Sepultura: "Uma reunião hoje é mais possível que anos atrás!"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Cleber Monteiro, Fonte: The Flint Journal
Enviar correções  |  Ver Acessos

Christina Fuoco do The Flint Journal recentemente conduziu uma entrevista com Max Cavalera (SOULFlY/EX-SEPULTURA). Confira alguns trechos da conversa:

Cradle Of Filth: Dani Filth explica seu conceito de religiãoDinho Ouro Preto: "É assustador ver todo o rock ficar de direita"

Sobre a possibilidade de uma reunião do SEPULTURA: "Não há nada oficial ainda, mas sim, eu diria que hoje é muito mais real que alguns anos atrás".

Sobre a jam com seu irmão Iggor (ex-SEPULTURA) mês passado: "Iggor ligou e disse que queria estar lá... o minimo que podia fazer era chamá-lo para uma jam. Fizemos jams a vida toda. Nós começamos a banda juntos. Foi um presente para os fãs. Eu vi os rostos na platéia e eles estavam curtindo muito. E claro, teve toda aquela reação na Internet. Eu meio que tinha esquecido quanta controvérsia ou sei lá o que essas coisas trazem. Eu apenas estava feliz de vê-lo, conversar com ele e tocar com ele. Todo lugar que vou, as pessoas me perguntam sobre isso."

Sobre a separação do SEPULTURA: "Foi uma época estranha. A banda estava ficando popular e ao mesmo tempo que você fica popular, um monte de problemas aparecem. Uma coisa traz a outra. Então, dentro da banda havia muita briga. Nós éramos jovens também. Parcialmente me culpo um pouco. Eu acho que a coisa certa para se fazer era dar um tempo de uns 2 anos e se distanciar de tudo, e talvez a banda nunca teria se separado. Mas não fizemos isso."

"Depois da morte de Dana (seu enteado,Dana Wells), nós nos esforçamos para sair em turnê, mas ninguém estava afim. Isso resultou em muita tensão e eu acabei saindo. Mas uma coisa realmente legal veio disso - SOULFLY, o qual eu amo. Então é tipo 'Sim, você sabe,era pra acontecer'".

"Eu estava muito desapontado e triste no começo mas o SOULFLY veio para responder muitas de minhas questões. O SOULFLY preencheu o vazio na minha vida, está preenchendo agora e para sempre. Acho que vou ser grato ao SOULFLY. Foi o que me salvou de parar com a música. É algo ruim e bom ao mesmo tempo".




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Sepultura"Todas as matérias sobre "Soulfly"Todas as matérias sobre "Max Cavalera"


Max Cavalera: entrevista com Danilo Gentili disponível na íntegraMax Cavalera
Entrevista com Danilo Gentili disponível na íntegra

Sepultura: Uma entrevista sincera e reveladora para Gastão MoreiraSepultura
Uma entrevista sincera e reveladora para Gastão Moreira


Cradle Of Filth: Dani Filth explica seu conceito de religiãoCradle Of Filth
Dani Filth explica seu conceito de religião

Dinho Ouro Preto: É assustador ver todo o rock ficar de direitaDinho Ouro Preto
"É assustador ver todo o rock ficar de direita"


Sobre Cleber Monteiro

Nascido em 87,estudante de Publicidade e técnico em automação comercial. Nas horas vagas, toca guitarra nas bandas E.N.D. e Freak e vale dizer que sonha em seguir carreira profissional na música, assim como seus ídolos. É loucamente apaixonado pela namorada e ama seus amigos. Maiden-maníaco há mais de 10 anos (sim,desde molequinho), aprecia a boa música, independente do estilo ou vertente. Algumas bandas essenciais (além da já citada) - Faith No More, Nevermore, Cannibal Corpse, Kreator, Angra, Harem Scarem, Sepultura, Slayer. Ídolos supremos - Bruce Dickinson, Mike Patton, Dimebag Darrel e Warrel Dane.

Mais matérias de Cleber Monteiro no Whiplash.Net.

adGooILQ