Pitty: uma leitura da canção "Na pele"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Laíssa Pereira de Almeida, Fonte: UNIR
Enviar correções  |  Ver Acessos

Viemos de séculos marcados pelo patriarcalismo, exclusão, teocentrismo, opressão e repressão, em que a situação social da mulher desde o século XIX consistia em viver subjugada, sem liberdade e qualquer possibilidade para desenvolver sua capacidade intelectual, tratava-se de um sistema social que favorecia a perpetuação da anulação social e invisibilização da mulher. Como evoca a cantora e compositora PITTY, na canção Na pele (2013): "Olhe dentro dos meus olhos/Olhe bem pra minha cara/Você vê que eu vivi muito/Você pensa que eu nem vi nada".

Sexo e Satã: as mensagens subliminares em capas de Rock / MetalNinguém é perfeito: os filhos "bastardos" de pais famosos

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A mulher sempre foram destinados os serviços e cuidados com o lar, com a família, estando o seu bem estar, o tempo para ser e sentir, em terceiro, quarto ou quinto lugar, sendo quase sempre reduzida ao seu serviço como mero objeto que não tem e nem pode ter sentimentos, como se não vivesse nada.

Na pele, composta por PITTY em 2013, mas só gravada em 2018, após a cantora dar de presente a canção para Elza Soares, é verdadeiramente uma tradução muito sutil e forte das lutas e vivências diárias que a mulher transcorrerá ao longo de sua vida.

O refrão "a vida tem sido água/fazendo caminhos esguios/se abrindo em veios e vales/na pele leitos de rio", a metáfora da água, que gera vida, desde que é concebida até sua manutenção, seja no banho, seja para saciar a sede. Água que pode nos afogar ou pode nos revigorar. Água que cria e refaz a vida em diversas cores. Elemento que desce em forma de chuva e evapora voltando para onde veio, que congela e derrete, mas nunca volta a ser a que era antes. Entre veios, que podem ser correntes d'água ou rachaduras que as rochas sofrem. "Na pele leitos de rio", corpos estradas, onde tudo e todos descansam, abusam, usam, onde todos passam. Tal qual a vida de Elza Soares. Tal qual a percepção de cada mulher que ainda está viva, cada pessoa oprimida de pele preta e pobre. Tal qual a vida.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Corpos que são violentados e silenciados pela família, pelo namorado, pelo esposo, pelo estado. Fala-se de um corpo que não tem dona, aliás, querem que acreditemos nisso. No entanto, PITTY vem mostrar e escancarar que apesar de a boca silenciar, o corpo denuncia todos estes abusos, "veja essa boca muda/Disfarçando o desgosto". E ainda que seja difícil, mesmo que danificado, o sorriso existe, resiste "olhe bem pra essa curva/Do meu riso raso e roto".

A mulher está na Terra e, mais que isso, desenvolve relações com ela e com os seres que a habitam. Ademais, são geradoras de vida nova. Cada mulher, desde o seu nascimento, seja ele literal ou metafórico, considerando que a construção de uma identidade traduz-se na afirmação já muito conhecida de Simone de Beauvoir, em O Segundo Sexo (1980): "que não se nasce mulher, torna-se mulher", pois este é processo de aprendizagem que será travado em e com suas lutas, sejam elas semelhantes à das outras mulheres ou não. "Contemple o desenho fundo/Dessas minhas jovens rugas/Conquistadas a duras penas", mas só quem é mulher, saberá a dor e a alegria de ser quem se é, "entre aventuras e fugas".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Na última estrofe, é escancarada a verdade, "observe a face turva/O olhar tentado e atento/Se essas são marcas externas/Imagine as de dentro", ainda que subjugadas, subalternizadas, a mulher terá sua própria maneira de se manter viva. Quando olhamos a biografia de Elza Soares e PITTY, fica fácil de entender o porquê de Elza ter sido presenteada com a canção. O videoclipe lançado no mesmo ano em que a canção, celebra esta sororidade, esta resistência, não só das cantoras, mas de todas as mulheres, seja ela cisgênero ou não.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção OpiniõesTodas as matérias sobre "Pitty"


Pitty: pedindo fim do grito de gostosa durante os showsPitty
Pedindo fim do grito de "gostosa" durante os shows

Pitty: zoando a Glória Pires no Oscar via twitterPitty
Zoando a Glória Pires no Oscar via twitter


Sexo e Satã: as mensagens subliminares em capas de Rock / MetalSexo e Satã
As mensagens subliminares em capas de Rock / Metal

Ninguém é perfeito: os filhos bastardos de pais famososNinguém é perfeito
Os filhos "bastardos" de pais famosos


Sobre Laíssa Pereira de Almeida

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280