Metallica: Hetfield e Hammet falam sobre o Black Album

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nathália Plá, Fonte: blabbermouth.net, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Chris Steffen do The Village Voice entrevistou em junho de 2012 o guitarrista/vocalista, James Hetfield, e o guitarrista, Kirk Hammett, do METALLICA, falando sobre o álbum de 21 anos atrás, o auto intitulado quinto LP da banda do ano de 1991, conhecido como Black Album. Seguem alguns trechos da conversa.

338 acessosMetallica: Cliff Burton VS Jason Newsted VS Robert Trujillo5000 acessosSilverchair: a história por trás da capa de Freak Show

The Village Voice: A "Nothing Else Matters" foi um grande desvio tomado pela banda. Ela irritou alguns fãs que esperavam thrash metal, mas ainda assim é tocada em quase todos os shows.

James Hetfield: É uma verdadeira loucura, essa foi a música que eu achei que menos tivesse a cara do METALLICA, a que menos provavelmente seria tocada por nós, a última música que alguém iria querer escutar. Foi uma música que fiz para mim no meu quarto durante uma turnê quando eu estava lamentando por estar longe de casa. É bem incrível, é um verdadeiro legado à honestidade e à auto exposição, mostrar seu verdadeiro eu, e aventurar-se, correr o risco de alguém estraçalhar seu coração ou desse alguém entregar-lhe seu coração, e você nunca saberá se não tentar. Isso consolidou, eu acho, o fato de que estávamos fazendo a coisa certa, compondo de coração sobre nossos sentimentos, e não dá pra errar fazendo assim. Ela revelou-se uma música inacreditável ao vivo, e tendo os Hells Angels de Nova Iorque colocado essa música no filme deles, e pessoas se casando ao som dessa música, todo esse tipo de coisa, as pessoas passaram a se identificar com ela. Eu sou grato pelos caras terem me forçado a tirar ela do meu toca-fitas e fazer dela uma música do Metallica.

The Village Voice: O que você acha que é tão convincente nos temas na "The Unforgiven" a ponto de leva-los a decidir revisitar a música em duas sequencias?

James Hetfield: Talvez não esteja pronto, talvez não tenha me sentido perdoado ou capaz de perdoar. É uma daquelas músicas que para mim é bem pessoal, obviamente girando em torno do perdão no mundo e em si e seja contra o que quer que seja que você guarde ressentimento, trabalhar nisso. A melodia propriamente dita nunca saiu da minha cabeça, ela para mim é potente, e liricamente, coisas continuam a vir com ela, e provavelmente pelo fato de que você não deve fazer uma trilogia ou coisa assim, ou continuar compondo sobre a mesma coisa no álbum seguinte. Acho que depois da "The Unforgiven III", nós meio que acabamos com isso. Acho que sou capaz de perdoar, perdoar a mim mesmo e partir pra outra.

The Village Voice: Você já chegou a olhar pro setlist antes de um show, ver a "Enter Sandman", e dizer, "Sério, caras, essa noite não"?

Kirk Hammett: Tem uma certa quantidade de músicas que sabemos que temos de tocar porque o público espera que a gente toque, e músicas que colocamos porque estamos a fim de tocar ou recebemos pedidos. A grande coisa com nossa música é que a maioria delas é realmente, realmente divertida de tocar, e realmente dinâmica, dinâmica a ponto de se acaso quisermos mudar uma parte da música, ou acrescentarmos uma parte, ou tirar, ela vai sobreviver a isso. Quando as músicas começam a ficar um pouco entediantes, o que fazemos e simplesmente muda-las, tirar umas partes, acrescentar, ou torna-las mais dinâmicas, e é o nosso jeitinho de contornar esse fator do tédio, o que acho ser uma abordagem boa, uma abordagem honrosa. Houve vezes que a menção à "Seek And Destroy" me dava náuseas, mas começamos a tocar ela num tom mais pesado, e agora ela soa como uma música novinha em folha para mim. Fizemos a modificação há seis ou sete anos atrás, e a adoro vez após outra.

Leia a entrevista na íntegra no The Village Voice.

http://blogs.villagevoice.com/music/2012/06/metallica_black_...

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 25 de junho de 2012
Post de 02 de julho de 2012

MetallicaMetallica
A música preferida dos fãs nos shows ao vivo

338 acessosMetallica: Cliff Burton VS Jason Newsted VS Robert Trujillo261 acessosMetallica: mais vídeos oficiais ao vivo, jovem fã sobe ao palco290 acessosMeshuggah: e se "Bleed" tivesse a bateria de "St. Anger"?375 acessosMetallica: vídeo profissional de "Creeping Death" em Miami0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Metallica"

Jason NewstedJason Newsted
Ele nunca teve chance no Metallica

NoisecreepNoisecreep
Os 10 clipes mais assustadores do Heavy Metal

NewstedNewsted
"Ninguém poderia substituir Cliff e eu sabia disso"

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Metallica"

SilverchairSilverchair
A triste história por trás da capa do álbum Freak Show

AerosmithAerosmith
Steven Tyler e três mulheres nuas no chuveiro

Iron MaidenIron Maiden
O pior momento de Bruce Dickinson no palco

5000 acessosSlayer: Gary Holt é realmente um cara mal-agradecido5000 acessosCristina Scabbia: cantora fala sobre seus seios e Playboy5000 acessosFascínio pelo terror: Cinco bandas que dão medo5000 acessosDave Grohl: "foi o melhor desastre da história da banda"5000 acessosRegis Tadeu: "Lemmy era tão poderoso que seu corpo não teve coragem de contrariá-lo"5000 acessosPaul Stanley: A dor e o drama de ser corno de um Caça-Fantasmas

Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online