Evergrey: "sempre tentaremos evoluir"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por César Enéas Guerreiro, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar Correções  

Rikard Zander, tecladista do EVERGREY, respondeu recentemente a muitas perguntas de fãs através da página da banda no MySpace. Alguns trechos desse bate-papo:

Como você entrou na banda – isto é, o que você precisou fazer para chegar aonde chegou?

"Eu já toco teclado há muito tempo e passei por várias bandas. Em 1999 mudei-me para Gotemburgo [Suécia] e uns dois anos depois um amigo da banda MAYADOME me chamou. Ele me disse que o EVERGREY estava procurando um tecladista e perguntou se ele poderia dar a eles o meu número. Alguns meses depois fiz o meu primeiro show e o resto é, como dizem por aí, história".

publicidade

Como você decidiu viver da música e como essa decisão afetou sua família e seus amigos?

"Na verdade, eu não tomei essa decisão. É claro que isso é o que eu quero, mas as coisas simplesmente aconteceram. Mas não é fácil. Às vezes o aluguel atrasa um pouco, se é que você me entende. Meus amigos e meus pais sempre me apoiaram em minhas decisões, então acho que tive sorte nesse aspecto".

publicidade

O material do álbum "Monday Morning Apocalypse" mostra o EVERGREY buscando uma abordagem mais estruturada em relação à composição e menor ênfase nas sonoridades épicas do "The Inner Circle". Você acha que isso foi um esforço consciente para mudar o direcionamento ou foi uma evolução natural?

"Acho que as primeiras músicas do EVERGREY eram mais baseadas em seqüências de riffs. No "Monday Morning Apocalypse" procuramos compor as músicas com base em um só riff. Essa é provavelmente uma maneira mais tradicional de compor e é por isso que não soa tão épico. É natural procurar novos caminhos no processo de composição. Essa é a razão pela qual você lança o seu primeiro álbum: você quer fazer algo novo".

publicidade

Muitos fãs criticaram "Monday Morning Apocalypse" por esse álbum estar supostamente distante do som tradicional do EVERGREY. O novo álbum será diferente desse?

"Como eu disse, tentaremos evoluir sempre para continuarmos motivados. Eu não gosto de fazer algo parecido com o que já fiz. Na minha opinião, o básico ainda está lá, mas os arranjos e o som estão um pouco diferentes".

publicidade

Em relação à sonoridade da banda, qual foi seu papel no processo de criação do novo álbum? Você vai usar um som de piano mais tradicional ou vai experimentar sons sintetizados?

"Estamos apenas no início do processo, mas eu comprei recentemente um novo sintetizador, então vamos ver como isso vai se encaixar no som do EVERGREY".

Como você e o EVERGREY encararam a saída de Michael [Håkansson, baixo] e o quanto isso vai afetar a musicalidade dos próximos álbuns?

publicidade

"Quando vi o EVERGREY pela primeira vez, Michael foi quem mais me marcou. Ele tem um carisma incrível. É claro que ficamos tristes quando ele quis sair da banda, mas ainda somos bons amigos. Eu não acho que a musicalidade dos álbuns será muito afetada pela ausência de Michael, porque ele nunca esteve muito envolvido no processo de composição".

publicidade

Leia a entrevista completa neste link.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metal sueco: site elege as dez melhores bandas da SuéciaMetal sueco
Site elege as dez melhores bandas da Suécia

Tom Englund: os álbuns que marcaram o vocalista do EvergreyTom Englund
Os álbuns que marcaram o vocalista do Evergrey


Guns N' Roses: álcool, drogas e intrigas nos primórdios da bandaGuns N' Roses
álcool, drogas e intrigas nos primórdios da banda

Sonho de Consumo: os 10 palcos de shows mais desejadosSonho de Consumo
Os 10 palcos de shows mais desejados


Sobre César Enéas Guerreiro

Nascido em 1970, formado em Letras pela USP e tradutor. Começou a gostar de metal em 1983, quando o KISS veio pela primeira vez ao Brasil. Depois vieram Iron, Scorpions, Twisted Sister... Sua paixão é a música extrema, principalmente a do Slayer e do inesquecível Death. Se encheu de orgulho quando ouviu o filho cantarolar "Smoke on the water, fire in the sky...".

Mais informações sobre César Enéas Guerreiro

Mais matérias de César Enéas Guerreiro no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin