Tamanho não é documento - Um manifesto contra a padronização do cabelo grande

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victoria Borges
Enviar correções  |  Ver Acessos

Desde que eu fui inserida pela minha mãe no meio do Rock, eu fui apresentada aos estereótipos. Meu pai dizia que esse gênero era coisa de gente violenta, suja , que gostava de arrumar brigas sem motivo e que não se cuidavam, pois tinham os cabelos enormes e que abrigavam dezenas de piolhos. Já minha mãe, dizia que meu pai era mentiroso e que não podia falar de Rock, já que ele tocava Samba e nunca tinha visto como tudo funciona de perto.

Maridos traídos: Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'AnnoMuito antes do Led Zeppelin: A origem da guitarra gêmea

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Cresci entre os discos do Queen, Bon Jovi e Van Halen da minha mãe, e fui esquecendo o que meu pai dizia, enquanto cantarolava "You Give a Love a Bad Name" ao lado dela em casa, mas uma coisa ficou cravada na minha mente: "Todo banger tem cabelão", e isso durou só até eu conhecer Judas Priest, me surpreender com a careca reluzente de Mr. Halford e perceber que não havia um padrão rígido e fixo de como um apreciador de metal deva ser.

Mesmo assim, se você der uma rápida volta em meia dúzia de páginas voltadas ao público headbanger, você vai ver o tipo tradicional. Cabeludo, com uma cara não muito amigável, às vezes adornado com tatuagens e piercings, seguidos de alguns comentários com o objetivo de exaltar essa característica marcante dos moços. Se tudo ficasse por aí, não seria algo de que se reclamar, mas não acaba por aqui.

Muitas moças (não estou generalizando, por favor), fazem disso um parâmetro de avaliação para os homens. Já tive de consolar um amigo que levou um fora de namorada porque cortou o cabelo para conseguir uma promoção no emprego. E o que mais me surpreende é que essas mesmas pessoas que dizem abominar estereótipos, acabam o propagando sem perceber, e trazendo junto com ele aquele velho habito de medir o conhecimento musical de alguém pelo tamanho das madeixas, o que nem sempre funciona. Wesley Safadão é o melhor exemplo disso hoje em dia.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Entendam que o problema não é gostar, admirar e querer ter um parceiro de cabelos longos, e sim fazer disso algo padrão e indispensável para qualquer relacionamento. Seja amizade, namoro ou algo parecido.

Moços, não se sintam diferentes por não ter um cabelo gigante, pois isso não te define. O que te define são as tuas atitudes, o jeito como tu te portas e como você pensa. Se tu queres ter um cabelo enorme porque te sentes bem e acha que te favorece, siga em frente! Invista, cuide e faça bom uso de suas longas madeixas. Mas se você quer isso apenas para se afirmar como banger, repense essa ideia. Até porque, se cabelo fosse tão importante, não te mandariam cortar por causa de trabalho, não é?




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Opiniões

Maridos traídos: Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'AnnoMaridos traídos
Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'Anno

Muito antes do Led Zeppelin: A origem da guitarra gêmeaMuito antes do Led Zeppelin
A origem da guitarra gêmea


Sobre Victoria Borges

Carioca, futura bailarina que aprendeu a curtir boa música em família e daí pra frente não parou mais.

Mais matérias de Victoria Borges no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280