Guitarra: Como criar bons riffs

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Herick Sales, Fonte: Herick Sales Guitar
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

"Um riff é uma progressão de acordes, intervalos ou notas musicais, que são repetidas no contexto de uma música, formando a base ou acompanhamento. Riffs, geralmente, formam a base harmônica de músicas de jazz, blues e rock." Fonte: wikipedia

124 acessosGuilherme Costa: demonstrando técnicas em 5 clássicos do rock/metal5000 acessosRammstein: "Se alguém rir das gordinhas, eu quebro a cara dele!", diz Till Lindemann

Que me desculpem os moderninhos, mas não se faz mais tantos riffs bons quanto antigamente. Vejo por muitas vezes, bandas batalhando quantidade de notas, saltos e técnicas, num mesmo compasso, com rítmica reta, e sem uma marca registrada, sem algo que grude em sua mente. Dia desses, ouvi uma banda de grande sucesso da garotada hoje em dia ( não citarei nomes ), e ouvi uma puta agressividade, mas com um riff que não grudou. Simplesmente, ao fim da música, se tocasse novamente, eu não saberia dizer que música era. E quando não é assim, ocorre aquela sensação ruim deja vu, de que você já ouviu aquilo antes, e não foi uma vez só, e sem aquela característica própria na pegada e no timbre. Certa vez, quando questionado se ouvia metal atual, Tonny Iommi disse que não, pois era chato ouvir algo, que ele já tinha feito muito parecido antes. Presunçoso? Talvez, mas com certeza ele não está errado. Um riff possue característica marcante que te leva junto com a música, e não interessa ao ouvinte, se você está usando 789 notas, tappings, ou o cassete a quatro. Certa vez João Castilho disse em seu livro "Estudando Improvisação", que muitos músicos se prendem apenas ao contexto harmônico, e não levam em conta o ritmo. Você pode usar a mesma sequência harmônica para tocar um rock, ou um funk, mas seus improvisos precisam se valer de cada linguagem. Com os riffs, a mesma coisa: muitos se preocupam somente com dissonâncias, velocidade, quantidade de notas, e não dão atenção suficiente ao ritmo, ao groove, e até mesmo a pausas. Muitos falam do riff de "Smoke on the Water" ou o de "(I Can’t Get No) Satisfaction", que são em demasia simples, porém, você seria capaz de ter feito um riff tão marcante, que figurasse como histórico? Ou até mesmo rápido e cheio de notas como o de "Master of Puppetes" , mas em que cada nota está no seu devido tempo e lugar? Seria capaz de compor um riff soturno, pesado, e simples, como o de "Refuse/Resist"? Há uma magia em compor riffs que leva a música pra frente, embala a própria, e quando bem costurada, gruda na mente do ouvinte. Gosto de Dream Theater, mas quem nunca ouviu milhares de riffs bons numa música só deles, que mal tiveram tempo de sobreviver antes de ser trocado? O riff, seja lá se é feito com single notes, power acordes, ghost notes, ou uma nota, precisa ter vida, e fazer quem te ouve vibrar e servir de alimento para sua canção, favorecendo quem sabe, para que ela se torne especial para alguém além de você e seu ego, como esses caras abaixo, fizeram com maestria.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 18 de novembro de 2015


124 acessosGuilherme Costa: demonstrando técnicas em 5 clássicos do rock/metal126 acessosGuitarra: Licks Aranha (misturando Satriani e Paul Gilbert)0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Instrumentos"

Heavy MetalHeavy Metal
50 dos mais famosos riffs em 18 minutos

Damian SalazarDamian Salazar
O músico de rua mais shreder que você ja viu

Obras de arteObras de arte
Alguns instrumentos únicos dos músicos do rock japonês

0 acessosTodas as matérias da seção Opiniões0 acessosTodas as matérias sobre "Instrumentos"


RammsteinRammstein
"Se alguém rir das gordinhas, eu quebro a cara dele!"

U2U2
As 10 melhores músicas de todos os tempos da banda

MotorheadMotorhead
Perguntas dos fãs respondidas por Lemmy

5000 acessosNirvana: divulgadas novas fotos da cena da morte de Kurt Cobain5000 acessosHeavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 19825000 acessosBaladas do Metal: blog elege as mais bonitas de todos os tempos5000 acessosSimmons: "Falta coragem para processar quem faz downloads!"5000 acessosMarilyn Manson: abrindo o coração para o The Guardian5000 acessosManowar: dez fotos que não são agradáveis de se ver

Sobre Herick Sales

Herick Sales, professor de guitarra e violão há 12 anos, amante de blues e rock em geral.

Mais matérias de Herick Sales no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online