Resenha - Living Colour (Canecão, Rio de Janeiro, 16/05/2004)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Raphael Crespo
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Texto originalmente publicado no
JB Online e no Blog Reviews & Textos.

5000 acessosAnos 90: 10 shows pouco comentados5000 acessosVirada Cultural 2015: O Metal entrou em peso na programação

Não deve haver nada mais satisfatório para uma banda de rock do que, depois de encerrar um show, ver a platéia ir sorridente para casa. Foi exatamente o que aconteceu após a apresentação do Living Colour ontem, para um Canecão lotado. O show teve o mesmo alto nível da outra passagem da banda pelo Rio, no Hollywood Rock de 1992, na Praça da Apoteose. Corey Glover (vocal), Vernon Reid (guitarra), Dough Wimbish (baixo) e Will Calhoun (bateria) tocaram por cerca de duas horas e meia, em que mostraram que o grupo continua a se renovar, incorporando ao repertório elementos eletrônicos e até uma canção da banda White Stripes (Seven nation army).

A comunicação entre banda e público foi perfeita desde a abertura, com Back in black, do AC/DC, recebida com entusiasmo. Na segunda música, o clássico Type, os músicos improvisavam enquanto a platéia cantava o refrão em coro.

O Living Colour ganhou fama no início dos anos 80, devolvendo ao rock a presença negra que havia desaparecido com a morte de Jimi Hendrix. A banda americana tornou-se uma das mais populares do cenário musical até meados da década seguinte, com sua mistura de guitarras distorcidas, funk, jazz, blues e letras politizadas e bem-humoradas.

Depois de seis anos de separação, a banda americana voltou a se reunir para gravar um disco novo, lançado em 2003, e sair em turnê. Apesar da má distribuição de Collideoscope no Brasil, o público mostrou conhecer a maior parte das músicas e acompanhou o vocalista.

Jimi Hendrix parecia ser uma inspiração, tanto nos solos do guitarrista Vernon Reid, em Flying, quanto em Terrorism, em que o baixista Dough Wimbish transformou seu baixo em guitarra, numa aula de técnica. A letra da música condena a guerra e acusa o presidente americano George Bush e o primeiro-ministro inglês Tony Blair de terrorismo.

"Vocês apóiam a paz?", perguntou Wimbish, pedindo ao público que fizesse o símbolo pacifista.

Na clássica Open letter, Corey Glover demonstrou capacidade vocal cantando parte da música à capela, antes de a banda entrar. Cult of personality levantou o Canecão, que depois viu uma verdadeira festa, com a suingada Glamour boys, em que o vocalista chamou várias mulheres da platéia para dançar no palco. Depois do solo de bateria de Will, a banda voltou ao palco para o bis, tocando Ignorance is bliss e o blues Love rears its ugly head, seguida de Crosstown traffic, de Jimi Hendrix. Ovacionada, a banda fechou com uma apoteótica interpretação de Should I stay or should I go, do Clash, uma noite memorável para os fãs do rock.

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Anos 90Anos 90
10 shows pouco comentados

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Living Colour"

Anos 90Anos 90
10 shows pouco comentados

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Living Colour"

Virada CulturalVirada Cultural
O Metal entrou em peso na programação

Black SabbathBlack Sabbath
Pequena homenagem no Pânico na Band

SsemelhançaSsemelhança
Separados no nascimento: Lady Gaga e Eddie

5000 acessosGuns N' Roses: os 10 melhores não-clássicos da banda5000 acessosTommy Lee: baterista zombou da habilidade de Ulrich no Twitter5000 acessosCorey Taylor: seria melhor se a mídia nem falasse de Metal5000 acessosMike Portnoy: "levando um pedacinho do Jimmy comigo"5000 acessosBob Dylan: fazendo show para um único fã5000 acessosAvery Molek: aos 6 anos, mostrando para Lars Ulrich como se faz

Sobre Raphael Crespo

Raphael Crespo é jornalista, carioca, tem 25 anos, e sempre trabalhou na área esportiva, com passagens pelo jornal LANCE! e pelo LANCENET!. Atualmente, é editor de esportes do JB Online, mas seu gosto por heavy metal o levou a colaborar com a seção de musicalidade do site do Jornal do Brasil, com críticas de CDs e algumas matérias especiais, que também estão reunidas em seu blog (http://www.reviews.blogger.com.br). Sua preferência é pelo thrash metal oitentista, mas qualquer coisa em termos de som pesado é só levantar na área que ele mata no peito e chuta. Gosta também de outros tipos de som, como MPB, jazz e blues, mas só se atreve a escrever sobre o que conhece melhor: o metal.

Mais matérias de Raphael Crespo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online