Portnoy: "Não consigo acordar e ir para o trabalho!"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Karina Detrigiachi, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Mike Portnoy, baterista do DREAM THEATER, participou do "Ask The Artist", uma sessão de perguntas feita pela gravadora Roadrunner Records na qual os fãs enviam perguntas para os músicos. Abaixo podem ser conferidas algumas das perguntas e suas respectivas respostas.

5000 acessosPortnoy: ele entende porque os caras do DT recusaram o convite5000 acessosEm 10/08/1993: Euronymous é assassinado por Varg Vikernes

O DREAM THEATER já pensou alguma vez na possibilidade de fazer trilhas sonoras para filmes?

Portnoy: “Nós adoraríamos; falamos sobre isso a nossa carreira inteira, especialmente o nosso lado instrumental. Às vezes improvisamos algumas jams e usamos muito disso no LIQUID TENSION EXPERIMENT. Nós adoraríamos, precisamos apenas da oportunidade certa. Bandas como PINK FLOYD costumavam fazer isso nas décadas de 60 e 70, eles fizeram a trilha sonora para alguns filmes. Eu acho que nós seríamos capazes de fazer coisas legais, estamos apenas esperando o convite.”

Estamos todos conscientes de que a sua recuperação do alcoolismo tem muito a ver com a participação em reuniões e trabalho nas etapas em uma base diária, e às vezes até mesmo patrocinando alguém. Como você lida com essas questões sendo um músico na estrada? Você ainda vai às reuniões quando está em casa, ou ainda encontra tempo para ir às reuniões em outros países?

Portnoy: “Essa é uma boa pergunta. O Alcoólicos Anônimos foi a solução para o meu problema. Não é para todos, pessoas diferentes têm maneiras diferentes de resolverem os seus problemas, mas para mim essa foi a solução. Não consegui parar até que comecei a ir às reuniões, e daí fui capaz de abandonar as drogas e bebidas de uma vez por todas.

Estou chegando a dez anos de sobriedade, graças às reuniões do AA. Nos meus primeiros anos de sobriedade eu tinha que ir para as reuniões todo dia, e eu ia todos os dias, e mesmo em turnê a primeira coisa que eu fazia quando eu chegava em uma cidade era ligar pra um centro de informações e encontrar uma reunião para ir. Eu fui a reuniões em todos os lugares do Kansas a Tóquio a Londres, e vários outros lugares. Foi absolutamente obrigatório para minha sobriedade.

Agora, quase dez anos depois, eu sou capaz de ir para a estrada sem ir às reuniões, mas parar completamente não é recomendado, você realmente tem que sempre ir para as reuniões. Talvez as pessoas em casa possam se perguntar por que eu ainda estou indo, mas sei que se eu não for, vou beber novamente. Você tem que manter o hábito. Eu não vou agora tanto como eu costumava ir, mas eu ainda vou, e isso é absolutamente imprescindível para mim”.

O DREAM THEATER oferece muito material aos fãs como DVDs, shows ao vivo, bootlegs, projetos paralelos e etc. Com tanta coisa acontecendo, como você relaciona estar em uma banda e ser um artista de maneira individual?

Portnoy: “Bem, gestão de tempo é um grande problema para mim porque eu estou supervisionando todo este material para a banda, por isso é uma questão de como espremer tudo isso. Não sei, eu simplesmente fui construído para me manter ocupado. Os outros caras podem ir para casa e tirar semanas ou meses de férias e não fazerem nada e eles ficam bem com isso, mas para mim, eu preciso estar fazendo um milhão de projetos.

Eu não sei qual é a resposta, não é algo que você pode planejar. Ou você é este tipo de pessoa - um workaholic - ou você não é. Há algumas personalidades que são feitas pra isso, e felizmente, ou infelizmente, minha personalidade é assim".

Eu gostaria de seguir uma carreira na música com a minha banda. Da sua perspectiva, o sucesso dos negócios no mundo do entretenimento era diferente do que você esperava quando você ainda era adolescente e começou o DREAM THEATER?

Portnoy: “Tudo é como eu sonhei, eu comecei a viver uma vida encantada e sou muito agradecido por isso. Graças a Deus eu consegui ser bem sucedido neste negócio porque eu realmente não posso fazer mais nada, além disso, no mundo real. Eu não consigo acordar de manhã e ir para o trabalho, eu não posso fazer nada que seja conveniente, por isso agradeço a Deus pois tive sucesso em fazer algo criativo.
Quando formamos a banda, não tínhamos essas ilusões de tocar no mundo inteiro, vender discos e turnês, não era nosso objetivo. Éramos apenas um bando de garotos que queriam tocar música juntos.

Acho que se nós realmente quiséssemos ter todos essas recompensas do estilo de vida rock n' roll, nós provavelmente teríamos escolhido um estilo diferente de música! Se fosse tudo sobre sexo, drogas e rock n 'roll eu provavelmente deveria ter sido de uma banda como o MÖTLEY CRÜE, mas de alguma forma acabamos fazendo o que DREAM THEATER faz, o que obviamente é um estilo mais especializado de música no qual, se você quisesse ser rico e famoso, provavelmente essa não seria a melhor escolha.

Nós temos muita sorte de ter perseverança e de ter feito um nome e uma carreira para nós mesmos, fazendo o que fazemos, mas levou um longo, longo tempo para chegar onde estamos. Sou muito agradecido. Temos uma grande base de fãs em todo o mundo, temos que tocar para um grande número de pessoas toda noite, todos nós temos mulheres e crianças, e nós ganhamos dinheiro o suficiente para prover as nossas famílias com um estilo de vida agradável, e eu me encontrei e toquei com todos os meus heróis ao longo dos anos, por isso certamente foi um sonho que se tornou realidade”.

Para ler a entrevista completa (em inglês) acesse este link.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mike PortnoyMike Portnoy
Ele entende porque os caras do Dream Theater recusaram o convite

871 acessosNeno Fernando: Vocalista lança tributo ao Dream Theater301 acessosDarkos: os incríveis solos de guitarra de John Petrucci0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dream Theater"

Dream TheaterDream Theater
John Myung não tinha planos de ser baixista

Mike PortnoyMike Portnoy
"Eu baixo músicas o tempo todo"

Dream TheaterDream Theater
Mangini ficou boquiaberto com The Astonishing

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Drogas e Álcool"0 acessosTodas as matérias sobre "Dream Theater"

Em 10/08/1993Em 10/08/1993
Euronymous é assassinado por Varg Vikernes

AC/DCAC/DC
Brian revela segredo obscuro de Angus Young

Timo TolkkiTimo Tolkki
Surtando no Facebook com a filha contra brasileiros?

5000 acessosEm cana: os rockstars em suas fotos mais constrangedoras5000 acessosVinil: quais são os dez discos mais valiosos do mundo?5000 acessosLuís Mariutti para Nando Moura: "Estádio não se lota com views ou likes"4967 acessosCourtney: Pai acredita que filha tenha parte na morte de Kurt5000 acessosRed Hot Chili Peppers: eles se recusaram a tocar com Dave Matthews Band5000 acessosAndy Johns: "Nem imaginávamos que o Rock duraria tanto"

Sobre Karina Detrigiachi

Designer, nascida na cidade de São Paulo, Kari como é mais conhecida, cresceu ouvindo Deep Purple, Led Zeppelin, Skid Row e Alice Cooper. É apaixonada por todas as vertentes do Metal, porém ouve de tudo um pouco sem se prender a rótulos.

Mais matérias de Karina Detrigiachi no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online