Matérias Mais Lidas

imagemRegis Tadeu explica porque Sandy não deve cantar músicas do Metallica

imagemVeja Sandy cantando Metallica na TV Globo em programa de Marcos Mion

imagemO surpreendente disco que Tom Morello considera um dos melhores de todos os tempos

imagemApós incidente, Axl Rose anuncia mudança nos shows do Guns N' Roses

imagemNoel Gallagher revela o rockstar que ficou mais impressionado de conhecer pessoalmente

imagemAndreas Kisser opina sobre a reunião do Pantera, que começou nesse sábado

imagemA banda de rock que impressionou Paulo Ricardo e o fez ver grandeza do estilo em São Paulo

imagemCinco discos de heavy metal para ouvir sem pular nenhuma faixa

imagemGene Simmons admite que "Ace estava certo" sobre o Kiss no começo dos anos 80

imagemBeatles: Ringo Starr conta como foi o seu último encontro com John Lennon

imagemGene Simmons conta como a insegurança afetou o Kiss em "Creatures of the Night"

imagemGuns N' Roses: a curiosa e humilde reação de Axl Rose ao ser eleito "melhor vocalista"

imagemA estratégia do Barão Vermelho para evitar críticas de copiar Titãs nos anos 1990

imagemO maior álbum de todos os tempos, na opinião do saudoso Ronnie James Dio

imagemA opinião de Dino Cazares sobre o insano álbum "Roots", clássico do Sepultura


Summer Breeze
Samael Hypocrisy

Scott Weiland: talvez role uns shows com o Velvet Revolver

Por Nacho Belgrande
Fonte: Site do LoKaos Rock Show
Postado em 28 de julho de 2011

Como vocalista tanto do Stone Temple Pilots como do Velvet Revolver, Scott Weiland teve dois enormes picos em sua carreira separados por quase uma década. Mas seus feitos musicais foram por vezes ofuscados por sua vocação alternativa como drogadito profissional, um estilo de vida que eventualmente o colocou na cadeia depois de várias prisões. Agora limpo e reunido com o STP, ele diversificou suas atividades para a moda (com sua grife de roupas English Laundry), arte (ele planeja expor suas pinturas), e livros, na forma de sua franca autobiografia, Not Dead And Not For Sale.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Há alguma interpretação errada da sua pessoa?

Sim, provavelmente por causa de toda a atenção da mídia que eu recebi nos anos 90 com as drogas. No próximo dia 5 de dezembro completarei cinco anos limpo da heroína.. é como Keith Richards: as pessoas ainda parecem pensar que ele é esse cara que ainda é viciado. Então no livro eu disse, isso é como tudo aconteceu, é assim que tudo começou e porque começou, e foi assim que superei isso.

Seu irmão mais novo morreu de causas relacionadas a drogas.

Achávamos que fosse uma overdose, mas foi uma cardiomiopatia (doença muscular do coração) devido a anos de abuso de substâncias. Ele morreu dormindo e muito jovem. Há uma parte de mim que ainda está de luto por ele todo dia. Ele e eu éramos tão próximos. Perder uma pessoa que é seu irmão e seu melhor amigo – éramos parceiros criativos também... foi além de qualquer coisa...você nunca supera isso de fato.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Em seu livro, você menciona ter sido estuprado por um aluno veterano no ensino médio.

Eu sempre fui uma pessoa muito focada, e eu olho pra isso, tipo, toda vez que você cambaleia e cai, você tem que se erguer de novo, e toda vez que você o fizer, terá uma espécie de credo de que você não tem que desistir. Apenas pegue uma experiência tuim e a transforme em algo positivo. Pegue uma experiência ruim e a transforme em algo ainda melhor. Essa é minha filosofia.

Essa abordagem também lhe ajudou com sua experiência na prisão?

Com certeza. Eu estava nessa parte onde todo mundo era viciado em drogas, então tínhamos encontros de grupos de apoio todo dia e fazíamos muito trabalho. Não era agradável estar na prisão de modo algum. Eu não acho que o encarceramento de pessoas que sejam apenas usuárias seja necessariamente o caminho certo pra se seguir. Mas naquela época havia um programa dentro do sistema que me permitia lidar com as questões.

publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |

Do que você tem mais orgulho?

Meus filhos. Eles são o que me mantém por cima quando eu me sinto por baixo. Ver a luz nos olhos deles e aquele tipo de amor incondicional é até mais importante do que a minha música. Eles me mantém funcionando, com certeza.

Você acredita que haja uma força superior?

Ah sim, eu acredito em Deus. Quando eu era moleque eu ia à igreja todo domingo. Eu me lembro disso com carinho. Eu tive muita sorte naquela igreja em que congregava, igreja católica, era progressiva e não baseada em dogma. Eu não vou à igreja regularmente, mas quando eu vou me traz de volta uma sensação de reencontrar-se com o que você acredita.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Como você vê o Grunge hoje em dia?

Aquele foi um tempo mágico para a música e para a arte e para mudança social. Não houve um movimento tão forte no rock n’ roll desde então – apesar do (STP) nunca ter se considerado uma banda grunge. Mas foi um tempo de verdadeiro iluminismo e muita esperança.

E quanto ao Velvet Revolver?

Aquilo foi um tempo mágico também. Aquilo foi justo quando eu estava me livrando da heroína e aqueles caras estavam todos sóbrios e limpos, e eu tinha uma afinidade muito especial porque todos nós tínhamos vivido as mesmas coisas. A sensação era de éramos nós contra o mundo: "Vamos apenas tocar puro rock n’ roll." E eu acho que fizemos um excelente trabalho. Era uma excelente banda pra se ver ao vivo, e eu acho que fizemos dois álbuns muito bons.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Você os convidaria para jantar?

Ah sim. Nós nos entendemos e nos damos bem. Eu os vejo de vez em quando, nós escrevemos um ao outro. E você sabe, você nunca pode dizer nunca. Quem sabe, talvez façamos alguns shows algum dia.

Essa matéria pode ser lida na íntegra no site do LoKaos Rock Show:
http://lokaos.net/scott-weiland-talvez-eu-e-o-velvet-revolver-ainda-facamos-alguns-shows/

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Siga Whiplash.Net: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube

Receba as novidades do Whiplash.Net por WhatsApp


Stamp


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Scott Weiland: dez momentos inesquecíveis do vocalista

Slash: "eu odeio o emo e seus guitarristas"

Scott Weiland: as melhores canções de sua carreira solo

Bateristas: os dez músicos mais loucos de todos os tempos

Iron Maiden: "pequena falha" em outdoor na Russia em 2011


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande.