iPod é para os fracos: 93% dos EUA ainda ouve rádio

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Site do LoKaos Rock Show
Enviar correções  |  Ver Acessos


Houve um tempo onde o pensamento convencional era que a rádio tradicional, terrestre, evaporaria de nossas vidas. Que o iPod, os smartphones, o Spotify e rádios digitais por satélite simplesmente destruiriam esse formato. Mas o declínio tem sido bem menos vertiginoso e muito mais complicado do que qualquer um poderia ter imaginado.

Fotos de Infância: Max e Igor Cavalera, do SepulturaGóticas: 10 grandes bandas do gênero na Inglaterra dos anos 80

E agora, em 2011, quase 2012, ainda há um enorme número de pessoas ouvindo rádio tradicional. De acordo com uma pesquisa recente publicada pelo órgão Arbitron, 241.3 milhões de estadunidenses - ou 93 por cento dos adultos acima de 12 anos de idade - ouvem rádio terrestre pelo menos uma vez por semana. E isso ocorre através de rádios de painéis de carro, online e por aplicativos como o iHeartRadio.

Além disso, esse número subiu em 1.4 milhões em comparação a Dezembro de 2010, e mesmo a difícil faixa etária de 12 a 17 anos está se mantendo. Acima dela, o setor de 18 a 24 anos está mostrando sinais de crescimento. "A rádio hoje em dia alcança 66.3 milhões de ouvintes semanais nessa faixa de idade, e isso representa 94,4% desse setor", afirma o relatório 'Radar National Radio Listening Report de Dezembro.

Mas 93%? Parece muito, e números vindo de dentro da indústria do rádio devem ser vistos com certo ceticismo. Ponto de vista à parte, o impacto da rádio normal para os artistas permanece muito forte, e uma das principais razões pelas quais as grandes gravadoras têm tanta vantagem promocional. Pode chamar o rádio de ultrapassado e decrépito, mas este é um dos poucos formatos que ainda tem fôlego com conteúdo altamente restrito.

O que leva a um pequeno e controlado grupo de vencedores e um dos mais severos guardiões dos portais é a indústria musical. Enquanto fazíamos uma pesquisa ano passado, nos deparamos com estatísticas perturbadoras: o número de artistas com mais de 100 execuções em qualquer semana estava um pouco acima de 1300, e cerca de 70 por cento de todas as execuções era tirado de um repertório de apenas 1000 músicas.

Resumindo: apesar de pouca opção de conteúdo, comerciais cretinos e interrupções dos locutores, a rádio convencional ainda atrai um público considerável.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Notícias

Fotos de Infância: Max e Igor Cavalera, do SepulturaFotos de Infância
Max e Igor Cavalera, do Sepultura

Góticas: 10 grandes bandas do gênero na Inglaterra dos anos 80Góticas
10 grandes bandas do gênero na Inglaterra dos anos 80

Ghost: De quais bandas brasileiras eles gostam?Ghost
De quais bandas brasileiras eles gostam?

Metallica: A reação de James a famosos usando camisetas da bandaMetallica
A reação de James a famosos usando camisetas da banda

Músicas Ruins: blog elege piores de grandes bandas do Rock/MetalMúsicas Ruins
Blog elege piores de grandes bandas do Rock/Metal

Dream Theater: a história por trás da música Pull Me UnderDream Theater
A história por trás da música "Pull Me Under"

Iron Maiden: o último show da era Blaze Bayley no Brasil em 1998Iron Maiden
O último show da era Blaze Bayley no Brasil em 1998


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336