Living Colour: Mesmo alto nível da outra passagem da banda pelo Rio

Resenha - Living Colour (Canecão, Rio de Janeiro, 16/05/2004)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Raphael Crespo
Enviar Correções  

Texto originalmente publicado no
JB Online e no Blog Reviews & Textos.

Não deve haver nada mais satisfatório para uma banda de rock do que, depois de encerrar um show, ver a platéia ir sorridente para casa. Foi exatamente o que aconteceu após a apresentação do Living Colour ontem, para um Canecão lotado. O show teve o mesmo alto nível da outra passagem da banda pelo Rio, no Hollywood Rock de 1992, na Praça da Apoteose. Corey Glover (vocal), Vernon Reid (guitarra), Dough Wimbish (baixo) e Will Calhoun (bateria) tocaram por cerca de duas horas e meia, em que mostraram que o grupo continua a se renovar, incorporando ao repertório elementos eletrônicos e até uma canção da banda White Stripes (Seven nation army).

publicidade

A comunicação entre banda e público foi perfeita desde a abertura, com Back in black, do AC/DC, recebida com entusiasmo. Na segunda música, o clássico Type, os músicos improvisavam enquanto a platéia cantava o refrão em coro.

O Living Colour ganhou fama no início dos anos 80, devolvendo ao rock a presença negra que havia desaparecido com a morte de Jimi Hendrix. A banda americana tornou-se uma das mais populares do cenário musical até meados da década seguinte, com sua mistura de guitarras distorcidas, funk, jazz, blues e letras politizadas e bem-humoradas.

publicidade

Depois de seis anos de separação, a banda americana voltou a se reunir para gravar um disco novo, lançado em 2003, e sair em turnê. Apesar da má distribuição de Collideoscope no Brasil, o público mostrou conhecer a maior parte das músicas e acompanhou o vocalista.

Jimi Hendrix parecia ser uma inspiração, tanto nos solos do guitarrista Vernon Reid, em Flying, quanto em Terrorism, em que o baixista Dough Wimbish transformou seu baixo em guitarra, numa aula de técnica. A letra da música condena a guerra e acusa o presidente americano George Bush e o primeiro-ministro inglês Tony Blair de terrorismo.

publicidade

"Vocês apóiam a paz?", perguntou Wimbish, pedindo ao público que fizesse o símbolo pacifista.

Na clássica Open letter, Corey Glover demonstrou capacidade vocal cantando parte da música à capela, antes de a banda entrar. Cult of personality levantou o Canecão, que depois viu uma verdadeira festa, com a suingada Glamour boys, em que o vocalista chamou várias mulheres da platéia para dançar no palco. Depois do solo de bateria de Will, a banda voltou ao palco para o bis, tocando Ignorance is bliss e o blues Love rears its ugly head, seguida de Crosstown traffic, de Jimi Hendrix. Ovacionada, a banda fechou com uma apoteótica interpretação de Should I stay or should I go, do Clash, uma noite memorável para os fãs do rock.

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Chadwick Boseman: Mick Jagger, Slash e outros músicos lamentam morte do atorChadwick Boseman
Mick Jagger, Slash e outros músicos lamentam morte do ator


Megadeth: Pepeu Gomes comenta convite para tocar na bandaMegadeth
Pepeu Gomes comenta convite para tocar na banda

Lista: os 25 melhores álbuns de rock lançados em 1990Lista
Os 25 melhores álbuns de rock lançados em 1990


Cinema: As 10 melhores aparições de bandas em filmesCinema
As 10 melhores aparições de bandas em filmes

Bandas Novas: 10 coisas que vocês jamais devem dizer no palcoBandas Novas
10 coisas que vocês jamais devem dizer no palco


Sobre Raphael Crespo

Raphael Crespo é jornalista, carioca, tem 25 anos, e sempre trabalhou na área esportiva, com passagens pelo jornal LANCE! e pelo LANCENET!. Atualmente, é editor de esportes do JB Online, mas seu gosto por heavy metal o levou a colaborar com a seção de musicalidade do site do Jornal do Brasil, com críticas de CDs e algumas matérias especiais, que também estão reunidas em seu blog (http://www.reviews.blogger.com.br). Sua preferência é pelo thrash metal oitentista, mas qualquer coisa em termos de som pesado é só levantar na área que ele mata no peito e chuta. Gosta também de outros tipos de som, como MPB, jazz e blues, mas só se atreve a escrever sobre o que conhece melhor: o metal.

Mais matérias de Raphael Crespo no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin