Matérias Mais Lidas

imagemBill Hudson diz que tatuagem pode ter sido entrave para entrar no Megadeth

imagemMarcos Mion conta história de encontro (e manjada) com Bon Jovi no banheiro

imagemQuando Angus Young, do AC/DC, detonou o Led Zeppelin e os Rolling Stones

imagemO que mais impede Kiko Loureiro de voltar ao Angra? (Não tem nada a ver com o Megadeth)

imagemBeatles: Paul McCartney conta a história por trás de "Ob-La-Di, Ob-La-Da"

imagemEdgard Scandurra, do Ira!, explica atual sumiço do rock nas rádios brasileiras

imagemPhil Campbell conta como era fácil "comprar" Lemmy pra fazer qualquer coisa

imagemRage Against The Machine vem ao Brasil em dezembro, diz José Noberto Flesch

imagemApós viralizar com anúncio, Harppia revela identidade do novo baixista

imagemAutor de "God Save The Queen", Johnny Rotten diz que sente orgulho da Rainha Elizabeth

imagemA curiosa opinião de Ozzy sobre cover do Metallica para "Sabbra Cadabra"

imagemJimmy Page dá opinião sobre streaming e enaltece desconhecido herói dos músicos

imagemBruce Dickinson diz o que o surpreendeu quando retornou ao Iron Maiden

imagemKiko Loureiro explica por que acha uma merda seu solo de guitarra em "Rebirth"

imagemChad Smith chama matéria sobre Taylor Hawkins de "sensacionalista e enganosa"


Stamp

Lothlöryen: "sem os fãs não somos nada"

Por Débora Brandão
Fonte: Metal Media
Em 11/09/12

Press-release - Clique para divulgar gratuitamente sua banda ou projeto.

É com este respeito aos admiradores de seu trabalho que o LOTHLÖRYEN vem angariando cada vez mais seguidores ao seu Power Metal extremamente carismático. Em uma entrevista exclusiva para o site Metal Media, o grupo conta um pouco de sua carreira, de seus altos e baixos, e claro, algumas polêmicas.

Respondida pelos músicos Leko Soares e Daniel Felipe, a entrevista bem descontraída e relevante, mostra outra faceta da banda. Confira alguns trechos:

- Um pouco antes do lançamento de ‘Raving Souls Society’ o Lothlöryen teve uma mudança traumática na formação: os vocais. Hoje já sabemos que Daniel Felipe não só segurou as pontas, como também trouxe muito de positivo para o grupo. Mas como foi naquele momento da troca? Vocês pensaram em acabar com a banda?

Daniel Felipe: A resposta tem dois pontos de vista inevitáveis, né? O do cara que entrou e o dos caras que receberam. Eu, Daniel, posso dizer que tudo rolou de uma forma muito fácil e natural, pois já era amigo da galera desde 2005 e mantinha contato constante com eles, especialmente o Leko, o que se intensificou em 2009, quando gravei os backing vocals no "Some Ways Back no More". Daí, quando eles tiveram problemas, ajudei-os em uns shows importantes em 2010. Depois, veio o novo álbum e gostei muito da proposta de sonoridade da banda, de modo que sentamos juntos e finalizamos as composições. A partir daí, eles me subornaram com cerveja, doce de leite e pães de queijo e tudo rolou (risos).

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Leko Soares: De fato, tinha tudo pra ser traumático, até porque na época que o Léo sumiu de vez, tínhamos um show marcado em Curitiba em um festival animal que era tudo o que estávamos querendo naquele momento. Ainda bem que a ideia do Daniel substituir o Léo naquele show foi automática e como tínhamos o Roça n’ Roll logo adiante, sabíamos que precisaríamos do Daniel mais um pouquinho. Como todo mundo sabe, esse "pouquinho" foi durando e hoje com certeza não precisamos mais ficar olhando pra trás.

- Uma característica marcante sempre foi a relação da banda com o público. Poucas bandas tem essa ‘intimidade’ com os apreciadores de sua música. Quando vocês perceberam que essa proximidade era necessária? Até que ponto isso implica no comportamento da banda?

Daniel Felipe: Essa proximidade se percebe desde logo, desde que você funda uma banda e se imagina tocando pra milhares de pessoas (risos). Um artista sem público é um artista incompreendido ou expressa de forma desagradável sua arte. Vale trazer a frase do mineiro Milton Nascimento "o artista tem que ir aonde o povo está", afinal ele leva uma mensagem em sua arte! A banda sempre vai ter essa postura de conversar com todos e aproximar-se cada vez mais da galera. E que os apreciadores de nossa música tornem-se apreciadores, também, de nossa cerveja e do hidromel Valkyria Lothlöryen (risos), com moderação…

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Leko Soares: Minha forma de pensar quanto a isso é simples: Nesses anos de estrada, geralmente os caras mais gente fina são os que estão mais estabelecidos, são aqueles que de fato são relevantes na cena. Partindo desse ponto, quem somos nós pra desprezar qualquer fã ou admirador da banda que seja. A banda vive pra eles, sem os fãs não somos nada, a inspiração esgota e tudo se esvai.

- Uma das novidades desta nova turnê é o formato ‘acústico’ que vocês oferecem como opção para os produtores, como surgiu a ideia? Quais são as diferenças em cima do palco? Este formato é apenas pontual, ou vocês pensam em gravar deste jeito também?

Leko Soares: A ideia do acústico na verdade surgiu em 2011 quando recebemos um convite para tocar no Jantar Medieval em Cosmópolis. Esse evento é promovido pela galera do Taberna Folk e é de fato, uma viagem de volta no tempo. Não dava pra gente recusar o convite e nos esforçamos pra tirar alguns sons medievais e dar uma roupagem diferente para as nossas músicas. No fim das contas agente curtiu tanto o resultado que mantemos essa alternativa para os shows. Nós pensamos sim em gravar algo acústico até porque as nossas músicas soam muito bem nesse formato e tocar em eventos mais voltados para a cultura Medieval e RPGísticas é uma das nossas metas daqui pra frente pois gostamos muito do clima que rola nesses eventos. Sem contar que a galera chapa pra caralho e o Hidromel é sempre de boa qualidade, (risos).

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Leia a entrevista completa pelo link abaixo.

http://metalmedia.com.br/newspress_br/?p=10174

Contato para shows e merchandise: [email protected]

Sites Relacionados:
www.lothloryen.com
www.facebook.com/leogodde
www.metalmedia.com.br/lothloryen

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

PRB
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Metal Nacional: as 10 melhores músicas de 2015

Orgulho Nacional: as capas mais bonitas por artistas brasileiros



Sobre Débora Brandão

Responsável pela Metal Media Management, cresceu ouvindo clássicos do Rock n' Roll e Heavy Metal por influência de seus pais. Em 2007 iniciou sua carreira na área da música trabalhando em uma gravadora nacional e fundando uma assessoria de comunicação voltada a bandas de Rock/Metal. Hoje, com grandes nomes no Roster, a Metal Media é uma das empresas que mais apoia e acredita no Metal Nacional.

Mais matérias de Débora Brandão.