Black Sabbath: Tony Iommi conta como quase matou Bill Ward

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Anderson Ferret, Fonte: Times Online
Enviar correções  |  Comentários  | 

Em uma entrevista com Mel Bradman do U.K.'s Times Online, em 2006, o guitarrista do BLACK SABBATH, Tony Iommi, 58 anos, relembrou das piadas absurdas praticadas por ele com seus colegas de banda e frequentemente, com consequências quase fatais.

378 acessosBlack Sabbath: em vídeo, dez grandes covers de músicas da banda5000 acessosDébil Metal: quando os fãs assustam os ídolos

"Eu era travesso nos meus tempos de escola e eu levei isso pra banda. Bill Ward, nosso baterista, era o centro das piadas. Se eu não aprontasse com ele, ele dizia: 'Você está bem? Você não fez nada comigo hoje.' Ele adorava quase tudo que nós fazíamos com ele.”

"Em 1973 nós fomos gravar um álbum em Beverly Hills. Nós alugamos a casa do John DuPont [herdeiro da fortuna oriunda da indústria química DuPont]. Era um lugar maravilhoso — sala de jogos e tudo mais. Nós estávamos mexendo pela casa e achamos um spray de tinta de ouro na garagem. Eu pensei: ‘Vamos pegar Bill com isso. Nós esperamos até que ele bebesse um pouco e ficasse inconsciente, tiramos suas roupas e aí jogamos spray no corpo todo, da cabeça aos pés. Aí nós achamos um balde de verniz e passamos nele também. Ele ficou muito doente depois disso.”

"Então nós chamamos uma ambulância. Você pode imaginar o que eles pensaram quando chegaram — vendo aquele sujeito deitado, pelado e todo cheio de spray de ouro. Eles perguntaram pra gente se tínhamos noção do que havíamos feito, dizendo que poderíamos ter causado sua morte por bloquear os poros de sua pele. Estavam realmente putos! Aplicaram nele uma injeção e disseram pra gente limpa-lo. Então voltamos na garagem e achamos um removedor de tinta. A pele dele estava incrivelmente vermelha, bem machucada. Nós rimos disso no dia seguinte, mas por Deus, não foi engraçado naquela noite”.

Iommi continua: "Bill e eu tínhamos um costume de tacar fogo no corpo dele em festas! Eu tinha que jogar álcool nele – o álcool que tinha no estúdio que nós usávamos para limpar os equipamentos. Tinha que jogar nele, tacar fogo e apagar em seguida. O efeito era completamente superficial – sem causar nada. Um dia eu quis fazer isso com nosso produtor. Eu disse pro Bill: ‘Posso tacar fogo em você?’ ‘Não, ainda não’ ele disse. ‘Estou ocupado.’ Algumas horas depois ele disse: 'Estou indo pra casa agora. Você quer tacar fogo em mim ou não? 'Peguei o álcool, joguei nele e assim que eu acendi, ele deu um grito. Todo o cabelo, sua barba, tudo pegou fogo. Ele caiu no chão, eu achei que ele estava rindo mas ele estava gritando. Ele teve queimaduras de terceiro grau. A mãe dele me ligou e disse: 'Seu maluco desgraçado! Tá na hora de você crescer. Bill quase teve que amputar as pernas’. Eu me senti mal.”

E a coisa prossegue: "O fato de eu ser o único que podia dirigir, eu que tinha que levar e buscar a banda nos shows. Mas leva-los de volta pra casa era um saco porque todo mundo dormia no caminho. Uma noite, eu achei um rua em Birmingham que era idêntica a da rua em que Ozzy morava, e decidi deixa-lo lá. Eu fiquei observando enquanto ele saia da van meio sonolento e tentava entrar na casa de alguém às 4 da madrugada. Aí eu fui embora. Ozzy morava a mais ou menos 1km e meio dali. Eu fiz a mesma coisa nas noites seguintes até que um dia ele reclamou. Então eu parei por um mês, depois ele caiu de novo nessa.”

Novamente a coisa é com Bill: "Num vôo, a língua do Bill estava bem afiada. A mulher que estava sentada na frente dele virou pra trás e disse: ‘Lave sua boca com sabão.’ Então ele foi no banheiro, pegou um sabonete e voltou com a boca espumando. 'Tudo bem assim?' ele perguntou pra ela. Em outra vez, dirigindo pelo deserto dos EUA, nós chegamos perto de uma casa de madeira com o escrito ‘Fogos de artifício’ na porta. Ozzy entrou e comprou todos os fogos da loja. Naquela noite, depois que todos nós fomos dormir no hotel – estava quase tudo embaçado — eu acordei e vi uma fumaça vindo pela minha porta. Eu olhei pelo olho-mágico e vi Ozzy no final do corredor, acendendo os foguetes. Ele causou um estrago imenso! A polícia veio, mas ele não parava. Ele estava louco, ainda acendendo os fogos. Pegaram os extintores e todos os hóspedes correram para a recepção de pijamas, pensando que estava pegando fogo no hotel. A polícia prendeu Ozzy. Eles me disseram que se a gente quisesse que ele saísse da delegacia nós tínhamos que pagar fiança. Eu disse pra eles manterem ele lá por uma noite, queria dormir um pouco.”

No final, Iommi justifica: "Mas você tem que se divertir quando se tem uma banda. Se você não fizer isso, você explode. Você precisa de algo pra relaxar. Muitas coisas que acontecem são causadas pelo convívio – um novo dia, uma nova piada. Isso é somente uma amostra do que a gente já passou. Mas essa banda é como uma vizinhança. Nós temos nossos altos e baixos, mas tentamos fazer de tudo, agradável. Nós temos sorte, na nossa idade, de ainda poder fazer isso. É fantástico. Especialmente desde que nós paramos de beber e continuamos fazendo isso sem cair."

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Black SabbathBlack Sabbath
O que Geezer Butler pensa sobre o fim da banda

378 acessosBlack Sabbath: em vídeo, dez grandes covers de músicas da banda1125 acessosBlack Sabbath: assista "War Pigs" do DVD "The End Of The End"1152 acessosBlack Sabbath: "Não tenho pressa em fazer nada"128 acessosEm 30/12/1979: Tommy Clufetos (Black Sabbath, Alice Cooper)0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Black Sabbath"

MorteMorte
Confira 15 das melhores músicas sobre o tema

PilaresPilares
O início do Heavy Metal em 1969

Pop ObscuroPop Obscuro
Doors, Black Sabbath, Alice Cooper e mais

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Brigas"0 acessosTodas as matérias sobre "Black Sabbath"


Débil MetalDébil Metal
Quando os fãs assustam os ídolos

MotorheadMotorhead
A gafe nazista de Lemmy em Nuremberg

Rock In RioRock In Rio
"O cara que quer ver o Metallica ou o Iron Maiden ama repetição"

5000 acessosCourtney Love: "Parei com drogas e transei como um coelho"5000 acessosGuns N' Roses x Nirvana: o que ocorreu em 1992?5000 acessosAs regras do Black Metal5000 acessosSuicide Silence: Lucker deixava claro gostar de velocidade5000 acessosAxl Rose: no dia do aniversário, fotos de 1984 a 20155000 acessosAngra: show da tour do "Angels Cry" disponível na íntegra

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 09 de maio de 2014
Post de 10 de maio de 2014
Post de 01 de outubro de 2015
Post de 19 de outubro de 2017


Sobre Anderson Ferret

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online