Como o Metallica definiu uma vida

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collector´s Room
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Calças jeans, camiseta, o inseparável All Star nos pés e alguns pêlos na cara. Foi assim que, no alto dos meus 14 anos, em 1986, entrei em uma loja de discos no interior do Rio Grande do Sul para realizar um ritual que me acompanharia pelo resto da vida: procurar LPs, descobrir novas bandas, ouvir novos sons.

555 acessosMetallica: Lars queria ver Phil Rudd tocando Enter Sandman5000 acessosMetal Extremo: chocando os jurados em reality-shows

Fuçando nas prateleiras repletas de vinis, folheando cada um dos discos que se sucediam à minha frente, eis que dou de cara com um álbum que me fez parar, suar frio e sentir minhas pernas tremerem. O álbum era "Ride the Lightning", segundo disco de um grupo muito falado por aqui, mas pouco ouvido naquela época: o Metallica.

Muito falado porque as revistas especializadas de meados dos anos oitenta, como a paulista Rock Brigade e a carioca Metal, não cansavam de estampar a banda em suas páginas, sempre com elogios enormes para aquele quarteto californiano. Pouco ouvido porque, diferente de hoje em dia, quando praticamente qualquer bandeca oriunda dos mais remotos cantos do mundo tem seus discos lançados em nosso país, naquele tempo isso não acontecia. Encontrar aquele álbum daquela banda que você queria muito conhecer - e não podia, porque não havia MP3 para baixar, ou você comprava o LP ou pedia para um amigo seu que tinha gravá-lo para você - era, quase sempre, um exercício de paciência e garimpo.

Foi por isso que, naquele dia, subitamente minhas pernas cambalhearam e fiquei pálido. Ali, na minha frente, estava um disco sobre o qual eu já havia lido muito, de uma banda da qual eu sabia o nome dos integrantes de cor, mas cujo som eu ainda não havia ouvido! Foi com extrema calma que peguei o LP, com os olhos vidrados naquela bela capa azul repleta de raios, e me dirigi até a cabine para ouvi-lo. Em um misto de calma e ansiedade, retirei o vinil de dentro do plástico, coloquei-o sobre o prato e, com a mão tremendo, dirigi a agulha até seus sulcos.

O som que saía do fone de ouvido era o de um belíssimo violão sendo dedilhado, preparando o caminho para o que viria a seguir. Quando o riff de "Fight Fire with Fire" finalmente surgiu, com suas guitarras pesadíssimas, rápidas e cheias de palhetadas empolgantes, foi como seu eu tivesse levado um soco no estômago! Naquele momento experimentei uma sensação que nunca mais iria se repetir em toda a minha vida: o que saía dos sulcos daquele LP era o som que habitava a minha cabeça adolescente há tempos, me empolgava em meus sonhos juvenis delirantes, mas que eu nunca havia topado pela frente!

As faixas se sucediam, e o sorriso em meu rosto ia tomando proporções épicas, enquanto, apesar de o meu corpo permanecer dentro daquele loja de discos, minha mente estava nos mais incríveis e distantes lugares, menos ali. "Ride the Lightning", "For Whom the Bell Tolls", "Fade to Black", "Trapped Under Ice", "Escape", "Creeping Death" e a incrível "The Call of Ktulu" tiveram um impacto imediato e gigantesco sobre mim, transformando-se, sem pedir licença, na trilha sonora da minha vida.

Música é emoção. Para quem ouve, para quem compõe e para quem toca. Tentar racionalizá-la é transformar um lindo quadro repleto de cores em uma tela sem vida. É por isso que aquilo que vivemos com tanta intensidade, as experiências que marcaram nossas vidas, nos acompanham até o final de nossos dias. É por isso que, mesmo passados mais de vinte anos daquele primeiro encontro, até hoje sinto algo diferente, um frio na espinha, toda vez que ouço qualquer coisa do Metallica.

Ter uma experiência musical tão intensa quanto essa é o que diferencia um ouvinte comum de caras como eu, como você e como todos os outros que acessam a Collector´s Room. O poder da música, a paixão que ela nos faz sentir, com o coração batendo mais forte e a cabeça balançando involuntariamente toda vez que o som sai dos alto-falantes, mesmo quando você já deixou de ser um adolescente há décadas, é o que nos faz sentir vivos, com o sangue pulsando nas veias e a energia rolando pelo corpo.

Uma sensação tão forte e intensa que deixa claro para quem a experimentou que não existe nada, absolutamente nada, impossível nessa vida. Que, por mais que nossos sonhos pareçam impossíveis e distantes, somos nós, e apenas nós, os responsáveis por realizá-los ou não.

É por tudo isso que James Hetfield, Kirk Hammett, Lars Ulrich e companhia sempre farão parte da minha vida - eternamente, em alto e bom som.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MetallicaMetallica
Lars Ulrich lamenta a morte de Chester Bennington

555 acessosMetallica: Lars queria ver Phil Rudd tocando Enter Sandman0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Metallica"

MegadethMegadeth
E se Lars Ulrich fosse o baterista de "Holy Wars"?

James HetfieldJames Hetfield
"Clint Eastwood era o melhor!"

Metallica:Metallica:
Lars Ulrich diz qual a música que define a banda ao vivo

0 acessosTodas as matérias da seção Opiniões0 acessosTodas as matérias sobre "Metallica"

Metal ExtremoMetal Extremo
Chocando os jurados em reality-shows ao redor do mundo

Doom MetalDoom Metal
Os trabalhos essenciais segundo o About.com

Robert PlantRobert Plant
"Quase saí do Led quando meu filho morreu!"

5000 acessosMetallica: as extravagâncias da banda para tocar no Rock in Rio5000 acessosSlipknot: causando medo no cantor Latino durante o Rock In Rio5000 acessosMegadeth: as pérolas mais polêmicas ditas por Mustaine5000 acessosBlack e Death Metal: foto inspira criação de logotipos de bandas5000 acessosZakk Wylde: foto do arsenal de guitarras do músico5000 acessosJeff Hanneman: A experiência com cocaína do lendário guitarrista

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online