Rush: Geddy Lee comenta processo de criação de álbum

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nathália Plá, Fonte: Blabbermouth.net, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 23/05/12. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

A primeira coleção de material original do RUSH em mais de cinco anos, e seu primeiro lançamento de estúdio via Anthem/Roadrunner Records, o "Clockwork Angels", será lançado em 12 de junho.

241 acessosAvery Molek: medley de Rush na bateria aos 10 anos de idade5000 acessosCarlos Eduardo Miranda: "Um monte de roqueirinho que só quer ser da Globo"

As gravações do "Clockwork Angels" começaram em abril de 2010 com o produtor ganhador do Grammy Nick Raskulinecz (FOO FIGHTERS, DEFTONES) — que também colaborou com a banda em seu último álbum de estúdio, o "Snakes & Arrows", de 2007.

Liricamente, o "Clockwork Angels" faz uma crônica da busca de um jovem por um mundo luxuoso e colorido de ficção científica e alquimia, enquanto tenta seguir seus sonhos. A história fala de cidades perdidas, piratas, anarquistas, um carnaval exótico e um rígido observador que impõe precisão em cada aspecto da vida cotidiana. A romantização do "Clockwork Angels" está sendo escrita pelo escritor de ficção científica Kevin J. Anderson com a colaboração do baterista e letrista do RUSH Neil Peart.

Quando perguntado pelo Spin.com se as músicas do "Clockwork Angels" poderiam ter sido concluídas de uma forma diferente de como foram considerando que as letras constituem uma narrativa, o baixista/vocalista do RUSH, Geddy Lee, respondeu, "Bem, essa é uma boa pergunta porque isso foi muito discutido enquanto estávamos compondo o material novo. O que eu queria evitar nesse disco era ser um escravo do folhetim. Eu não queria que os detalhes da história começassem a tirar o peso da individualidade de qualquer uma das músicas. Eu queria que as músicas fossem uma coletânea que pudesse se sustentar sozinha, fora do contexto da história como um todo. Quando você vê uma coletânea de músicas como a 'Tommy' do THE WHO, você pode pegar a 'I'm Free' e separar das demais que ainda assim ela vai se sustentar. Mas em conexão com a história, ela leva uma nova interpretação. Então houve muita discussão sobre isso. Acho que em um dado momento, o Neil [Peart, baterista/letrista] ficou um pouco frustrado com a minha determinação em manter a linha da história mínima de uma certa forma."

Falando sobre se houve um ponto no processo em que o Neil conversou com Geddy e com o guitarrista Alex Lifeson e falou, "Eis o que essas letras significam" e se há espaço para Geddy ter sua própria interpretação, Lee disse, "Há momentos em que tem muita discussão, e há momentos em que pegamos uma letra e não dá certo. Se não houver uma conexão, então você tem de chegar e dizer [para o Peart] 'Sim, diga-me qual é a história de novo. Por que o personagem está nessa situação. Por que ele está fazendo isso? O que você quer que ele sinta nesse momento?' Outras vezes fica bem claro para mim e quando isso acontece eu posso trazer minha própria interpretação para a música porque eu compreendo o que o Neil quer dizer e o que ele quer que o personagem esteja expressando. É realmente importante para mim ser claro com ele. Eu tenho de compor uma melodia vocal e eu tenho de dar significado àquilo, sabe? Então eu tenho de estar na mesma página que ele. Ou pelo menos no mesmo capítulo do livro!"

Track list do "Clockwork Angels":

01. Caravan
02. BU2B
03. Clockwork Angels
04. The Anarchist
05. Carnies
06. Halo Effect
07. Seven Cities Of Gold
08. The Wreckers
09. Headlong Flight
10. BU2B2
11. Wish Them Well
12. The Garden

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 23 de maio de 2012

RushRush
Capivaras de zoológico em Toronto ganham nome do trio

241 acessosAvery Molek: medley de Rush na bateria aos 10 anos de idade436 acessosLoudwire: em vídeo, 10 maiores riffs de metal dos anos setenta0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Rush"

RushRush
Eles são três; descubra por que parecem mais

RushRush
Entendendo as letras de "Moving Pictures"

GibsonGibson
Os 10 maiores bateristas de todos os tempos

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Rush"

MirandaMiranda
"Um monte de roqueirinho que só quer ser da Globo"

DoorsDoors
Perguntas e respostas e curiosidades diversas

AngraAngra
A carta aberta de Edu Falaschi sobre a sua saída da banda

5000 acessosHetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no Metallica5000 acessosEddie: a foto que supostamente inspirou Derek Riggs5000 acessosMetallica: Hammett e Ulrich escolhem álbuns e músicas da década passada5000 acessosMemes: versões para Slipknot, Linkin Park e SOAD5000 acessosGothic Metal: os dez trabalhos essenciais do estilo5000 acessosSepultura e irmãos Cavalera: da vanguarda ao apequenamento

Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online