Living Colour: Mesmo alto nível da outra passagem da banda pelo Rio

Resenha - Living Colour (Canecão, Rio de Janeiro, 16/05/2004)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Raphael Crespo
Enviar correções  |  Ver Acessos

Texto originalmente publicado no
JB Online e no Blog Reviews & Textos.

Não deve haver nada mais satisfatório para uma banda de rock do que, depois de encerrar um show, ver a platéia ir sorridente para casa. Foi exatamente o que aconteceu após a apresentação do Living Colour ontem, para um Canecão lotado. O show teve o mesmo alto nível da outra passagem da banda pelo Rio, no Hollywood Rock de 1992, na Praça da Apoteose. Corey Glover (vocal), Vernon Reid (guitarra), Dough Wimbish (baixo) e Will Calhoun (bateria) tocaram por cerca de duas horas e meia, em que mostraram que o grupo continua a se renovar, incorporando ao repertório elementos eletrônicos e até uma canção da banda White Stripes (Seven nation army).

A comunicação entre banda e público foi perfeita desde a abertura, com Back in black, do AC/DC, recebida com entusiasmo. Na segunda música, o clássico Type, os músicos improvisavam enquanto a platéia cantava o refrão em coro.

O Living Colour ganhou fama no início dos anos 80, devolvendo ao rock a presença negra que havia desaparecido com a morte de Jimi Hendrix. A banda americana tornou-se uma das mais populares do cenário musical até meados da década seguinte, com sua mistura de guitarras distorcidas, funk, jazz, blues e letras politizadas e bem-humoradas.

Depois de seis anos de separação, a banda americana voltou a se reunir para gravar um disco novo, lançado em 2003, e sair em turnê. Apesar da má distribuição de Collideoscope no Brasil, o público mostrou conhecer a maior parte das músicas e acompanhou o vocalista.

Jimi Hendrix parecia ser uma inspiração, tanto nos solos do guitarrista Vernon Reid, em Flying, quanto em Terrorism, em que o baixista Dough Wimbish transformou seu baixo em guitarra, numa aula de técnica. A letra da música condena a guerra e acusa o presidente americano George Bush e o primeiro-ministro inglês Tony Blair de terrorismo.

"Vocês apóiam a paz?", perguntou Wimbish, pedindo ao público que fizesse o símbolo pacifista.

Na clássica Open letter, Corey Glover demonstrou capacidade vocal cantando parte da música à capela, antes de a banda entrar. Cult of personality levantou o Canecão, que depois viu uma verdadeira festa, com a suingada Glamour boys, em que o vocalista chamou várias mulheres da platéia para dançar no palco. Depois do solo de bateria de Will, a banda voltou ao palco para o bis, tocando Ignorance is bliss e o blues Love rears its ugly head, seguida de Crosstown traffic, de Jimi Hendrix. Ovacionada, a banda fechou com uma apoteótica interpretação de Should I stay or should I go, do Clash, uma noite memorável para os fãs do rock.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Living Colour"


Stevie D: músico lança álbum Torn From The Pages com Corey Glover, do Living Colour

Anos 90: 10 shows pouco comentadosAnos 90
10 shows pouco comentados

Megadeth: Pepeu Gomes comenta convite para tocar na bandaMegadeth
Pepeu Gomes comenta convite para tocar na banda


R.E.M.: banda é dona da faixa que mais faz o homem chorarR.E.M.
Banda é dona da faixa que mais faz o homem chorar

Top 500: as melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling StoneTop 500
As melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling Stone

Dedo x Palheta: Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debateDedo x Palheta
Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debate

Guitar Hero: veja como o jogo desgraçou uma geração inteiraGuitar Hero
Veja como o jogo desgraçou uma geração inteira

Bruce Dickinson: Prefiro errar letras a usar monitores!Bruce Dickinson
"Prefiro errar letras a usar monitores!"

Covers: alguns brilhantes feitos por bandas de Heavy MetalCovers
Alguns brilhantes feitos por bandas de Heavy Metal

Death metal progressivoDeath metal progressivo


Sobre Raphael Crespo

Raphael Crespo é jornalista, carioca, tem 25 anos, e sempre trabalhou na área esportiva, com passagens pelo jornal LANCE! e pelo LANCENET!. Atualmente, é editor de esportes do JB Online, mas seu gosto por heavy metal o levou a colaborar com a seção de musicalidade do site do Jornal do Brasil, com críticas de CDs e algumas matérias especiais, que também estão reunidas em seu blog (http://www.reviews.blogger.com.br). Sua preferência é pelo thrash metal oitentista, mas qualquer coisa em termos de som pesado é só levantar na área que ele mata no peito e chuta. Gosta também de outros tipos de som, como MPB, jazz e blues, mas só se atreve a escrever sobre o que conhece melhor: o metal.

Mais matérias de Raphael Crespo no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336