Resenha - Echo & the Bunnymen (Credicard Hall, São Paulo, 18/11/2003)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Luciana Ueda
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.







Eram 2h15 da manhã e eu ainda não tinha ido dormir. A adrenalina ainda corria solta e eu não conseguia pensar em outra coisa senão neste show maravilhoso.

Pela quarta vez no Brasil, os “homens-coelho” mostram que adoram o país. Desde o primeiro show, não há turnê em que o Brasil fique de fora. Mac (como o Ian gosta de ser chamado) chegou a vir outras vezes, sem a banda, para cantar seus trabalhos solos e se divertir por aqui.

Depois deste último show, todo o meu conceito sobre o público do Echo & the Bunnymen mudou. Na última vez que estiveram em São Paulo, neste mesmo palco, sobrava muito espaço e tédio. E um vocalista falando sozinho. Desta vez, interatividade total. O público enchendo a casa e pedindo bis. Isqueiros acesos. Muitas palmas. Pedidos de músicas!

Os Acústicos e Valvulados fizeram a abertura, e apesar de ser um pouco fora do gosto do público, mandou bem no som e não fez feio. Apresentando o recente lançamento, “Creme Dental Rock’n Roll”, com as músicas “Sem Ter Razão”, “Deus Quis” e algumas antigas como “Quintal” e “Quem Me Dera”. Infelizmente, o dia não era deles. No ingresso, sequer havia menção a alguma banda de abertura. O público só queria uma banda no palco: Echo & the Bunnymen.

Ian McCulloch entrou no palco radiante. Alegre até a alma. Fez muitas graças no palco, chutando bitucas acesas que estava fumando ou, para o delírio e ovação do público, rebolando. Aliás, ninguém presente respeitou o pedido anunciado antes do show, sobre a proibição de fumar dentro do estabelecimento, por questões de segurança...

Foi um show recheado de sucessos. “Ocean Rain”, “Lips Like Sugar”, “The Killing Moon”, “Bring on the Dancing Horses”, “Rescue”, “Super Mellow Men”, “Eternity Turns”, algumas covers, dois bis... Tudo que tinha direito para comemorar 25 anos de carreira.

O palco teve a mesma iluminação de fundo que o show do ano passado, ganhando alguns canhões de luz no meio do palco, criando um efeito interessante. Por muitos momentos, Mac cantou na escuridão total.

O público alegre. A banda alegre. Foi possível até ver um sorriso no rosto de Will Sergeant, mesmo atrás de sua franja.

Show aprovado 100%. Afinal, se alguma lágrima caiu neste show, foi de emoção.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


1966 acessosA-Ha: interpretando clássico do Echo & The Bunnymen0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Echo And The Bunnymen"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Echo And The Bunnymen"


GhostGhost
Uma foto assustadora dos bastidores do RIR

Em vídeoEm vídeo
As 10 bandas mais perigosas segundo pastor americano

Simone SimonsSimone Simons
A nudez na capa de Divine Conspiracy

5000 acessosMetallica: Lars sabe que os fãs não gostam do St. Anger5000 acessosAnitta: "Eu era roqueira. Comecei no funk por destino."5000 acessosRegis Tadeu: uma declaração apimentada sobre público de Metal Extremo5000 acessosMustaine: uma nota de Gilmour vale mais que muitos solos5000 acessosLady Gaga: "Eu sou o próximo Iron Maiden"5000 acessosKurt Cobain: ele era ambicioso apesar da imagem de antiastro

Sobre Luciana Ueda

"Nasci com o BRock. Cresci com o BRock. Mas morrerei muito antes do BRock..." Com o frescor dos seus 21 aninhos, Luciana Ueda a-do-ra o rock nacional cada vez mais! Mas isso nOo quer dizer que ela goste exclusivamente de rock nacional. Entre suas preferUncias internacionais incluem Pink Floyd, Led Zeppelin, Eric Clapton, os lendários Beatles e uma infinidade de outras bandas... Por enquanto, ela U s_ mais uma estudante de Telecomunica_es. Mas quem vai saber o que ela será amanhO?

Mais matérias de Luciana Ueda no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online