Def Leppard: Phil Collen não gosta de tocar baladas

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nathália Plá, Fonte: blabbermouth.net, Tradução
Enviar Correções  

Reed Fischer do Broward Palm Beach New Times entrevistou recentemente o guitarrista do DEF LEPPARD Phil Collen. Seguem alguns trechos da conversa.

Broward Palm Beach New Times: É ótimo que vocês realmente dão crédito a todas as strippers da Flórida por fazerem da "Pour Some Sugar On Me" um sucesso tão grande.

Phil Collen: É engraçado como essa coisa de stripper espalha essa riqueza, mas sim, absolutamente. É realmente de onde aquilo veio. O álbum veio e meio que ficou na surdina inicialmente, e então elas começaram a tocá-lo para suas apresentações, e por causa disso, começaram a nos tocar nas estações de rádio locais. É uma das coisas que você quer ver acontecer com todas as músicas e diz "Sim, aquilo foi ótimo."

publicidade

Broward Palm Beach New Times: A propósito, por que você odeia tanto tocar baladas?

Phil Collen: Meu problema é que eu gosto de ter meu som amplificado e quando estamos tocando o tipo de coisa do DEF LEPPARD ou rock, é como aquela sensação de adrenalina. Você meio que diminui o ritmo quando toca baladas. Sabe, é legal, todo mundo cantando junto e tudo, mas eu simplesmente gosto de coisas mais pesadas, na verdade.

publicidade

Broward Palm Beach New Times: E ainda assim você gravou um álbum "Dreaming With Def Leppard", e o principal foi não ter o som amplificado.

Phil Collen: Absolutamente. Eu não tocaria esse tipo de coisa ao vivo. É na verdade meio blues e jazz, mas sim, eu nem sonharia em tocar isso ao vivo. Isso é para colocar crianças para dormir. É na verdade para que seus pais possam curtir, eu acho. Eu só toquei em três faixas. Sim, são bem legais.

publicidade

Broward Palm Beach New Times: Então o 35º aniversário da banda está chegando bem rápido. Vocês pensaram nisso ou conversaram sobre isso?

Phil Collen: Não, de jeito nenhum. Alguém me disse que vai fazer 35 anos no próximo ano e sabe, é aniversário ou o que quer que seja. Eu não sou uma pessoa de comemorar aniversário, então não importa muito. Todos na banda são assim também, com comemorações. Talvez seja legal fazer um tipo de versão especial do "Hysteria". Acho que devemos fazer algo assim. Nós sentimos falta disso.

publicidade

Leia a entrevista na íntegra no link abaixo.

http://www.browardpalmbeach.com/2011-06-09/music/def-leppard...




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Os Trapalhões: uma homenagem ao Heavy Metal em 1985Os Trapalhões
Uma homenagem ao Heavy Metal em 1985

Cinco contra um?: Roqueiros comentam como a revista Playboy os marcouCinco contra um?
Roqueiros comentam como a revista Playboy os marcou


Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin