mas a qualidade que o Viper ganhou com o novo músico não tem nem comparação.

Após esse começo matador, a banda manda, Dead Light, a primeira música da noite do disco Evolution (1992). Essa versão no vocal de Ricardo também ficou ótima e o músico mostra que é bem versátil tanto nas composições mais voltadas ao Metal Melódico quanto nas mais pesadas.

A música seguinte é outro grande clássico do Theatre of Fate, A Cry From The Edge, em mais uma interpretação magistral de Ricardo (o cara realmente é muito bom) seguida por The Shelter, música sem tanto brilho do disco Evolution, mas em um momento legal que contou com a participação especial de Renato Graccia, o ex-baterista da banda.

Chegamos à metade do show onde o Viper tocou a nova Do It All Again, faixa que remete ao trabalho mais pesado do terceiro disco. Logo após a sua execução, Pit foi ao microfone e prometeu um novo trabalho de estúdio em breve, além de elogiar bastante a nova formação, em especial Ricardo Bocci, o grande destaque da noite. Em seguida, a banda mandou a música Evolution e um medley das músicas Theatre of Fate e Wings of The Evil, que eles não tocavam ao vivo há bastante tempo.

Mesmo não contanto com o total apoio dos fãs, o Viper não esqueceu sua fase Punk/Hardcore. Ricardo sai do palco e Val vai ao microfone cantar com muita propriedade o cover de Ramones, Blitzkrieg Bop, o mesmo que Felipe e Guilherme tocaram com o Paul Di'anno há cerca de 3 meses, também no Manifesto. Pit também assume os vocais na seqüência e tivemos o clássico Hardcore - Coma Rage - seguida pelo cover de The Clash, I Fought The Law onde o irmão de Felipe, Nando, assumiu o baixo e Passarell apenas cantou. Apesar de muitos torcerem o nariz para essas últimas 3 músicas, o público teve um comportamento exemplar e respeitou a banda no palco.

A animação volta quando mais uma música da fase jurássica aparece: Soldiers of Sunrise (com ótima recepção), seguida pela balada The Spreading Soul e pelo momento obrigatório da noite em Living for The Night, sendo que a primeira parte da composição foi levada sozinha pelos bangers, sem nenhum instrumento acompanhando. Antes da execução do clássico, Ricardo prestou uma homenagem a Andre Matos, que eternizou a versão de Living no Theatre of Fate e nos shows da banda.

A apresentação normal fechou com mais um clássico: Rebel Maniac do disco Evolution e a banda se despediu do público.

Na volta para o bis, os integrantes trouxeram algumas champanhes para estourar no palco (e encharcar quem estava mais próximo) em comemoração ao aniversário de 20 anos. Ricardo agradeceu a presença de todos e avisou que eles tocariam mais uma música bem antiga: a ótima Nightmares, do primeiro disco. A surpresa foi geral já que nunca ouvi essa música ao vivo, mas a considero uma das melhores composições do Viper de todos os tempos, especialmente pelo seu refrão pegajoso, mas bem exigente do gogó do vocalista. A versão na voz de Ricardo ficou muito boa e não deveu nada à original do Soldiers of Sunrise. A propósito, realizei um antigo sonho ao ouvir esta música no show, agora só faltam Bestial Devastation do Sepultura e Stained Class do Judas Priest para ter meu sonho metálico completo. ;-)

Na seqüência, eles mandaram uma versão bem competente de Aces High do Iron Maiden e, para fechar o show com chave de ouro, Felipe foi ao microfone contar um pouco da história da banda e a primeira apresentação, em 8 de abril de 1985 no Clube Paulistano abrindo para a banda Platina de Andria Busic. Para comemorar a data, Felipe chama todos os convidados especiais ao palco (inclusive Busic) e tocam a primeira composição do Viper, HR (Heavy Rock), com todos cantando e Pit Passarell visivelmente emocionado.

O som durante toda a apresentação estava decente tendo em vista que estamos falando de um bar e não de uma casa de show profissional, mas em diversos momentos o microfone de Ricardo falhou, especialmente nas primeiras músicas.

Um ótimo show para os fãs e acredito que todos que foram ao Manifesto se sentiram satisfeitos com o setlist. Parabéns à banda pelas duas décadas de estrada e vamos torcer para que essa volta do Viper seja definitiva, com novos trabalhos de estúdio e muitos shows que coloquem a banda novamente no lugar de destaque que merece. A nova formação é bem entrosada, com destaque ao ótimo Ricardo Bocci e seu timbre de voz, que lembra bastante Andre Matos e não é à toa, já que Ricardo foi aluno de Andre em aulas de canto há alguns anos. Outro destaque vai para a empolgação de Pit e Felipe nas músicas. Esses se divertem de verdade no palco e não param um minuto de agitar.

Como parte das comemorações, além deste show no Manifesto, o Viper lança ainda este ano o DVD Living For The Night - 20 Years Of Viper, que trará shows antigos e um documentário com todos os integrantes que passaram pela banda além de diversas raridades.



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Viper"


Andre Matos: ele planejava focar na música clássica e morar perto do filhoAndre Matos
Ele planejava focar na música clássica e morar perto do filho

Metal nacional: quinze álbuns clássicos de bandas brasileirasMetal nacional
Quinze álbuns clássicos de bandas brasileiras


Marcelo Maiden: Uma impressionante coleção de ítens do Iron MaidenMarcelo Maiden
Uma impressionante coleção de ítens do Iron Maiden

Aerosmith: curiosidades sobre a voz de Steven TylerAerosmith
Curiosidades sobre a voz de Steven Tyler


Sobre Bruno Sanchez

Paulistano, 26 anos, Administrador de Empresas e amante de História. Bruno é colaborador do Whiplash! desde 2003, mas seus textos e resenhas já constavam na parte de usuários em 1998. Foi levado ao Rock e Metal pelos seus pais através de Beatles, Byrds e Animals. Com o tempo, descobriu o Metallica ainda nos anos 80 e sua vida nunca mais foi a mesma. Suas bandas preferidas são Beatles, Metallica, Iron Maiden, Judas Priest, Slayer, Venom, Cream, Blind Guardian e Gamma Ray.

Mais matérias de Bruno Sanchez no Whiplash.Net.