Cannibal Corpse: o segredo para se fazer música obscura

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Fabio Kuriyama, Fonte: Metal Maniacs, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

A edição de fevereiro de 2009 da Metal Maniacs trouxe uma entrevista com o baixista Alex Webster do CANNNIBAL CORPSE, onde ele explicou a legendária escala com 5ª diminuta.

35 acessosSom de Peso: uma resenha do "Vol 4" do Black Sabbath5000 acessosRoger Moreira: resposta bem humorada a "crítica" no Agora é Tarde

Metal Maniacs: Qual é a escala mais "obscura" do Metal?

Alex Webster: "Acredite, nós temos nos perguntando sobre esta questão. Eu posso dizer que a escala que mais utilizamos para fazer um riff pesado e sinistro é a escala diminuta com semi tom / tom ou tom / semi tom. Acredito que você esteja pensando que esta simetria adotada de escala seja o oposto das utilizadas pela maioria das igrejas tradicionais, que tocam de forma diatônica ou coisas em escala maior / menor. Nós podemos tocar em qualquer escala que iremos explorá-la e encontraremos uma forma de deixá-la pesada, porem a escala diminuta é muito mais garantida para se conseguir este tipo de resultado. Continuaremos a explorá-la por algum tempo..."

Metal Maniacs: Porque você acredita que seja isto?

Alex Webster: "São os intervalos. O que torna a música obscura é a ordem que se põe às notas e se estas tocadas juntas, soam desta maneira. Quando você toca com a terça maior, geralmente soa mais 'feliz' do que a terça menor. A escala diminuta traz ambos. Se tentar fazer um riff pesado, você terá que ter cautela com a tonalidade maior. Temos a tríade com a quinta diminuta que é o intervalo encontrado que soa mais pesado. Se estiver buscando por sons muitos pesados e intervalos com sons mais misteriosos, se tem a terça menor e a sexta maior, a qual você pode trocar pela terça menor, encontrando este resultado. É isto que te traz para o Death Metal. Se algum músico quiser estudar nossa banda ou outras de Death, eles provavelmente verão isto em todos os lugares, porque esta escala soa bem para este tipo de trabalho".

Metal Maniacs: É esta a escala utilizada em "Black Sabbath" do BLACK SABBATH?

Alex Webster: "Sim, acredito que seja um arpejo diminuto e aposto que voce esteja imaginando o 'Bomp, Boomp, BAAA'. Esta é a raiz, uma tríade com a oitava indo para quinta diminuta - a terceira nota é a quinta diminuta com o arpejo em oitava. Basicamente é o que se tem nesta música. Isto a torna única, com um dos riffs mais demoníacos da história do Metal e também liderando disparadamente como uma das musicas mais pesadas do rock".

Metal Maniacs: Eu espero que o papo não esteja tão técnico, mas de qualquer forma é muito interessante...

Alex Webster: "Honestamente, mesmo que o CANNIBAL CORPSE seja uma banda reconhecida por suas letras controversas, arte-final e diversas outras coisas, o que estamos realmente focados é na música. Provavelmente nós sejamos mais músicos de uma banda do que qualquer outra coisa que venha na cabeça das pessoas quando se pensa sobre nós no primeiro instante. Quando me perguntam sobre intervalos, escalas, ritmos e coisas parecidas, leva um tempo até que consigam me fazer parar de falar..."

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Sabbath e MaidenSabbath e Maiden
Bandas lançam álbuns ao vivo no mesmo dia

35 acessosSom de Peso: uma resenha do "Vol 4" do Black Sabbath690 acessosBlack Sabbath: Geezer Butler tem 120 riffs para novo projeto835 acessosBlack Sabbath: em vídeo, dez grandes covers de músicas da banda0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Black Sabbath"

Donald TrumpDonald Trump
A história do presidente dos EUA com o rock

MetallicaMetallica
Eles arrecadam bem mais que Iron Maiden e Black Sabbath

Meet & GreetMeet & Greet
Como os roqueiros de verdade se comportam

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Cannibal Corpse"0 acessosTodas as matérias sobre "Black Sabbath"


Roger MoreiraRoger Moreira
Resposta bem humorada a "crítica" no Agora é Tarde

ScorpionsScorpions
As 20 melhores canções com temática romântica

Dave MustaineDave Mustaine
"Há bandas cujo nome me ofende"

5000 acessosMetallica: prejudicando as finanças da Igreja Universal5000 acessosSonho de Consumo: os 10 palcos de shows mais desejados5000 acessosRush: Um Adeus Aos Reis5000 acessosSlayer: Tom Araya revela seus ídolos do baixo5000 acessosOzzy Osbourne: os conselhos do Madman sobre masturbação2980 acessosMetallica: 335.000 fãs banidos na batalha contra o Napster

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 08 de fevereiro de 2015


Sobre Fabio Kuriyama

Analista de sistemas, 28 anos, carioca nato, rockeiro e headbanger de coração, curte de Carcass a Metallica passando por The Cure a Deftones. Tenta ser um bom Baixista nas horas vagas mas há mais esforço do que talento. :)

Mais matérias de Fabio Kuriyama no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online