Almah: entrevista com Edu Falaschi na Roadie Crew

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Filipe Crosara, Fonte: Roadie Crew
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 19/11/11. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

A edição Nº 154 do mês de novembro de 2011 da revista Roadie Crew (www.roadiecrew.net) traz uma entrevista com Edu Falaschi (Angra / Almah), feita por Thiago Rahal Mauro; confira alguns trechos:

449 acessosRio Rock City: O Power Metal morreu?5000 acessosMúsica Fácil: 3 músicas fáceis que você toca errado na guitarra

Quando você sentiu que o Almah não era mais um projeto paralelo e sim uma banda com integrantes fixos?

Edu Falaschi: A minha intenção de tornar o Almah uma banda de verdade aconteceu quando o Angra teve a primeira ruptura, em 2007, e eu não sabia se eles iam continuar ou acabar naquele momento. Como as coisas estavam meio nebulosas dentro do gerenciamento do grupo - desde 2003, na verdade - comecei a pensar no meu futuro como artista e projetei o primeiro disco do Almah em 2006. Depois, chamei o Felipe Andreoli para me ajudar nessa empreitada. Até convidei o Aquiles Priester para alguns shows, mas ele estava dedicado ao Hangar, que é a sua banda do coração e não poderia continuar comigo. Eu queria músicos focados em fazer a banda crescer e criar algo novo.

Motion é, de fato, um álbum diferente e carrega características nunca vistas anteriormente em sua carreira. A faixa Soul Alight, por exemplo, tem influência do Death Metal...

Edu: Influência de Death é com o Paulo Schroeber (risos). Ele brinca que nasceu ecutando Helllhammer, a banda favorita dele. Aliás, Soul Alight tem mais ainda dessa característica. Devo concordar qeu Motion é um disco mais uniforme e nós sempre vamos ter três características daqui pra frente: peso, técnica e melodia. Este álbum define a nossa sonoridade como banda.

Um dos comentários mais frequentes sobre Motion é que você transparece tranquilidade, confiança e vontade na hora de cantar...

Edu: Digamos que este sou eu verdadeiramente cantando. Realmente, estou mais tranquilo e sem um peso nas costas, como você mencionou. Isso se deve pelo clima da banda, de amizade e companheirismo.

E o Almah vai cumprir toda a agenda até o final do ano?

Edu: Exatamente. Vamos fazer todas as apresentações programadas até a minha operação, principalmente porque as músicas tocadas nos shows são da maneira que gosto de cantar. O Angra está temporariamente parado para cuidar de problemas burocráticos. Após essa pausa nós vamos sentar, conversar e ver o que vai acontecer, mas os fãs podem ficar tranquilos que vou fazer o possível e o impossível para que tudo isso não acabe.

A entrevista completa pode ser conferida na edição Nº 154 do mês de novembro da revista Roadie Crew (www.roadiecrew.net).

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

449 acessosRio Rock City: O Power Metal morreu?1221 acessosAngra: discografia de volta ao Spotify1366 acessosAngra e Hangar: Fábio Laguna conta como entrou nas bandas2496 acessosAngra: "reunião" durante aniversário de Paulo Baron, veja vídeo674 acessosBruno Sa: comenta a morte de Paul O'Neill e relembra audição1121 acessosAquiles Priester: No lugar onde montou a sua primeira bateria0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Angra"

Kiko LoureiroKiko Loureiro
Afastamento do Angra começou antes do Megadeth

AngraAngra
Ouça o cover de "Walk" do Pantera com Renatón nos vocais

Ricardo ConfessoriRicardo Confessori
"O Shaman foi o ápice da nossa carreira"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Edu Falaschi"0 acessosTodas as matérias sobre "Almah"0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"

Música FácilMúsica Fácil
3 músicas fáceis que você toca errado na guitarra

Método científicoMétodo científico
Como escolher seu instrumento musical

MotorheadMotorhead
Segundo Lemmy Kilmister, "Rap não é música"

5000 acessosÁlbuns ao vivo: 10 grandes registros da história do rock5000 acessosMotorhead: a opinião de Lemmy sobre Viagra, Hendrix e velhice5000 acessosOzzy Osbourne: Nirvana e Green Day entre as bandas favoritas5000 acessosMetallica: vizinho zoófilo, cocaína e groupies5000 acessosInstrumentos: algumas das guitarras mais doidas já feitas5000 acessosGuns N' Roses: os esqueletos guardados no baú da banda

Sobre Filipe Crosara

Filipe, nascido em Uberaba-MG, começou a ouvir e se interessar pelo Heavy Metal aos 12 anos de idade, sempre apreciando o estilo em todas suas vertentes, suas principais influências são: AC/DC, Arch Enemy, Dream Theater, Kreator, Sepultura... dentre tantas outras... para ele o Heavy Metal é muito mais do que uma forma de expressão, é uma paixão única que vai além de tudo, onde a palavra mestre é "Lealdade".

Mais matérias de Filipe Crosara no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online