Paul Stanley: "queria fazer certas pessoas desaparecerem"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Karina Detrigiachi, Fonte: Detroit Free Press, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Paul Stanley, do KISS, concedeu em 2009 uma entrevista ao Detroit Free Press e abaixo podem ser conferidos alguns trechos da conversa.

530 acessosMarcos de Ros: Gene Simmons, o Capitalista Malvadão5000 acessosOzzy Osbourne: Madman dá a cura para a ressaca

Você tirou alguma lição — boa ou ruim — do "Psycho Circus" de '98?

Stanley: "O que eu aprendi é que você não pode fazer um álbum sem uma banda. Foi uma tentativa corajosa em fazer um álbum onde as pessoas estão falando ao telefone com seus advogados ao invés de estar no estúdio. Você não pode trabalhar quando as pessoas têm uma percepção distorcida de suas capacidades ou... acho que uma visão distorcida da posição deles. Ou quando você tem gente insistindo em ter uma certa quantidade de canções no álbum. Você não pode fazer um álbum quando as pessoas estão mais preocupadas em promover a si do que promover a banda".

Nomes e detalhes?

Stanley: "Eu acho que nós tivemos pessoas que estavam delirantes sobre as suas habilidades de composição e habilidades musicais. Houve uma volta lamentável de maus hábitos que as pessoas tinham jurado que jamais fariam novamente. É estranho quando as pessoas voltam para a banda, gratas, com promessas de que aprenderam com seus erros, e logo que eles têm dinheiro em seu bolso, rapidamente desenvolvem amnésia".

Você ainda está feliz por ter feito a reunião?

Stanley: "Totalmente. Totalmente. No início, foi mágico. Mas, no final, a única mágica que eu queria era fazer certas pessoas desaparecem. E isso foi uma vergonha. Havia potencial para ser muito mais do que uma reunião de turnê.

Mas eu rapidamente me dei conta de que isso não poderia progredir. Era uma oportunidade para as pessoas aprimorarem suas habilidades e levar a banda para outro nível. Mas eu acho que isso foi deixado para Tommy [Thayer], Eric [Singer], Gene [Simmons] e eu. Eu não quero acabar com o barato de ninguém, mas a verdade é que, rapidamente se tornou muito difícil pois as pessoas perderam o foco no objetivo. E este não é o espírito de reunião com o qual começamos. A razão pela qual fizemos uma turnê de despedida é porque simplesmente não era possível continuar. Certamente, não foi divertido. Não vale a pena fazer algo se não for divertido. O que eu aprendi no final da despedida foi que eu não queria dizer adeus ao KISS. Eu queria dizer adeus a alguns dos membros. [Risos]. E felizmente, a maioria dos fãs não queriam que a banda chegasse ao fim".

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Paul StanleyPaul Stanley
"Guitarristas não aprendem a fazer base"

530 acessosMarcos de Ros: Gene Simmons, o Capitalista Malvadão493 acessosAce Frehley: "Anomaly" ganha versão deluxe; ouça música inédita766 acessosKiss: bicicleta de triathlon em edição limitada0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Kiss"

Gene SimmonsGene Simmons
Explicando por que álbum do Guns é um de seus favoritos

Lemmy KilmisterLemmy Kilmister
"Esta coisa de Black Metal me faz rir!"

Gene SimmonsGene Simmons
Sexo com vocalista do Linkin Park na cadeia?

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Kiss"

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Madman dá sua receita para curar ressaca

ManowarManowar
A vida real e nada épica dos Reis do Metal?

Filhos de RockstarsFilhos de Rockstars
Qualquer coincidência é mera semelhança

5000 acessosMarilyn Manson: é do cantor o vídeo mais assustador5000 acessosEm 11/05/1981: Bob Marley morre, vítima de um tumor no cérebro5000 acessosRolling Stone: os 100 melhores álbuns dos anos 905000 acessosZakk Wylde para Phil Anselmo: "o que você está fazendo, cara?"5000 acessosPower metal: os 10 discos essenciais segundo o TeamRock5000 acessosRoger Waters: acusado de plágio, novo disco não está sendo vendido na Itália

Sobre Karina Detrigiachi

Designer, nascida na cidade de São Paulo, Kari como é mais conhecida, cresceu ouvindo Deep Purple, Led Zeppelin, Skid Row e Alice Cooper. É apaixonada por todas as vertentes do Metal, porém ouve de tudo um pouco sem se prender a rótulos.

Mais matérias de Karina Detrigiachi no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online