Matérias Mais Lidas

imagemPrika Amaral esclarece por que contratou apenas mulheres europeias para a Nervosa

imagemA opinião de Dave Mustaine sobre a clássica "The Unforgiven", do Metallica

imagemLegião Urbana e a surpreendente música que serviu de base para "Ainda é Cedo"

imagemAudioslave: Tom Morello recorda seu sinistro primeiro encontro com Chris Cornell

imagemCinco músicos que começaram vida nova após saírem de grandes bandas de heavy metal

imagemJames Hetfield e esposa Francesca se divorciam após 25 anos de união

imagemVocalista do Anvil afirma que Rob Halford e Ian Gillan são personagens

imagemNando Reis relembra curioso único game que jogou na vida, durante gravação dos Titãs

imagemNando Reis e a linda música que Samuel Rosa dispensou por ter recebido na hora errada

imagemJanis Joplin: última gravação dela em vida foi feita para um Beatle

imagemAs seis músicas do Metallica que Dave Mustaine ajudou a escrever

imagemO show do Black Sabbath que acabou em tumulto por conta de uma garrafa

imagemO comovente relato de Kiko sobre como foi gravar em meio ao câncer de Mustaine

imagemAs faixas do "Black Album" que James Hetfield e Lars Ulrich não curtem

imagemAs 10 melhores versões metal de músicas pop dos anos 1980, em lista da Metal Hammer


Stamp

Cover x autoral: a vitória do consagrado sobre a criatividade

Por Fernando Moraes
Em 27/04/15

Hoje liguei para um bar conceituado na região onde moro para saber se minha banda poderia tocar lá. Antes, havia ido ao local, mostrei o CD, falei sobre os eventos que tocamos e também contei sobre as matérias do grupo na mídia, além do fato de algumas músicas da gente terem tocado em rádios. A resposta foi essa, na lata: "Desculpe-nos, sua banda não tem o perfil". O problema é que não foi a primeira vez que aconteceu. E também sei que não é só com a gente que rola isso.

Conversando com colegas de outros lugares, membros de bandas talentosas, disseram que também estão acostumados a ouvir coisas similares. Ou seja, se você faz som autoral, ou você está ligado a algum coletivo -, uma aposta válida para quem busca reconhecimento para seu trabalho-, ou busca outras formas alternativas de mostrar o trabalho. E a internet é muito útil neste sentido. Mas sobreviver de música? Desencana, quase impossível!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

É intrigante como é decadente o espaço para a criatividade enquanto o mercado para o testado, aprovado, consagrado só cresce. No caminho para a casa ontem, ouvi numa rádio Rock várias vezes durante o intervalo da programação anúncios de shows: Não perca dia tal Metallica Cover, Raimundos Cover, Iron Maiden Tributo. E o mais interessante é que as músicas de fundo da publicidade eram os sons originais, não os dos covers fazendo versão.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Pensa bem: você empresta o nome do artista consagrado, toca as músicas que alguém criou e todo mundo conhece e ainda conta com a publicidade com trilha sonora original! Não tem como dar errado, ainda mais quando o vocalista imita a dancinha do Axl Rose no palco (sim, eu ri ao escrever isso). Eu mesmo curto o trabalho de algumas bandas, principalmente se as originais não existem mais e sei que nunca terei oportunidade de vê-las ao vivo.

O problema não é quem faz cover, mas a atitude do público. Você pode não perceber, mas cada vez que sobe ao palco um tributo, continua no anonimato alguém que no futuro poderia ser um artista no nível de Cazuza, Renato Russo, André Matos, Max Cavalera, Zé Ramalho ou de qualquer outro gênero. É a vitória do consagrado sobre a criatividade. 10 a 1 pra eles.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E não são apenas as bandas novas que sofrem com este dilema. A maioria das bandas clássicas se resumiu a fazer cover delas próprias! Como lembrou o colega baixista Paulo Pascale, muitos comentam que se novas bandas fizessem músicas no estilo de algum clássico do rock iriam escutar o som novo. Só que estas mesmas pessoas se esquecem que as grandes bandas lançaram novos discos/músicas e ninguém liga pra elas também, só querem ouvir os clássicos. Resumindo: Ninguém quer ir atrás de novidades, seja de bandas grandes ou não.

Como disse antes, grande parte da responsabilidade é do mercado. Mas aceitar passivamente que nosso comportamento enquanto público tenha se reduzido a ouvir repetidamente o que já gostamos e fecharmos os olhos para o que podemos gostar é deprimente. Se a juventude dos anos 80 foi a geração coca-cola e tudo o que o pessoal ainda quer é ouvir as novidades daquela época... é amigo, então azedou faz tempo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Contatos: Twitter: @fermoraes e @rotaventurarock e:mail: [email protected]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Kiss: como foi demitir Eric Carr em seu leito de morte

O Whiplash.Net protege algumas bandas e prejudica outras?


Sobre Fernando Moraes

Jornalista e Relações Públicas, Fernando Moraes é também músico independente, vocalista e guitarrista da banda paulista Rota Ventura. Amante de Rock, de música de qualidade e entusiasta dos artistas autorais, seus artigos falam sobre o cenário do novo Rock Nacional e os desafios daqueles que fazem de tudo para que grandes bandas continuem surgindo e mantendo vivo o estilo de som mais amado de todos os tempos.

Mais matérias de Fernando Moraes.