Resenha - Nazareth (Olympia, São Paulo, 26/05/2004)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Bento Araújo (Poeira Zine)
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.






Fotos: Carlos Eduardo Corrales

“Olha nóis aqui outra vez”. Se comparado a outros artistas e bandas como BB. King, Ramones, Motorhead e Iron Maiden, o Nazareth até que veio poucas vezes para o Brasil.

Nessa terceira visita ao nosso país, o grupo escocês encontrou um Olympia com metade de sua lotação, mas com animação suficiente para encher mais uns dois outros Olympias de alto astral.

O som da banda, apesar de não agradar a todos os ouvidos do pessoal que curte o Rock dos anos 70, é Rock básico, em seu estado puro e bruto. Quando os caras se lançam nas baladas pesadas, o resultado também é bom e é nesse ponto que eles alcançam um maior público. Não é a toa que o maior hit do grupo foi, e sempre será “Love Hurts”, um compacto de 1975 que vendeu tanto aqui na terra do Samba que o vocalista Dan McCafferty veio receber o disco de ouro pessoalmente naquele mesmo ano. O que a imprensa da época não gostou muito foi o sarro que o escocês tirou da gente: “Eu não acreditei quando soube que “Love Hurts” vendeu tudo isso por aqui! Eu achava que aqui no Brasil não existisse nem vitrola!”

Mr. McCafferty pegou pesado nessa época, mas o que se apresentou no Olympia nessa fria noite de quarta-feira, foi bem diferente daquele de tempos atrás. Um senhor muito educado, que não parava de agradecer a platéia paulistana. A voz? Posso garantir que é a mesma. A rouquidão, a pegada e os timbres rasgados continuam lá, como se não tivesse passado 30 anos do auge do grupo.

E o melhor é que a voz de McCafferty permaneceu intacta até o fim do espetáculo, fato esse que os fãs presentes não paravam de ressaltar.

O som sempre “redondo” e pesado do Olympia ajudou e muito a performance do conjunto (acho o Olympia a melhor, e mais aconchegante casa de shows da cidade). Terreno perfeito para McCafferty, o baixista Pete Agnew (o único músico da formação original ao lado do vocalista), e os novatos, mas competentes, Jimmy Murrison na guitarra e Lee Agnew (filho de Pete) na bateria, deitarem e rolarem seus hits.

No repertório muitos clássicos como Dream On, Bad Bad Boy, Turn on Your Receiver, Expect For No Mercy, Love Leads To Madness, Razamanaz, Love Hurts, Hair Of The Dog, Cocaine e muitos outros.

Vendo mais esse show da banda por aqui (estive também presente naquele show de 1996, também no Olympia, quando o Nazareth se apresentou na mesma noite com o Uriah Heep), percebi que vários grupos sofreram influência desses rockers escoceses. O AC/DC (mais da fase com Brian Johnson), o Guns N’ Roses, o Cinderella e vários outros beberam também desse whisky! Pode ter certeza meu chapa!



Por Carlos Eduardo Corrales

Matéria originalmente publicada no site
Delfos - Diversão e cultura.
http://delfos.zip.net

Confesso que não estava muito ansioso para esse show. Era uma fria noite de quarta-feira, daquelas que a melhor coisa para fazer é ficar em casa enrolado em um cobertor quentinho.

Ao entrar no Olympia, reparei algo que nunca tinha reparado antes (pois é, eu sou meio desligado): os quadros com os shows que já aconteceram na casa. E já teve muita coisa legal, desde Rainbow a Steve Vai, grandes nomes da música tocaram nesse palco.

Marcado para começar às 21:30, as luzes se apagaram apenas por volta das 22:15, quando uma longa introdução com um clima oriental começou a ser tocada. Depois de um bom tempo, três simpáticos senhores e um mais jovem (o baterista Lee Agnew, filho do baixista Pete Agnew) entram andando no palco, plugam seus instrumentos, cumprimentam a platéia e dão início ao show. E que show! Logo nos primeiros acordes, meu mau humor inicial se transformou em empolgação. Miss Misery, música com um andamento lento e pesado, que chega até a lembrar o Black Sabbath foi uma das primeiras músicas, me surpreendendo com o peso e a energia dos velhinhos. Quando ela terminou, o vocalista Dan McCafferty, empolgado, gritou “Vamos quebrar tudo!” assim mesmo em português, denunciando que ainda vinha muito Rock por aí.

Durante a terceira música, como de praxe, os seguranças expulsam os fotógrafos do chiqueirinho e, para minha surpresa, somos direcionados ao camarote. Fui procurando por uma cabine onde pudesse entrar até que reconheci alguns colegas fotógrafos, todos reunidos na mesma cabine. Pedi permissão para me juntar a eles (ei, eu sou um cara educado ?) e de lá pude me concentrar no show e nas anotações que me auxiliariam nessa resenha.

A primeira balada a ser tocada no show foi a bela Dream On, que não foi tão bem recebida pelo público, que parecia estar mesmo a fim de ouvir aquele Rockão que tanto gostamos. Rockão esse que veio logo em seguida. “A próxima música é sobre sexo”, anunciou Dan e começaram a tocar a fantástica Bad Bad Boy, um tremendo Rock n’ Roll, cheio de licks de guitarra, que foi uma das mais divertidas da noite.

Love Leads To Madness veio a seguir, e conta com um belo refrão, com aquele tipo de melodia que gruda na cabeça. O sucesso This Flight Tonight foi a próxima (quem curte Heavy Metal deve se lembrar desta música pelas ótimas versões gravadas pelo Iron Savior e pelo Heavens Gate). Essa música, apesar de ser uma das mais conhecidas da banda e ter sido muito bem recebida, não foi uma das mais legais do show. Quem conhece a banda sabe que eles têm músicas muito mais legais, como ficou claro no show.

Um pequeno solo de bateria (pequeno mesmo, mais ou menos uma introdução) e começaram a pesada Expect No Mercy, durante a qual Dan aparece no palco com uma gaita de fole (ou com algo muito parecido, não sou exatamente um expert em instrumentos exóticos). Essa música foi outro destaque, pois além da gaita e do fato dela ser muito legal ainda teve uma grande participação da platéia.

Um mini solo de guitarra e uma das maiores babas da história é iniciada: Love Hurts, música cujo som provavelmente embalou a concepção de muitos que estão lendo hoje esta resenha. Também muito bem recebida (é claro, já que é famosíssima) Love Hurts encerrou a primeira parte do show. A banda se despede e sai do palco.

Alguns minutos depois, o baterista Lee Agnew volta ao palco com a bandeira do Brasil, senta no seu instrumento e começa a tocar. Pouco depois, o papai Pete Agnew se junta a ele, seguido do guitarrista Jimmy. Mandam Cocaine (cover do Eric Clapton) e o show termina definitivamente.

Apesar de ter sido muito curto (80 minutos), foi um dos melhores shows que presenciei este ano. O grande destaque vai para o vocalista Dan McCafferty, que apesar de estar com quase 60 anos continua com aquele vozeirão rasgado, potente e, principalmente, pesado pra caramba! O único defeito foi a falta de presença de palco da banda que, provavelmente devido à sua idade, passaram a maior parte do show parados na sua parte do palco. Mas vamos pensar pelo lado bom, pelo menos isso facilitou o trabalho dos fotógrafos.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

442 acessosNazareth: banda assina com Frontiers e álbum deve sair em 20180 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Nazareth"

Collectors RoomCollectors Room
A coleção do presidente do fã clube do Nazareth no Brasil

NazarethNazareth
Muito mais que "Love Hurts" em 40 anos de rock

NazarethNazareth
Dan e Pete são os dois grandes heróis de Dunfermline

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Nazareth"

Aloka!Aloka!
Duff McKagan diz que "vira gay" nas turnês

MulheresMulheres
As bandas mais famosas em suas versões femininas

Na cadeiaNa cadeia
Astros do rock que foram enjaulados

5000 acessosGuns N' Roses: a história da saída de cada integrante5000 acessosCovers: alguns dos mais legais feitos por bandas de Metal5000 acessosGuitarras: você é capaz de reconhecer cada uma delas?5000 acessosMonsters of Rock: o que o festival nos ensina sobre preconceito5000 acessosOzzy Osbourne: pedindo stripper em casamento no réveillon4404 acessosRichie Faulkner: ao invés do Judas Priest, ele poderia ter ido para o Iron Maiden?

Sobre Bento Araújo (Poeira Zine)

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online